No peito e na alma !

No peito e na alma !

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Matheus Jesus veste boné e explica preferência por Santos ao São Paulo

Apresentado nesta segunda-feira, volante disse que estava acertado com o São Paulo, mas que clima no Peixe pesou na hora da escolha. Na coletiva, vestiu boné do Alvinegro


Antes mesmo de dar a primeira palavra como jogador do Santos, Matheus Jesus fez gestos significativos em sua apresentação, nesta segunda-feira. Quase acertado com o rival São Paulo, o volante vestiu um boné e deu risada quando perguntado sobre o acessório.

Depois, explicou a preferência pelo Peixe ao Tricolor.

- Houve polêmica porque o presidente de lá (do São Paulo, Carlos Augusto Barros e Silva) deu como certo, mas o Santos apareceu tão rápido com a proposta. E sei lá, foi por opção minha vir para cá. Pelo clima parecer ser melhor, o clube... Foi uma escolha minha. Santos deu as condições certas em tempo rápido. E eu aceitei - explicou.

Ansioso para estrear pelo Peixe, o volante de 20 anos afirmou que está pronto para jogar e que já treina em campo.

- Estou entregue à preparação do campo. Me sinto bem. Os profissionais da preparação física falaram que eu estava bem. Estou pronto. Se o Levir precisar de mim, estou à disposição - finalizou.

Matheus Jesus está emprestado para o Santos pelo Estoril, de Portugal, até o final de 2018.

Ele é o oitavo reforço do Santos na temporada, que antes havia contratado: Cleber, Leandro Donizete, Matheus Ribeiro, Vladimir Hernández, Bruno Henrique, Kayke e Nilmar.

Lancenet

Quarteto passará por ‘teste’ com Levir antes de retorno ao Santos

O técnico Levir Culpi está muito próximo de contar com os retornos de Gustavo Henrique, Ricardo Oliveira, Zeca e Victor Ferraz. O quarteto pode reforçar o Santos já nesta quarta-feira, na ‘decisão’ contra o Flamengo, pela volta das quartas de final da Copa do Brasil.

Até esta terça-feira, o treinador comandará treinos mais intensos com os quatro atletas. A intenção é ver se eles já estão preparados para um jogo que exigirá um maior preparo físico.

Gustavo Henrique e Ricardo Oliveira estão com chances maiores de retornarem diante do Fla, pois vêm treinando com bola seguidamente desde semana passada. Já Zeca e Victor Ferraz não participaram da atividade na última sexta-feira.

Apesar da expectativa, Levir Culpi acredita que os quatro só devem estar disponíveis para o próximo domingo, no embate contra o Grêmio, em Porto Alegre, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro.


Ricardo Oliveira e Zeca não jogam pelo Santos há quase dois meses (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

O zagueiro, que está fora de combate desde setembro do ano passado, já está totalmente recuperado de cirurgia no ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo. Ele vinha fazendo trabalhos de transição desde o início de junho e estava apenas recuperando as condições físicas nos últimos treinamentos.

Já Ricardo Oliveira não atua desde o dia 3 de junho, na derrota para o Corinthians, em Itaquera, pelo Brasileirão. De lá pra cá, o centroavante se recuperou de uma contusão no tornozelo e também ficou afastado dos gramados por causa de uma pneumonia.

Zeca, por sua vez, está liberado após ficar quase dois meses apenas fazendo trabalhos de prevenção por conta de dores na panturrilha esquerda. O lateral-esquerdo não joga desde o revés para o Cruzeiro, no último dia 28 de maio.

Por fim, Victor Ferraz sofreu uma contusão no joelho esquerdo após forte pancada no clássico contra o São Paulo, no dia 9 de julho, na Vila. Gazeta Esportiva

Levir Culpi prevê jogo difícil contra Flamengo

Técnico santista acredita em virada do Peixe no jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil

Do Estadão Conteúdo 

A boa vitória sobre o Bahia no último domingo por 3 a 0, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, pelo Campeonato Brasileiro, animou o técnico Levir Culpi para o jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil contra o Flamengo, no estádio da Vila Belmiro. O Santos perdeu o primeiro jogo por 2 a 0 e terá uma dura missão nesta quarta-feira.

"Vai ser um jogo muito difícil, que vai gerar um desgaste físico grande. Mas precisamos e vamos para cima deles. Vai ser difícil, mas nós vamos tentar dar o máximo, porque só ganhar nos interessa", prometeu o treinador, acrescentando que o bom momento do Santos pode ser fundamental para obter a virada.


"O bom momento técnico é importante em uma reta de chegada. É importante jogar regularmente bem e com este apoio da torcida. Temos muito ainda para melhorar, mas temos boas chances de chegar nas finais dos campeonatos", acrescentou.

Ainda assim, o treinador ponderou que o desgaste físico e emocional provocado pela sequência de jogos pode atrapalhar não só na Copa do Brasil, como nas próximas rodadas do Brasileirão e na Copa Libertadores.

Levir Culpi lembrou ainda que não tem os laterais Zeca (esquerdo) e Victor Ferraz (direito), ambos machucados, além de ressaltar a ausência do atacante Ricardo Oliveira. O técnico já avisou que eles estão fora do jogo diante do Flamengo porque "não há necessidade de precipitar uma volta e correr tanto risco".

domingo, 23 de julho de 2017

David Braz põe Santos “na briga” pelo título e promete secar líderes



O Santos entrou de vez na briga pelo título do Campeonato Brasileiro 2017. Feita após a vitória por 3 a 0 sobre o Bahia, neste domingo, no Pacaembu, a declaração é do zagueiro David Braz, que ainda promete secar pelos tropeços dos rivais e líderes Corinthians e Grêmio no complemento da 16ª rodada do torneio.

Com o triunfo sobre os baianos, o Santos manteve o terceiro lugar e chegou aos 30 pontos ganhos, um a menos que o Grêmio e sete em relação ao Corinthians, que entrará em campo às 16 horas (de Brasília) deste domingo, contra o Fluminense, no Maracanã. Já os gaúchos só jogarão nesta segunda-feira, a partir das 20h, diante do São Paulo, no Morumbi.

“Estamos na briga. Agora é torcer pelo tropeço do Grêmio para ficarmos mais próximos do que nunca dos primeiros colocados. Fizemos o dever de casa contra o Bahia. É ficar na torcida para os dois tropeçarem para ficarmos na briga pelo título”, afirmou o defensor.

Quem também está confiante na conquista do título é Levir Culpi. Mas, para isso, o comandante alvinegro pede união entre todos os envolvidos. “Queremos ganhar tudo. O objetivo é o título, mas para ganhar tem que estar fechado, a torcida empurrando, os jogadores brilhando e em boa forma física. São vários os fatores que precisam caminhar para o mesmo lugar”, avaliou.

União é o que não falta no elenco santista, garante o meia Lucas Lima. “Nosso grupo é muito fechado, muito alegre. O ambiente é o melhor possível. Quando fora tem alegria, dentro também tem. Temos muito a crescer ainda, é manter os pés no chão que vamos longe”, projetou o camisa 10.

Elogiado por Levir Culpi após a partida, o meia argentino Vecchio elogiou a atuação do Santos neste domingo. “Sabíamos que seria um jogo muito difícil, contra um time que venceu os últimos jogos fora. Fizemos um primeiro tempo muito sólido e depois no segundo manejamos o jogo”, analisou. Gazeta Esportiva

Rigoroso, Levir diz que Bruno Henrique foi um dos piores em campo

Mesmo marcando os três gols da vitória santista sobre o Bahia, neste domingo, atacante é criticado: "Ele precisa aprender algumas coisas", diz treinador


O técnico Levir Culpi foi rigoroso em sua análise sobre a vitória do Santos por 3 a 0 sobre o Bahia, neste domingo, no Pacaembu, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. O treinador fez críticas a Bruno Henrique, que, segundo ele, foi um dos piores em campo mesmo tendo marcado os três gols; disse que o placar foi injusto, pois o time baiano criou chances até para empatar.

Sempre falando com bom humor, Levir, a princípio, deu a impressão de que sua crítica a Bruno Henrique seria uma ironia. Afinal, o atacante foi o nome do jogo. O treinador, porém, estava falando sério.

– Ele foi decisivo. Mas foi um dos piores em campo. Você acredita nisso? Ele participou dos três gols, foi oportunista. É um cara que pode vir a ser um dos melhores atacantes do futebol brasileiro, mas ele precisa aprender algumas coisas. Assim como, mais ou menos, o Neymar, que aprendeu quando foi para a Espanha.

Levir afirmou ainda que o resultado não foi justo. Ele acha que o Bahia criou chances suficientes para empatar a partida e assumiu a culpa pelo crescimento do adversário no segundo tempo.

– É claro que quando você faz 3 a 0, cuida mais do sistema defensivo. Coloquei o Alison para fechar a casinha. Aí o Bahia começou a criar chances de gol. Então a mexida não foi muito legal. O Bahia ganhou corpo. Na verdade, eu queria mexer na parte física. Pensei em tirar o Lucas e o Vecchio. Só que o Vecchio está com desgaste maior. A gente tem que pensar em tudo isso ali no banco para fazer a substituição. E a gente sempre erra...

O treinador, por fim, deu uma provocada nos santistas da Baixada. Enquanto os jogos na Vila têm média baixa de público, neste domingo, no Pacaembu, foram quase 36 mil.

– Quando me falaram em 35 mil, eu pensei: será que 34 mil são baianos? Mas não. 34 mil, 35 mil santistas. Muito bacana. GE

Bruno Henrique brilha com 3 gols e comanda vitória do Santos sobre o Bahia

Com um show particular do atacante Bruno Henrique, o Santos derrotou o Bahia neste domingo (23), por 3 a 0, no Pacaembu, em jogo válido pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro, e recuperou o terceiro lugar na competição.

Com o resultado, o time paulista, que contou mais uma vez com uma equipe superofensiva, chegou aos 30 pontos e ultrapassou o Flamengo, que chegou aos 28 pontos com a vitória sobre o Coritiba no sábado (22). Já o Bahia é o 13º, com 19 pontos.

Bruno Henrique foi o destaque da partida ao anotar três gols (os seus primeiros neste Campeonato Brasileiro). O meia Lucas Lima também apareceu bem, principalmente no segundo gol, quando deu um lindo drible no seu marcador.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, o Bahia recebe o Sport, no domingo (30), às 16h (de Brasília). No mesmo dia, o Santos visita o Grêmio, às 19h.

Ale Cabral/AGIF
Lucas Lima e Bruno Henrique (dir.) comemoram um dos gols do Santos sobre o Bahia

O destaque

Bruno Henrique começou o jogo de forma tímida. Ele até encontrava bons espaços pelo lado esquerdo, mas parecia travado. Causou até resmungos da torcida. Entretanto, aos 28 minutos no primeiro tempo, o jogador aproveitou um rebote do goleiro Jean após um chute de Kayke e, sozinho, não desperdiçou. Já nos acréscimos da primeira etapa, depois de um belo drible de Lucas Lima (um toque de letra no meio das pernas de Eduardo), a bola sobrou para o atacante, que só emendou para as redes. No segundo tempo, ele também deixou a sua marca.

Pênalti! Ou não...

Aos 22 minutos do primeiro tempo, o árbitro marcou um pênalti de Tiago em Lucas Lima. Porém, conversou com o árbitro adicional e, segundos depois, voltou atrás na sua decisão e concedeu apenas escanteio para o Santos. Os jogadores do time paulista reclamaram muito do lance. "O zagueiro acabou indo bem. É meio estranho, porque [o árbitro] deu [o pênalti] e voltou, mas acabou acertando. Eu daria o pênalti, até porque estou no Santos [risos]", disse Lucas Lima ao canal Premiere na saída para o intervalo.

Vanderlei!

O Santos caiu muito de rendimento no segundo tempo. O Bahia se aproveitou disso. Faltou, porém, caprichar mais nas finalizações. Quando conseguiu acertar o pé, o time visitante parou em Vanderlei. Aos sete minutos, por exemplo, o goleiro se esticou todo para fazer uma excelente defesa em chute de Vinícius. No fim do jogo, fez outra excelente defesa em chute de Zé Rafael.

Festa na capital

O Pacaembu recebeu um grande público neste domingo: 35.769 pessoas assistiram à vitória santista. A renda foi de R$ 1.262.430,00. A equipe saiu de campo muito aplaudida pela torcida.

Superofensivo

Assim como na vitória sobre a Chapecoense na rodada anterior do Campeonato Brasileiro, o Santos teve uma escalação superofensiva neste domingo. Levir contou ainda com o retorno de Bruno Henrique, que cumpriu suspensão contra o time catarinense. Dessa forma, ele formou o trio de ataque ao lado de Copete e Kayke, com Lucas Lima e Vecchio mais atrás. Yuri era o único volante.

Um argentino na defesa

Levir não pôde contar com o jogador que mais atuou nesta temporada pelo Santos: Lucas Veríssimo. O zagueiro estava suspenso. Por isso, o treinador mandou a campo o argentino Fabián Noguera para formar a dupla de defesa com David Braz. Para este jogo, Levir também não pôde relacionar Victor Ferraz, Zeca, Ricardo Oliveira, Luiz Felipe, Gustavo e o novo reforço Matheus Jesus.

Invencibilidade

O Santos não sabe o que é perder no Campeonato Brasileiro desde 24 de junho, quando foi derrotado pelo Sport, em casa, por 1 a 0. Desde então, o time acumula quatro vitórias (contra São Paulo, Atlético-MG, Chapecoense e Bahia) e dois empates (contra Atlético-GO e Vasco).

Tropeço

Depois de passar por um momento difícil no Brasileiro, o Bahia emendou uma sequência de duas vitórias (contra Ponte Preta e Atlético-MG) e três empates (contra Vitória, Fluminense e Avaí). Porém, essa sequência acabou neste domingo. Foi a primeira derrota fora de casa no Brasileiro desde 22 de junho, quando perdeu para o Corinthians, por 3 a 0.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 3 X 0 BAHIA

Data: 23 de julho de 2017, domingo
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Horário: 11h (de Brasília)
Público: 35.769
Renda: R$ 1.262.430,00
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ)
Assistentes: Rodrigo F. Henrique Correa e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (ambos do RJ)
Cartões amarelos: Eduardo (BAH) e Daniel Guedes (SAN)
Gols: Bruno Henrique, aos 28 minutos e aos 45 minutos do primeiro tempo e aos 30 minutos do segundo tempo

Santos: Vanderlei; Daniel Guedes, Fabián Noguera, David Braz e Jean Mota; Yuri, Vecchio (Rafael Longuine) e Lucas Lima; Copete (Alison), Bruno Henrique e Kayke (Thiago Ribeiro). Técnico: Levir Culpi

Bahia: Jean; Eduardo (Éder), Tiago, Lucas Fonseca e Matheus Reis; Renê Júnior, Juninho e Vinícius; Allione (Júnior Brumado), Zé Rafael e João Paulo (Mendoza). Técnico: Jorginho

Bruno Henrique faz três, e Santos bate o Bahia no Pacaembu lotado

Atacante, que ainda não tinha feito gols no Brasileiro, encerra jejum diante de quase 36 mil pessoas e ajuda o Peixe a derrubar invencibilidade de cinco jogos dos baianos


RESUMÃO
PÚBLICO E RENDA

O jogo foi um sucesso de público: 35.769 pessoas pagaram para assistir à partida. A renda foi de R$ 1.262.430,00.


RESUMÃO

Bruno Henrique não tinha feito um único gol no Campeonato Brasileiro em 15 rodadas. Resolveu tirar o atraso na 16ª, para azar do Bahia. Foram dele os três gols da vitória do Santos por 3 a 0 neste domingo de manhã, no Pacaembu. Sempre bem colocado, aproveitou três sobras para reforçar a posição do time como um dos perseguidores do Corinthians pela taça do Campeonato Brasileiro – são quatro vitórias e dois empates nos últimos seis jogos. Os baianos, por outro lado, perderam uma invencibilidade que já durava cinco partidas.


COMO FICA

Com a vitória, o Santos vai a 30 pontos e agora seca Grêmio e Corinthians para diminuir a distância para os dois primeiros. Já o Bahia, com 19, perde o embalo e pode terminar a rodada próximo da zona do rebaixamento.

OS 90 MINUTOS

O Bahia tentou pressionar no começo e até assustou Vanderlei, num chute de Zé Rafael. Logo, porém, o Peixe tomou o controle da partida e construiu sua vitória com tranquilidade.

O primeiro gol alvinegro saiu aos 28: Bruno Henrique, livre, aproveitou rebote de Jean após chute de Kayke. Bruno Henrique, outra vez, ampliou aos 45 minutos, numa jogada que começou com um chapéu de Vecchio no meio e lindo drible de Lucas Lima dentro da área.

Com a vantagem, o Santos retornou ao segundo tempo mais desatento. O Bahia, que apostou na velocidade de Mendoza para a etapa final, quase se aproveitou. Vinicius e Juninho fizeram Vanderlei se mexer, mas não conseguiram marcar. Quem marcou, pela terceira vez, foi Bruno Henrique, mais uma vez no lugar certo. Daniel Guedes cruzou aos 30 minutos, Noguera tocou de cabeça e a bola ficou com o atacante, que limpou a marcação e fez mais um.


LANCE A LANCE

FALA, LUCAS LIMA!

"Dei um dinheiro para ele falar bem de mim (risos). Mas faço das palavras dele as minhas. Fica fácil jogar ao lado dele, pela velocidade, movimentação, é inteligente. Às vezes, o meia acha o passe, mas o atacante dá opção para a gente, e ele dá muita. Feliz pela parceria".

FALA, BRUNO HENRIQUE!

O meu último gol foi na Libertadores contra o Atlético-PR. Ainda não tinha marcado no Brasileiro, mas hoje fui feliz, pude fazer os três gols com a ajuda dele [Lucas Lima]. Quando ele está inspirado, não tem pra ninguém. Qualidade dele, passes, o momento dele, o Santos vai lá em cima. Quero agradecer, desde que cheguei, ele foi super amigo, me apoiou, o entrosamento foi sensacional.

sábado, 22 de julho de 2017

Santos x Bahia | Engrenado para encostar na liderança

Multa milionária e plano de carreira: os detalhes do contrato de Rodrygo no Santos


Destaque das categorias de base, atacante de 16 anos tem multa de 50 milhões de euros (R$ 183 milhões) no primeiro contrato profissional pelo Peixe

Rodrygo tem 16 anos, mas o contrato profissional assinado com o Santos nesta sexta-feira é de gente grande. Destaque da equipe sub-17 do Peixe, o atacante agora tem multa rescisória de 50 milhões de euros (R$ 183 milhões).

As negociações se arrastaram por algumas semanas, mas o Alvinegro, o jogador, a família e os empresários ficaram satisfeitos com o acordo por um plano de carreira para o jovem. Rodrygo recebeu proposta do Liverpool, da Inglaterra, e sondagens de outros clubes europeus.

Os salários não foram divulgados pelas partes, mas o contrato prevê bonificações por metas alcançadas, direitos e ações de imagem, além de cursos. Rodrygo ainda recebeu um valor de luvas por ter aceitado o contrato.

– Ficamos muito felizes por mais essa realização dele. É mais um passo. São oito anos de clube, passando por todas as categorias, e agora perto de realizar um sonho pelo profissional. A torcida tem muito carinho por ele e é um sonho do Rodrygo fazer história pelo profissional. Toda a nossa família está muito contente com esse acerto e a permanência dele – disse Eric Goes, pai de Rodrygo e ex-atleta profissional.

Rodrygo ao assinar o contrato profissional com o Santos (Foto: Divulgação/Inovem Comunicação)

– O jogador e a família, com este acerto, vão ter condições de dar continuidade, com tranquilidade, ao que tem sido conduzido na vida do Rodrygo. O sonho dele é fazer um projeto de carreira na Vila Belmiro, onde fez toda sua base, para poder, no momento certo, chegar aonde ele projetou – explicou o empresário Nick Arcuri.

O reconhecimento financeiro e profissional a Rodrygo não vem por acaso. O atacante rápido, de drible fácil e boa finalização, é destaque na base há anos. No Campeonato Paulista sub-17 deste ano, são 16 gols em nove jogos. Em abril, o atleta participou de torneio em Montaigu, na França, com a seleção brasileira, e marcou três gols em quatro jogos. Depois disso, foi chamado para período de treinos na Granja Comary, junto do grupo que está sendo observado para a disputa do Mundial da categoria, neste ano, na Índia.

Rodrygo começou a brilhar pelo Santos no sub-13, depois de passagem pelo São Paulo. Um dos grandes momentos foi no ano passado, quando acabou eleito o melhor jogador da Copa Zico, e acabou elogiado pelo ex-jogador.

A previsão é de que Rodrygo faça alguns treinos no elenco profissional ainda em 2017. A ideia é lançá-lo no grupo principal aos poucos, sem queimar etapas, para que ele comece a atuar a partir do ano que vem. GE

Levir levanta renegados de Dorival e já usa quase todo elenco santista


O Santos já tem o dedo do técnico Levir Culpi. Além dos resultados alcançados dentro de campo, a equipe é a atual terceira colocada no Campeonato Brasileiro e tem vaga encaminhada na Copa Libertadores da América, Levir ressuscitou nomes esquecidos por seu antecessor e usou quase todo o elenco em apenas 43 dias de trabalho.

Foram só 11 jogos à frente do Santos, mas com números significativos em termos de aproveitamento de jogadores. Dos 31 atletas à disposição, após as saídas do volante Thiago Maia e do lateral esquerdo Caju, negociados com o Lille-FRA, 26 já foram utilizados.

O principal feito de Levir foi o resgate de opções então preteridas por Dorival Júnior, atualmente no rival São Paulo.

Do time que venceu por 1 a 0 a Chapecoense, na última quarta-feira, na Vila Belmiro, grande parte dos atletas eram pouco aproveitados com o antigo treinador. O principal deles o meia argentino Emiliano Vecchio, autor do gol que deu a vitória à equipe, que chegou a ser afastado por Dorival.

"Jogar todo mundo faz o nível do time subir, pois todos querem se superar. Quando jogam só 11 o ano todo o time fica meio acomodado, já se sabe quem joga, quem é reserva e quem não é relacionado. Com Levir, não é assim. Pode acontecer qualquer coisa com o que ele vê nos treinos", disse o camisa 20.

Além dele, outros nomes como o atacante Thiago Ribeiro, muito pouco utilizado ao longo da temporada, também ressuscitaram. Ribeiro esteve próximo de ser liberado por empréstimo ao Avaí, mas permaneceu e tem recebido uma série de oportunidades como titular.

O centroavante Kayke, também em baixa, jogou todas as partidas com Levir e agora é bancado mesmo em meio a uma seca de gols. Jean Mota, com pouco espaço dentro do clube, foi outro que ganhou confiança com o novo treinador e teve até o contrato renovado.

Nomes como dos laterais Daniel Guedes e de Matheus Ribeiro também reapareceram. Guedes, por sinal, sequer jogou na primeira parte da temporada e foi chamado, primeiramente, por Elano até Levir assumir. Posteriormente, o treinador o bancou como primeira opção para a vaga de Victor Ferraz.

Até mesmo Copete, bastante utilizado com Dorival, vive outra fase com Levir. Se antes era utlizado no segundo tempo ou como titular na lateral esquerda, agora joga na posição de origem. O jogador tem marcado gols importantes e já recebeu elogios públicos de Levir por suas qualidades.

Curiosamente, a lista ainda engloba nomes como os de Alison e Serginho, emprestados no primeiro semestre.

As opções de Levir aumentarão em breve com a liberação de jogadores do departamento médico. Os mais próximos de um retorno são o atacante Ricardo Oliveira e o lateral esquerdo Zeca. Junto com eles, os zagueiros Gustavo Henrique e Luiz Felipe, e o atacante Nilmar aumentarão a concorrência.

Além do Brasileiro e da Libertadores, o Santos ainda disputa a Copa do Brasil.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Santos volta a vencer Corinthians e leva título do Brasileiro feminino


A equipe do Santos é campeã brasileira de futebol feminino. Na noite desta quinta-feira, o time da Vila Belmiro fez 1 a 0 no rival Corinthians, em duelo na Arena Barueri, com gol da argentina Sole Jaimes. Como já havia vencido na ida, as meninas do Alvinegro Praiano se sagraram campeãs, garantindo também vaga na próxima Libertadores.

O Santos entrou no gramado com a vantagem de ter feito 2 a 0 na partida de ida, na Vila Belmiro. Precisando reverter a desvantagem, o Corinthians até começou criando chances de gol, mas a situação se complicou aos 16.


Santos fez 3 a 0 no Corinthians no placar agregado (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Sole Jaimes recebeu belo cruzamento e cabeceou com perfeição, sem dar chances de defesa à goleira Leticia. O tento derrubou um pouco a moral das meninas do Timão, que não conseguiram reagir na etapa inicial.

No segundo tempo, precisando de quatro gols, o Corinthians se expôs, não criou grandes oportunidades e, de quebra, ainda passaram a sofrer nos contra-ataques. Jaimes quase fez seu segundo aos 7, mas Leticia salvou em bela intervenção.

Sem conseguir transformar a pressão em bola na rede, as jogadores do clube do Parque São Jorge não chegaram ao empate. Assim, a vitória santista se concretizou, e a conquista do Brasileiro Série A1 foi para o time da Vila Belmiro.

Thiago Maia, Caju e contando: Santos sofre com assédio dos clubes franceses

Depois de negociar a dupla com o Lille, Peixe vê o Saint-Éttiene interessado em Lucas Veríssimo e Jean Mota. Sem contar o Amiens, que quase levou Matheus Ribeiro, e o PSG, de olho em Zeca

Thiago Maia e Caju, negociados com o Lille na última semana, podem não ser os únicos santistas a desembarcar no futebol francês na próxima temporada europeia. O Peixe vem sofrendo com o assédio dos clubes de lá e tem ou teve ao menos outros quatro atletas do elenco na mira.

Lucas Veríssimo e Jean Mota são cotados no Saint-Éttiene. Matheus Ribeiro ficou por detalhes de ser emprestado ao Amiens SC, em negociação que esfriou. E Zeca foi sondado pelo PSG recentemente.

Depois de liberar Thiago Maia e Caju, o Alvinegro não pretende mais negociar atletas nesta janela internacional de transferências, mas vê na França uma ameaça. Quem tem mais chances de sair é Veríssimo.


Caju e Thiago Maia podem não ser os únicos santistas no futebol francês (Foto: Montagem / GloboEsporte.com)

Um auxiliar do Saint-Éttiene veio ao Brasil para acompanhar jogos e treinos do zagueiro. O presidente Modesto Roma avisou aos representantes do atleta que só abrirá negociações com propostas de, no mínimo, 7 milhões de euros (pouco mais de R$ 25,5 milhões, na cotação da última quinta-feira). Uma oferta deve chegar ao clube em breve.

O Santos não está sozinho nessa aflição de ver clubes da França de olho em seus jogadores. O São Paulo vendeu Luiz Araújo e Thiago Mendes, neste ano, também ao Lille. Já o Corinthians convive com o interesse do Bordeaux em Guilherme Arana, uma de suas principais peças em 2017. Para piorar, a janela francesa de transferências fecha apenas em 31 de agosto. Tempo de sobra para mais negociações...

Dois fatos podem explicar tal interesse dos franceses nos clubes paulistas. Marcelo Bielsa, técnico do Lille, costuma acompanhar o futebol brasileiro - ele quase virou treinador do Peixe. Thiago Maia, Caju, Luiz Araújo e Thiago Mendes chegaram ao clube a pedido do argentino.

Outro ponto é a presença por aqui do empresário Pascal Carbon. O profissional tem bom trânsito nos clubes do Brasil e da França. É ele, por exemplo, quem vem intermediando as conversas entre o Alvinegro e o Saint-Éttiene.


Marcelo Bielsa, técnico do Lille, acompanha o futebol brasileiro e vem pedindo a contratação de vários jogadores daqui (Foto: Reprodução )