No peito e na alma !

No peito e na alma !

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Gabigol fala sobre propostas e permanência no Santos: “Na alegria e na tristeza”



Gabigol disse que é momento de dar a cara a tapa no Santos (Ivan Storti/SFC)

Gabigol falou pela primeira vez sobre as propostas recebidas e a decisão de permanecer no Santos. De acordo com o técnico Cuca, as ofertas foram do Valencia-ESP e mundo árabe. 

O atacante afirma que é momento de dar a cara a tapa e ajudar os companheiros a sair da zona do rebaixamento no Campeonato Brasileiro e buscar as fases finais da Copa do Brasil e Libertadores da América.

“Essa situação de proposta eu não costumo falar, deixo com meus pais e empresários. Conversei com ele sobre várias questões, de dentro e fora de campo. Abri essa situação, falei isso, sim, todos sabem do meu carinho pelo Santos, pela torcida, por meus companheiros. Viraram uma família para mim. Estou com eles e sabem disso. Podem contar comigo na alegria e tristeza. Estou bem no Santos, feliz, não dá para falar sim ou não, mas quero muito ficar e ajudar o Santos”, disse Gabriel, em entrevista coletiva nesta segunda-feira, no CT do América-MG.

“Sempre falei da responsabilidade dividida, alguns momentos eu falo e me exponho mais para ajudar. Vanderlei mais quieto, Alison fala mais e corre 9 ou 10 kms, corre e dá carrinho por todos. Bruno e Rodrygo mais quietos… Responsabilidade de todos, grande time, grande camisa, torcida imensa. É momento de pôr a cara a tapa, principalmente eu, não tenho medo. Nosso time tem muita calma, união. Somos grandes amigos e sabemos que, juntos, vamos sair dessa situação”, completou.

Após a derrota por 3 a 1 para o Atlético-MG neste domingo, no Estádio Independência, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Santos ficou em Belo Horizonte para a decisão contra o Cruzeiro. Depois de perder por 1 a 0 na Vila Belmiro, o Peixe precisa vencer a Raposa nesta quarta-feira, no Mineirão, para avançar à semifinal da Copa do Brasil.

Há oito jogos sem vencer, Santos tem que se reinventar para fugir do Z4

Técnico vê evolução no time, mas precisa encaixar o meio de campo, pois Alison tem caído de produção nas últimas atuações. Peixe ainda pode tentar Sánchez, Ruiz e Derlis


Cuca corre contra o tempo para encaixar o time do Santos (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo)

Novo técnico, novos conceitos e um novo time titular. O técnico Cuca comanda o Santos há 15 dias. Ele ainda está conhecendo o elenco e escolhendo o que tem de melhor disponível. Porém, ele precisará correr contra o tempo para reinventar a equipe que ocupa a 17ª colocação na tabela do Campeonato Brasileiro.

Para fugir da zona de rebaixamento o Peixe precisará vencer o Sport no próximo sábado, às 16h, na Vila Belmiro. Um empate não alivia a situação. E para isso, Cuca precisará voltar a encaixar o meio de campo. 

A derrota por 3 a 1 para o Atlético-MG mostrou algumas fragilidades do time alvinegro. Alison, por exemplo, caiu de rendimento e tem errado muitos passes. Jean Mota foi praticamente anulado e pouco fez no ataque. Vale lembrar que Cuca ainda não deu sequência a Bryan Ruiz e Derlis González. O primeiro se mostra abaixo fisicamente, mas o segundo está apto. 

Apesar dos pesares, o treinador viu evolução. Para ele o problema a ser enfrentado é o cansaço. O Alvinegro está em três competições: Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores. 

- Vi evolução hoje. Se tivermos esse nível e mais descansado, teremos chance maior de vencer. Eu não posso me dar ao luxo de poupar jogadores. Bruno Henrique jogou com certa dor no adutor, saiu muito em função disso. Mas como preservar o time a um ponto do Z-4? Tem que cuidar bem com alimentação, repouso, e por isso ficaremos aqui (Em Belo Horizonte) até quarta - disse Cuca após a derrota para o Galo. Por Lancepress

Mano Brown mandou o Papo

Sentimento do rapper é de todos os santistas que amam o clube


domingo, 12 de agosto de 2018

Em 'dia infeliz', Dodô vê Santos abaixo e elogia Oliveira após derrota

Peixe foi derrotado por 3 a 1 na manhã deste domingo, no Estádio Independência. Lateral exaltou ex-atacante: "Mostrou que com quase 40 ainda faz diferença”



Depois de ver o Santos perder por 3 a 1 para o Atlético-MG, na manhã deste domingo, no Estádio Independência, Dodô viu dois motivos para o 'resultado infeliz': o cansaço do time por conta da sequência de jogos e Ricardo Oliveira, que brilhou com dois gols na partida.

O ex-atacante do Peixe recebeu elogios do lateral esquerdo. Ele deixou o Alvinegro no ano passado após a não renovação do contrato. 

- Mais um dia infeliz. Tivemos primeiro tempo melhor que eles, buscamos empate e sentimos um pouco o calor. Ficou evidente que time sentiu fisicamente e acabou tomando o gol. Temos que estar mais atentos. Nos três gols a bola estava no nosso domínio. Eles têm o Ricardo Oliveira, conhecemos bem e é cirúrgico. Mostrou que com quase 40 ainda faz diferença - disse. 

Com o resultado o Santos volta a flertar com a zona de rebaixamento. O time está em 16º na tabela do Campeonato Brasileiro, com 18 pontos, e pode retornar ao Z4 até o final da rodada. Lancepress

Cuca reclama de pênalti não marcado em Gabigol e assume responsabilidade por nova derrota do Santos


"Seria um lance que nos daria ou encaminharia a vitória", afirmou o técnico, que vê o Peixe em evolução

Por Globoesporte.com

Cuca fez sua análise da derrota do Santos por 3 a 1 para o Atlético-MG, na manhã deste domingo, no estádio Independência. O técnico afirmou que o Peixe fez dois tempos distintos, mas viu evolução na equipe. Foi apenas a quarta partida do comandante desde seu retorno à Vila Belmiro (duas derrotas e dois empates).

– Nosso primeiro tempo foi muito bom, mesmo saindo atrás. Mantivemos a posse de bola, a calma, desenhamos a jogada, empatamos. Tivemos o controle durante grande parte do tempo. No segundo tempo, foi diferente. O Atlético-MG tomou a iniciativa do jogo e pelo nosso lado esquerdo defensivo estavam vindo com bastante força e triangulando. Sentimos isso. Tem que trabalhar e evoluir. Já vi evolução hoje (domingo) – disse Cuca, em entrevista coletiva após a partida.


Cuca, técnico do Santos, no jogo contra o Atlético-MG (Foto: DUDU MACEDO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Cuca também reclamou de um pênalti cometido em Gabigol (não marcado pela arbitragem) no segundo tempo, antes de o Galo voltar a ficar à frente do placar. O atacante também reclamou. Veja o lance no vídeo abaixo:

– Tivemos a chance de fazer o 2 a 1 com o Rodrygo, com o Dodô e tivemos um pênalti, que tive o cuidado de analisar lá dentro. Foi um pênalti claro, que geralmente as arbitragens dão esse tipo de penalidade. Seria um lance que nos daria ou encaminharia a vitória, como o segundo gol do Atlético encaminhou a vitória deles. Sentimos o jogo, a viagem, de Ceará para Santos, depois para cá, enquanto o adversário não teve esse desgaste. O terceiro gol pode colocar na minha conta. Tirei um volante e coloquei um centroavante para tentar empatar. O culpado é o treinador, que colocou o time. Cobro internamente. Escorregamos no lance do terceiro gol, foi uma fatalidade – falou o treinador.



Gabriel divide bola na área e cai pedindo pênalti mas juiz segue lance com 15´ do 2º tempo

Com a derrota para o Galo, o Santos cai para a 16ª colocação, com 18 pontos. O Peixe pode voltar à zona de rebaixamento até o fim da rodada em caso de vitória da Chapecoense sobre o Corinthians, na tarde deste domingo. O técnico descarta poupar atletas em meio à sequência pesada de jogos.

– Não posso me dar ao luxo de poupar jogadores. O Bruno Henrique jogou até com uma dor no adutor. Como vou preservar o time? Estamos a um ponto da zona do rebaixamento. Nós temos de equilibrar bem com repouso e alimentação e por isso vamos ficar aqui até o jogo contra o Cruzeiro.




O elenco santista permanece em Belo Horizonte. Na quarta-feira, o Peixe enfrenta o Cruzeiro, pela volta das quartas de final da Copa do Brasil.

Com lei do ex, Atlético-MG bate o Santos e volta a pontuar no Brasileirão



Ricardo Oliveira comanda vitória do Galo sobre o Santos (Foto: Bruno Cantini / Atlético)

A “lei do ex” não tem falhado no futebol brasileiro. E assim foi na vitória do Atlético sobre o Santos, por 3 a 1, na manhã deste domingo, no Independência. O duelo pelo Campeonato Brasileiro teve sofrimento e bastante raça para o clube alvinegro conseguir o resultado que deixa a equipe na quarta colocação com 30 pontos anotados, já o Peixe segue colocado na zona de rebaixamento, com 18 tentos, na 16ª posição.

O jogo que marcou o reencontro do Atlético com o técnico Cuca – treinador que negociou com o clube mineiro em algum momento da temporada – foi bastante complicado para os dois lados. Além do forte calor, as duas equipes entraram em campo pressionadas. O Atlético foi mais eficiente, e conseguiu fazer o resultado. Já os santistas não curtiram o reencontro com o Ricardo Oliveira: ele marcou dois gols no triunfo e garantiu os três pontos para o Galo.

O Atlético volta a campo no próximo domingo, às 16h (de Brasília), contra o Botafogo, no Engenhão. Já o Santos terá o Cruzeiro, na quarta-feira, pela Copa do Brasil. Já pelo Brasileirão, o Peixe recebe o Sport, no sábado, na Vila, às 16h.

Primeiro tempo

O Atlético entrou em campo com alterações na equipe titular. O técnico Thiago Larghi fez testes durante a semana e a formação o agradou. O treinador atleticano tirou o volante Matheus Galdezani e escalou Nathan no lugar. Já Luan perdeu a vaga para Tomás Andrade.


Foto: Bruno Cantini/CAM
Foto: Bruno Cantini/CAM

A partida começou equilibrada. As disputas de meio campo eram intensas. Prova disso é que logo aos 2 minutos, dois jogadores já ficaram caídos no gramado.

Aos 9, o Galo chegou ao gol. No primeiro chute contra a meta de Vanderlei, Tomás Andrade recebeu na esquerda e tocou para Elias. O volante chutou forte, no cantinho e o goleiro santista não conseguiu alcançar.

O Galo, no entanto, recuou após o gol. O Santos aproveitava a situação para utilizar a velocidade e técnica de Rodrygo para buscar o ataque.

Aos 26, o Santos chegou ao empate. Com boa jogada de Rodrygo, na direita, a bola sobrou para Bruno Henrique, já dentro da área. Ele cruzou para Gabriel que mandou para o fundo das redes.

Mesmo com o gol santista, o Atlético não cresceu de rendimento. O Galo ficou travado no meio campo. Seu melhor jogador na etapa inicial, Tomás Andrade, não conseguia ter mais espaços e a armação de jogadas do Galo era inútil. Lá na frente, Ricardo Oliveira ficava ilhado.

Segundo tempo

Na volta para a etapa complementar, o técnico Thiago Larghi mandou Cazares na vaga de Tomás Andrade. A expectativa era ter um time com uma melhor armação de jogadas.

Não funcionou nos primeiros minutos. O jogo ficava bastante travado no meio campo, sem chances claras para os dois lados. O Atlético até conseguia segurar a bola, mas não fazia disso chances. O Santos também apostava na velocidade de Bruno Henrique, mas Emerson marcava bem o adversário.

Após os 20 minutos, com o calor que fazia em Belo Horizonte, os espaços começaram a aparecer. O Atlético soube aproveitar melhor essa situação.

Chará cresceu de rendimento e Elias aparecia bem no ataque. Com isso, o Atlético conseguiu criar mais chances. Primeiro com uma boa chegada de Chará, que chutou forte após tabela com Ricardo Oliveira.

Lances depois, aos 25, Cazares cruzou na medida para Ricardo Oliveira. O atacante desviou de cabeça e a bateu Vanderlei marcou o segundo gol atleticano.

No finalzinho, Ricardo Oliveira recebeu a bola na frente, em contra-ataque rápido, e fechou a contagem: 3 a 1 para o Galo.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 3 X 1 SANTOS

Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 12 de agosto de 2018, domingo
Horário: 11h (de Brasília)
Árbitro: Rodrigo D’alonso Ferreira
Assistentes: Helton Nunes e Thiaggo Americano Labes

Gols: Elias, aos 9 minutos do primeiro tempo, Ricardo Oliveira, aos 25 e aos 48 do segundo tempo (Atlético); Gabriel, aos 25 do primeiro tempo (Santos)
Cartões: Maidana, Elias (Atlético)

ATLÉTICO-MG: Victor; Emerson, Léo Silva, Iago Maidana e Hulk; José Welison, Elias (Matheus Galdezani) e Nathan (Luan); Yimmi Chará, Tomás Andrade (Cazares) e Ricardo Oliveira
Técnico: Thiago Larghi

SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Lucas Veríssimo e Dodô; Alison (Yuri Alberto), Jean Mota (Diego Pituca) e Léo Cittadini; Rodrygo, Bruno Henrique (Copete) e Gabigol
Técnico: Cuca

Cuca busca melhora em Gabigol, novamente titular do Santos



Cuca tenta ajudar Gabigol (Ivan Storti/SFC)

Após ficar no banco de reservas para a entrada de Yuri Alberto contra o Ceará, Gabigol voltará a ser titular do Santos contra o Atlético-MG neste domingo, às 11h (de Brasília), no Independência, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

E um dos principais objetivos de Cuca é ajudar o camisa 10 a melhorar. O técnico aposta nele como centroavante, mas sabe que não pode exigir características de um legítimo 9, como fazer o pivô, cabecear bem e levar a melhor fisicamente sobre os adversários.

O treinador pensa em Gabriel como um falso 9, assim como era Gabriel Jesus no Palmeiras sob seu comando: ele tem a liberdade para sair da área, porém, sem deixar de ter a responsabilidade da referência no ataque ao lado dos habilidosos Rodrygo e Bruno Henrique.

“Tem que perguntar para o Gabigol qual posição preferida. Ele é polivalente, centroavante, mas não de costas. Ele pode ser um definidor, mas sem ficar só dentro da área. Temos que achar uma alternativa para ele ser bem utilizado. É muito importante para nós”, disse Cuca, em entrevista coletiva na última sexta-feira.

Quando foi contratado no empréstimo junto a Internazionale-ITA em janeiro, Gabigol afirmou que gostaria de ser utilizado como centroavante. O técnico Jair Ventura endossou o discurso e viu o camisa 10 como um nove. Depois dos altos e baixos, porém, o Menino da Vila mudou o tom e disparou a seguinte frase depois do empate com o Ceará: “Todos sabem que eu não sou centroavante”.

Gabriel foi promovido ao elenco profissional do Santos como um ponta e se destacou nessa função, principalmente sob o comando do técnico Dorival Júnior. Agora, enquanto o Peixe procura por um centroavante no mercado, o atacante tenta corresponder às expectativas. Ele tem 13 gols em 32 partidas na temporada.

Sob desconfiança, Atlético-MG e Santos se enfrentam no Independência



Ricardo Oliveira enfrentará o Santos pela primeira vez no Atlético-MG (Foto: Bruno Cantini/CAM)

Atlético-MG e Santos não apresentam bom futebol e vivem momento ruim na temporada. Em busca da reação, as equipes se enfrentarão na manhã deste domingo, às 11h (de Brasília), no Estádio Independência, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A maior pressão do Galo é por atuações melhores, já que o time ocupa a quinta colocação no Brasileirão, com 27 pontos. Depois da Copa do Mundo, apenas uma vitória foi conquistada. O Peixe, além de jogar mal, está na 15ª colocação, com 18 pontos, e luta contra a zona do rebaixamento.

Para o duelo, o técnico Thiago Larghi fez mudanças na equipe atleticana. O zagueiro Leonardo Silva está com uma inflamação e não vai para a partida. Gabriel será o substituto. Maidana segue na equipe, assim como Emerson, que vai ganhar mais minutos em campo. Na esquerda, Hulk continua, já que Fábio Santos está no departamento médico.

O meio-campo será o mais alterado. O volante Matheus Galdezani perdeu a posição para Nathan, novo armador da equipe. Tomás Andrade treinou na vaga de Luan no ataque. Ricardo Oliveira enfrentará pela primeira vez seu ex-clube.

O Santos também deve fazer mudanças, mas as alterações são um mistério. O técnico Cuca não descarta preservar alguns titulares após o empate com o Ceará, na última quarta-feira, em Fortaleza. A viagem foi desgastante e o preparo físico será exigido no jogo pela manhã.

Dodô cumpriu suspensão e é presença garantida. Diego Pituca briga por posição com Renato, enquanto a camisa 9 segue sendo disputada por Gabigol e Yuri Alberto.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG X SANTOS
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 12 de agosto de 2018, domingo
Horário: 11h (de Brasília)
Árbitro: Rodrigo D’alonso Ferreira
Assistentes: Helton Nunes e Thiaggo Americano Labes

ATLÉTICO-MG: Victor; Emerson, Gabriel, Iago Maidana e Hulk; José Welison, Elias e Nathan; Yimmi Chará, Tomás Andrade e Ricardo Oliveira
Técnico: Thiago Larghi

SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Diego Pituca (Renato) e Carlos Sánchez (Jean Mota); Rodrygo, Bruno Henrique e Gabigol (Yuri Alberto)
Técnico: Cuca

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Conselho Fiscal não alivia para Modesto e ele pode ser expulso



Ex-presidente santista corre o risco de ser expulso do clube (Crédito: Ivan Storti/Santos FC)

O Conselho Fiscal do Santos reprovou mais uma vez as demonstrações financeiras de 2017, da gestão de Modesto Roma Júnior. Sendo assim, na reunião do Conselho Deliberativo marcada para a próxima terça-feira, dia 14, o Conselho Fiscal vai recomendar aos conselheiros a reprovação das contas.

Caso a votação do plenário também reprove as contas de Modesto, o caso será encaminhado à Comissão de Inquérito e Sindicância (CIS), que vai definir a punição ao ex-presidente. Ele pode até ser excluído do quadro associativo do clube, o que acarretaria na perda do seu cargo de conselheiro.

Em março, as contas do ano passado foram apresentadas pela primeira vez e reprovadas. Modesto teve, então, a chance de se explicar e se defender. Ainda assim, o Conselho Fiscal manteve a decisão inicial de indicar a reprovação das contas do ex-presidente santista, que tentou se reeleger no fim do ano passado e acabou sendo derrotado por José Carlos Peres.

Peres explica razões para paralisar processo de impeachment no Santos

Presidente do Peixe vê procedimento sendo conduzido de forma política e conseguiu liminar na última quinta-feira para entrar com provas para sua defesa 


O presidente José Carlos Peres conseguiu na última quinta-feira uma liminar que bloqueou o andamento de seu impeachment no Santos. Ao LANCE!, o mandatário explicou as razões para paralisá-lo.

Peres entende que não teve todos os detalhes das acusações, portanto não teve direito de sua ampla defesa. Para ele, o caso foi conduzido de forma política.

- Fiz a autodefesa acreditando em um procedimento sério e com direito de ampla defesa. Depois descobri que se tratava de um procedimento conduzido de forma absolutamente política, sem direito a produção de provas. Tive que ir no Judiciário buscar o respeito constitucional ao devido processo legal - disse.

Com a liminar, os trâmites foram paralisados na Justiça e de antemão estão proibidos os encontros para tratarem do assunto. Havia uma reunião extraordinária do Conselho Deliberativo do Santos, presidido por Marcelo Teixeira, marcada pra o próximo dia 31 para debaterem o impeachment. 

São dois pedidos de impedimento que correm no Alvinegro: um encabeçado pelo conselheiro nato Esmeraldo Tarquínio e outro por Alexandre Santos e Silva. Ambos foram entregues a Marcelo Teixeira, presidente do Conselho, no mês passado, e protocolados em junho. Por Lancepress

Gabigol diz que falta sorte ao Santos, e Jean Mota lamenta desentrosamento


Lateral afirma que Cuca ainda está conhecendo as qualidades de cada jogador

Por Globoesporte

O atacante Gabriel afirmou que falta sorte ao Santos para superar a má fase que colocou a equipe à beira da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

Na última quarta, o time comandado por Cuca jogou mal, mas conseguiu um empate em 1 a 1 contra o Ceará, em Fortaleza. O resultado deixou o Peixe na 15ª posição, com 18 pontos.

Gabriel foi barrado dos titulares nessa partida, mas entrou no segundo tempo. Ele teve pouca participação.

– A gente está trabalhando. Temos um grande time, grandes jogadores, grande comissão técnica. Vontade e força não faltam, falta um pouco de sorte, de capricho ali na frente pra fazer os gols e conseguir as vitórias – disse Gabigol, no desembarque da delegação santista no aeroporto de Congonhas.

Jean Mota conversou com os jornalistas na chegada do Santos em São Paulo (Foto: Leonardo Lourenço)

O atacante lamentou o pouco tempo de trabalho entre um jogo e outro – o time volta a campo no domingo, às 11h (de Brasília), contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte.

– A gente tem pouco tempo para trabalhar, agora com a chegada de novos companheiros ainda falta um pouco de entrosamento com eles.

Na janela de transferências atual, o Santos contratou três estrangeiros: o uruguaio Carlos Sánchez, o paraguaio Derlis González e o costarriquenho Bryan Ruiz, que foi o último a estrear, na etapa final do jogo contra o Ceará.

Jean Mota, que substituiu o suspenso Dodô na lateral esquerda em Fortaleza e foi o autor do gol santista, disse que as mudanças recentes – de jogadores e técnico – atrapalham a busca por entrosamento:

– Ainda estamos conhecendo o Cuca. No decorrer dos jogos ele vai ver como cada um gosta de jogar, a função de cada um – afirmou.

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Recuperados, Veríssimo e Sasha podem reforçar o Santos

Zagueiro tratava de uma lombalgia aguda, enquanto atacante de uma lesão na coxa esquerda. Recuperados, estão em transição de campo e recondicionamento físico

Lancepress

Sasha e Veríssimo reforçam o Santos (Foto: Ivan Storti)

Lucas Veríssimo e Eduardo Sasha foram liberados do departamento médico e podem reforçar o Santos contra o Atlético-MG, no domingo, às 11h, no estádio Independência, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. 

O zagueiro se recuperou de uma lombalgia aguda, enquanto o atacante de uma lesão na coxa esquerda. Ambos estão em processo de recondicionamento físico.

A dupla pode ser opção para o técnico Cuca, já que Luiz Felipe e Gustavo Henrique estão pendurados no campeonato e o Peixe tem tido dificuldades para encaixar o ataque. Bruno Henrique caiu de rendimento e não vingou desde o retorno da lesão no olho.

Vale lembrar que a diretoria tem a intenção de negociar Lucas Veríssimo. O defensor quase foi vendido ao Torino recentemente, mas as exigências do presidente José Carlos Peres fizeram o acordo melar.