No peito e na alma !

No peito e na alma !

domingo, 20 de maio de 2018

"Time deles comemorando assim mostra que nosso time é muito forte", diz Gabigol após o clássico


No Morumbi, o Santos foi derrotado pelo São Paulo por 1 a 0 na tarde deste domingo (20 de maio)


Por Gazeta Press

O Santos perdeu para o São Paulo por 1 a 0 neste domingo, no Morumbi, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. Para Gabigol, a comemoração efusiva do tricolor depois do apito final mostra a força do Peixe.

“Acho que a gente não jogou mal, tivemos chance clara porque criamos. Criamos outras no primeiro tempo. Tomamos o gol rápido e é difícil recuperar. Time deles comemorando assim mostra que nosso time é muito forte. Temos que começar jogando assim (desde o começo), com esse volume e essa vontade”, disse Gabriel, ao Premiere.

No primeiro tempo, o Santos foi dominado pelo São Paulo e não criou nenhuma oportunidade clara. Na segunda etapa, o Peixe voltou um pouco melhor, mas ainda assim foi dominado pelo Tricolor. Na reta final, o alvinegro se lançou ao ataque e quase empatou, primeiro com Yuri Alberto e depois com Dodô.

Após nova derrota, o Santos voltará a campo para enfrentar o Real Garcilaso-PER na quinta-feira, na Vila Belmiro, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores da América. Já classificado, o Peixe busca o primeiro lugar do Grupo 6.

Renato analisa derrota do Santos e Ferraz lamenta: 'Fizeram o anti-jogo'

Volante do Peixe preferiu olhar para os erros da equipe e já projetar duelo pela Libertadores no meio de semana. Lateral reclamou do estilo de jogo do São Paulo


Victor Ferraz declarou que o São Paulo procurou travar o jogo para garantir a vitória (Foto: Luis Moura / WPP)

Apesar da pressão após sofreu o gol que deu a vitória ao São Paulo por 1 a 0, neste domingo, o Santos não conseguiu fazer o seu jogo e pouco ameaçou efetivamente a meta de Sidão. Em uma atuação ruim da equipe, a derrota no clássico no Morumbi despertou diferentes reações nos jogadores santistas.

Victor Ferraz lamentou o fato de o estilo de jogo adotado pelo Tricolor ter limitado as possibilidades do Peixe de atacar o rival. Para o lateral, os são-paulinos procuraram travar a partida, evitando que a bola rolasse.

- Eles conseguiram impor o rtimo de jogo no primeiro tempo. Nossa proposta não era ser defensivo, mas encurralaram a gente. No segundo tempo, ficamos no campo deles, rodamos a bola, tivemos boas chances. Eles fizeram o anti-jogo, não sei quanto tempo teve de bola jogando - reclamou o ala santista.

Já Renato preferiu analisar os erros e projetar os próximos compromissos de sua equipe do que reclamar. Para o volante, o São Paulo aproveitou os vacilos do Peixe para construir suas jogadas.

- Foi um jogo difícil, complicado. O São Paulo marcou em cima no primeiro tempo. Quando tivemos tranquilidade e tocamos a bola, eles jogaram no nosso erro. Já não estavam pressionando tanto, aproveitaram para fazer o gol. Não adianta reclamar agora, sabíamos da dificuldade e tivemos chances para empatar. Quinta, jogando em casa, importante para nós, vamos buscar classificar em primeiro na Libertadores - declarou o meio-campista.

O Santos volta a campo na próxima quinta-feira para enfrentar o Real Garcilaso, na Vila Belmiro, pela Copa Libertadores. Em caso de vitória, o Peixe garante o primeiro lugar do grupo. Se empatar, torce para que o Nacional não vença o Estudiantes, e se perder, torce para os uruguaios não pontuarem. Lancepress

Diego Souza marca, São Paulo bate o Santos

O São Paulo entrou em campo nesse domingo na 10ª colocação, mas vai terminar o fim de semana em 5º lugar, a um ponto do Palmeiras (10 e 11), primeiro membro do G4 no Campeonato Brasileiro depois de seis rodadas disputadas. Tudo por causa de uma vitória contundente, apesar do placar de 1 a 0, em cima do Santos, diante de 40.465 torcedores no Morumbi. Já são nove jogos de invencibilidade e o fim da série de quatro empates seguidos.

E os três pontos no clássico podem mais uma vez caírem na conta de Diego Souza. O camisa 9 fez as pazes de vez com a torcida tricolor ao marcar o terceiro gol pela terceira vez consecutiva na casa são-paulina.

O passe veio de Everton, da ponta de esquerda, pelo alto. Diego Souza, como digno centroavante, ganhou de David Braz e contou com tarde pouco inspirada de Vanderlei para estufar as redes. Agora são seis gols em 21 partidas do artilheiro do São Paulo na temporada. Detalhe que só um foi marcado longe do Cícero Pompeu de Toledo.

z

(Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

O tento dos mandantes aos 10 minutos da etapa final liquidou um jogo pragmático e de muita falta de criatividade pelo lado santista, principalmente no primeiro quando, quando os comandados de Jair Ventura limitaram-se a se defender.

O próprio Diego Souza, além de Nenê, Militão e Reinaldo tiveram chances claríssimas para abrir o placar antes do intervalo. Nenê, aliás, carimbou a trave do Peixe em chute de longe.

O Santos dependia exclusivamente dos lampejos do menino Rodrygo, que não se escondeu, mas esbarrou na marcação quase sempre dupla de seus marcados. Gabriel, Vitor Bueno e Sasha praticamente não foram vistos em campo.

Quando teve de correr atrás o prejuízo, o Alvinegro Praiano até assustou em chute de longa distância de Jean Mota, defendido por Sidão, e depois com Yuri Alberto, dessa vez por causa de falha do goleiro do São Paulo, que não encaixou uma bola fácil na saída do gol. Nem mesmo a expulsão de Anderson Martins nos minutos finais serviu para os visitantes exercerem alguma pressão em busca do empate.

De qualquer forma, foi pouco para o Peixe, que depois de perder para o Luverdense com muitos reservas, foi para o Morumbi com o que tinha de melhor e não fez frente ao São Paulo. Com seis pontos, o Santos cai para a 14ª colocação na tabela de classificação.

Na próxima rodada, o São Paulo visita o América-MG, às 19 horas de domingo. O time de Jair Ventura encara o Real Garcilaso na quinta-feira, às 19h15, na Vila Belmiro, pela última rodada da primeira fase da Copa Libertadores da América. Pelo Brasileirão, o desafio será contra o Cruzeiro, no Pacaembu, domingo, às 16h.

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO 1 X 0 SANTOS

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 20 de maio de 2018, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Bráulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Kleber Lúcio Gil (SC) e Neuza Inês Back (SC)
Cartões amarelos: Anderson Martins (2), Militão, Reinaldo, Hudson (SPFC); Yuri Alberto, David Braz (SFC)
Cartão vermelho: Anderson Martins
Público: 40.465 pagantes
Renda: R$ 954.725,00 (bruta) R$ 635.534,09 (líquida)

GOL:
São Paulo: Diego Souza, aos 10 minutos do 2T.

SÃO PAULO: Sidão; Militão, Anderson Martins, Bruno Alves e Reinaldo (Edimar); Jucilei, Hudson, Marcos Guilherme, Everton (Liziero) e Nenê; Diego Souza (Tréllez).
Técnico: Diego Aguirre

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison (Jean Mota), Renato e Vitor Bueno (Yuri Alberto); Gabigol, Rodrygo e Eduardo Sasha (Copete)
Técnico: Jair Ventura
Por Gazeta Press

Clube prioriza atletas mais jovens estuda acabar com o Sub-23


Durante a eleição, Peres chegou a dizer que o Sub-23 contaria apenas com jogadores formados pelo Peixe (Crédito: Ivan Storti/Santos FC)

O Santos não quer mais ter um time Sub-23. Está nos planos da nova gestão acabar com a categoria e jogar as competições que hoje são disputados por ela com a equipe Sub-20: Copa Paulista e Campeonato Brasileiro de Aspirantes.

Com essa ideia em mente, a maioria dos reforços oficialmente anunciados para a equipe Sub-23 tem 20 anos ou menos e poderiam atuar também no time que disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior, por exemplo. O zagueiro Gabriel Olveira, que veio do Vitória e tem passagens pela Seleção Brasileira, e o volante Jeferson Alves, que chegou do Coritiba, ambos têm 19 anos, enquanto Anderson Chub, atacante do Vila Nova, Anderson Pereira, zagueiro também do Vila Nova, e Renan, meia que estava no Paulista de Jundiaí, possuem 20 anos.

A única exceção é o atacante Lucas Yanase, aposta pessoal do presidente José Carlos Peres, que já teve passagens pelas categorias de base do Santos e hoje tem 21 anos. As contratações, no entanto, vão de encontro com o discurso inicial do presidente, que dizia que o Peixe usaria apenas atletas da base na categoria e não seria “barriga de aluguel de empresário”.

Com pouco dinheiro em caixa, o Santos irá respeitar os contratos já firmados pela antiga gestão, mas não irá se esforçar para renovar o vínculo de jogadores com mais de 20 anos que não estejam nos planos do time profissional. Exemplo disso foi o atacante Stéfano Yuri, de 24 anos, que foi emprestado ao São Caetano até o final do seu contrato (30/08) e depois estará livre para assinar um vínculo definitivo com o clube do ABC.

Ao contrário de Stéfano Yuri, o Santos até tentou rescindir o contrato do goleiro Preto, de 32 anos, polêmica contratação de Modesto Roma Júnior, mas não conseguiu chegar a um acordo. Com o elenco fechado após o presidente Peres vetar novas contratações, o Santos Sub-23 estreia no Campeonato Brasileiro de Aspirantes no dia 5 de junho, contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada. Por Diario do Peixe

São Paulo e Santos se enfrentam em busca de moral e dos líderes

A partir das 16 horas (de Brasília) deste domingo, o Estádio do Morumbi receberá o seu primeiro clássico pelo Campeonato Brasileiro de 2018. O San-São, válido pela sexta rodada, reúne duas equipes que estão em busca de moral e de uma vitória para atingir a parte de cima da tabela.

Único invicto da competição, o São Paulo ocupa o 12º lugar com sete pontos ganhos, um a mais do que o 13º colocado Santos, mas apenas três a menos que o líder Flamengo. O duelo, portanto, pode determinar a ascensão de um e a queda de outro na classificação.

“É um jogo muito importante, porque vai ser muito bom para o time que ganhar. Além de ser um clássico, significa muito para a posição na tabela e para pegar confiança. É um jogo que temos de jogar como se fosse uma final”, ressaltou o técnico Diego Aguirre.

Apesar da invencibilidade, o Tricolor só saiu vitorioso em uma ocasião: na estreia, contra o Paraná, no Morumbi. Na sequência, empatou quatro vezes consecutivas (Ceará, Fluminense, Atlético-MG e Bahia), distanciando-se dos líderes.

“Tem um lado bom por não ter perdido, mas eu trocaria ter mais pontos e não ter a invencibilidade. Temos de conquistar a vitória e tomar esse jogo contra o Santos como o que pode nos dar uma sequência de vitórias, para nos dar a tranquilidade que estamos precisando”, avaliou o treinador uruguaio, que fez mistério sobre a escalação para o clássico.

O certo é que o zagueiro Rodrigo Caio (cirurgia no pé esquerdo), o meia Cueva (seleção peruana), o atacante Morato (entorse no tornozelo esquerdo) e Gonzalo Carneiro (reforço muscular) serão os desfalques pelo lado são-paulino.

Em compensação, Aguirre terá os retornos de Diego Souza e Anderson Martins, livres de lesão na coxa esquerda, além de Júnior Tavares e Brenner, reincorporados ao elenco nesta semana após um período de treinos no Rennes e na Seleção Brasileira sub-20, respectivamente.

Destaque do Santos no ano, Rodrygo está garantido no clássico contra o São Paulo (Foto: Ivan Storti/SFC)

Instável na temporada, com 12 vitórias, cinco empates e dez derrotas, o Santos tenta embalar no Campeonato Brasileiro depois de vencer o Paraná por 3 a 1, na Vila Belmiro, e perder com time reserva por 2 a 1 para o Luverdense pela Copa do Brasil, na qual se classificou para as quartas de final por ter vencido na ida por 5 a 1.

Depois de descansar nove dos 11 titulares – só Vanderlei e Jean Mota atuaram nessa condição no Mato Grosso -, o Peixe vai descansado para o clássico e com uma lembrança recente boa: a vitória por 1 a 0, também no Morumbi, pelo Campeonato Paulista, com gol de Gabriel Barbosa.

“Jogamos contra o São Paulo e vencemos fora de casa. Não tem sido uma dificuldade (jogar como mandante). Contra o Grêmio, foi atípico (goleada por 5 a 1). Não serão todos assim, às vezes será de 1 a 0, por uma bola, mesmo com DNA ofensivo. Todos os jogos são difíceis. Em casa ou fora de casa”, disse Rodrygo, em entrevista coletiva na última sexta-feira, na Vila Belmiro.

O técnico Jair Ventura contará com o retorno de David Braz na defesa, recuperado de edema na panturrilha direita, e espera pela volta de Léo Cittadini, em fase final de tratamento por entorse no tornozelo direito. Bruno Henrique, em transição após lesão de grau 2 no adutor esquerdo, segue fora de combate.

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO X SANTOS

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 20 de maio de 2018, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Bráulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Kleber Lúcio Gil (SC) e Neuza Inês Back (SC)

SÃO PAULO: Sidão; Militão, Arboleda e Bruno Alves; Régis, Jucilei, Hudson (Liziero) e Reinaldo; Nenê, Everton e Diego Souza
Técnico: Diego Aguirre

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison, Jean Mota e Vitor Bueno (Léo Cittadini); Gabigol, Rodrygo e Eduardo Sasha
Técnico: Jair Ventura
Gazeta Press

Santos tem economia milionária, mas vê elenco com poucas opções


Jair vê o elenco “enxuto” (Ivan Storti)

Com o empréstimo de Caju ao Apoel-CHI, o Santos concluiu a “limpeza” no elenco. Agora, são 30 jogadores à disposição do técnico Jair Ventura enquanto os reforços prometidos não chegam: ao menos um volante, um meia e um centroavante.

O Peixe fez grande economia ao emprestar e vender jogadores, porém, se vê com poucas opções em alguns setores, principalmente no ataque. O maior exemplo foi a derrota dos reservas por 2 a 1 para o Luverdense, da Série C do Campeonato Brasileiro.

Na entrevista coletiva depois do tropeço, Jair admitiu que o elenco está “enxuto” ao torcer para nenhuma lesão grave em Arthur Gomes depois de entorse no tornozelo esquerdo. “Não temos jogadores com a característica dele. Foi o único que jogou todas comigo”, disse o treinador.

O alvinegro está bem servido no gol, com quatro opções, e na defesa, com cinco zagueiros. A lateral direita tem Victor Ferraz e Daniel Guedes. A esquerda, por enquanto, só Dodô. O meio-campo não tem um armador de origem em boa fase e só Yuri Alberto, de 17 anos, é centroavante.

Desde janeiro, 11 foram emprestados e quatro saíram em definitivo, um total de 15. Enquanto isso, só três contratações: Dodô, Eduardo Sasha e Gabigol. A economia é de mais de R$ 1 milhão por mês com essa reformulação. Ainda há o asterisco de Diogo Vitor, flagrado no exame antidoping e afastado temporariamente.

O objetivo da atual diretoria é reforçar o elenco durante a parada da Copa do Mundo na Rússia, em junho, com a reabertura da janela internacional de transferências. O presidente José Carlos Peres entende que o técnico Jair Ventura não tem tido os resultados esperados por causa da falta de opções no plantel.

Ao menos três reforços virão. Se alguém for negociado, as novidades aumentarão. Lucas Veríssimo e Jean Mota têm sido sondados pelo futebol europeu, por exemplo. Dirigentes garantem ter negociações encaminhadas com atletas mantidos em sigilo.

Veja quem saiu em 2018:

Emprestados: Caju (Apoel), Cleber (Paraná), Rodrigão (Avaí), Leandro Donizete (América-MG), Rafael Longuine (Guarani), Matheus Oliveira (Guarani), Fabián Noguera (Estudiantes), Matheus Ribeiro (Puebla-MEX), Orinho (Ponte Preta), Romário (Ceará) e Serginho (América-MG)
Em definitivo: Zeca (Internacional), Matheus Jesus (Gamba Osaka-JAP), Vladimir Hernández (Atlético Nacional-COL) e Fernando Castro (Bahia)

Veja como está o atual elenco:

Goleiros: Vanderlei, Vladimir, João Paulo e John
Laterais: Victor Ferraz, Daniel Guedes e Dodô
Zagueiros: Lucas Veríssimo, David Braz, Gustavo Henrique, Luiz Felipe e Robson Bambu
Volantes: Alison, Renato, Yuri e Guilherme Nunes
Meias: Jean Mota, Léo Cittadini, Vitor Bueno, Gabriel Calabres, Vecchio e Diego Pituca
Atacantes: Gabigol, Rodrygo, Eduardo Sasha, Bruno Henrique, Arthur Gomes, Copete e Yuri Alberto

Santos encaminha outro patrocínio e espera R$ 30 milhões ao ano



Santos vai preenchendo seu uniforme (Ivan Storti)

Depois de anunciar a Orthopride no número do uniforme na última sexta-feira, o Santos está perto de fechar com outro patrocinador. O planejamento é de firmar contrato com uma empresa nas próximas semanas. A marca é mantida em sigilo. Restam omoplata (abaixo do ombro) e manga disponíveis.

Com os novos patrocinadores e a procura pelo último anunciante, na manga, o Peixe estima mais de R$ 20 milhões com empresas no uniforme. Atualmente, a configuração é a seguinte: Caixa no máster (R$ 11 milhões), Philco nas costas (R$ 4 milhões), Algar na barra (R$ 2 milhões) e Orthopride no número (R$ 500 mil por ano – R$ 1,5 milhão até 2020). Um total, hoje, de R$ 17,5 milhões por temporada.

O objetivo do marketing santista é ter, com os patrocinadores e o valor fixo pago pela Umbro para o fornecimento do material esportivo, cerca de R$ 30 milhões ao ano. A meta é preencher o uniforme até o fim desse semestre.

O dinheiro com prospecção de empresas parceiras chega em boa hora ao Santos. O clube tem dificuldades financeiras e não tem tido força no mercado para buscar reforços ao elenco do técnico Jair Ventura. Por Gazeta Press

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Santos pode lucrar R$ 2 mi com venda de Alex Sandro

O lateral-esquerdo Alex Sandro defendeu o Santos em 2010 e 2011 e agora pode se transferir para o Manchester United (Crédito: Divulgação/SantosFC)

O Santos está de olho no futuro do lateral-esquerdo Alex Sandro, atualmente na Juventus, da Itália. Segundo o jornal italiano La Stampa, o jogador pode se transferir para o Manchester United, da Inglaterra, na próxima janela por cerca de 50 milhões de euros, algo em torno de R$ 214 milhões.

Pelo mecanismo de solidariedade da Fifa, o Santos teria direito a cerca de 1% desse valor, ou seja, pouco mais de R$ 2 milhões. Alex Sandro defendeu o Peixe em 2010 e 2011 e o mecanismo de solidariedade destina 5% do valor de cada transferência aos clubes que participaram da formação do atleta até os 23 anos. O Santos já lucrou pouco mais de R$ 1 milhão na negociação do lateral do Porto para a Juventus.

O Santos também acompanha a situação do atacante Neymar. Caso o jogador seja mesmo negociado com o Real Madrid, o Peixe pode lucrar R$ 40 milhões pelo mecanismo de solidariedade. Por Diario do Peixe

Rodrygo nega contato do Barcelona: “Lá em casa não chegou nada”


Rodrygo nega procura do Barcelona (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

A imprensa espanhola repercutiu nos últimos dias o possível interesse do Barcelona em Rodrygo, do Santos. As notícias do jornal “Sport” afirmam até que o pai do atacante, Rodrygo, viajou para a Espanha. Com bom-humor, o raio nega.

“Meu contato é só na internet, vendo vocês postarem, mas lá em casa não chegou nada não”, disse Rodrygo, em entrevista coletiva nesta sexta-feira, na Vila Belmiro.

“Até o pessoal que estava comigo, os jogadores, perguntaram disso. Viram meu pai aqui, como perguntam isso (de ter viajado)? É um sonho (a Europa), venho trabalhando para isso, mas estou focado aqui. Quero continuar e chegar na seleção pra depois pensar na Europa. É isso que eu almejo para a minha carreira”, completou.

Sincero, Rodrygo disse que não se vê pronto para a Europa. O objetivo é estar pronto para quando e se essas ofertas de grandes clubes chegarem.

“Hoje ainda não (está pronto). Falar que vou jogar junto com os caras não, não estou preparado, mas venho buscando caso chegue essa proposta que vocês tanto falam. Barcelona ou outros grandes clubes”, concluiu.

Rodrygo tem contrato até 2022, mas, de acordo com a FIFA, o primeiro vínculo profissional só pode ter três anos. Ou seja, o acordo vale até 2020. A multa rescisória é de 50 milhões de euros (cerca de R$ 210 milhões). Por Gazeta Press

Santos anuncia novo patrocinador para o número do uniforme



Santos anuncia novo patrocinador: a Orthopride (Lucas Musetti)

O Santos anunciou na manhã desta sexta-feira, na Vila Belmiro, um novo patrocinador para o número do uniforme: a Orthopride, empresa especializada em ortodontia. O contrato é válido até o fim 2020.

“A Orthopride caminhará conosco estampando em nosso uniforme um serviço essencial para todos nós, que é o trato odontológico. O sorriso é o cartão-postal de qualquer pessoa, ele envolve a auto-estima. Estamos orgulhos de contar com essa marca, que é referência em seu setor”, disse o presidente José Carlos Peres, ausente no evento para o anúncio do patrocínio para uma reunião com representantes de clubes e o governo de São Paulo.

Com a Orthopride, o Peixe fica mais perto de preencher seu uniforme. O clube tem a Caixa no máster, a Philco nas costas e a Algar na barra. Resta a omoplata (abaixo do ombro) e a manga.

Além de uma quantia fixa, não divulgada pelo alvinegro, a Orthopride fez uma permuta para oferecer tratamento aos atletas do elenco profissional, base e Sereias da Vila.


Esse é o símbolo da Orthopride (Divulgação/Santos)

Rodrygo despista sobre interesse do Barcelona: 'Em casa, não chegou'

Garoto de 17 anos concede entrevista coletiva na Vila e nega que clube catalão tenha feito sondagens para tentar tirá-lo do Santos: 'Meu pai e empresários me deixam bem tranquilo'


Atacante de 17 anos concedeu entrevista coletiva na sala de imprensa da VIila Belmiro (Foto: Ivan Storti/Santos)

O atacante Rodrygo concedeu entrevista coletiva na sala de imprensa da Vila Belmiro nesta sexta-feira e despistou sobre o interesse do Barcelona em seu futebol. Com 17 anos, o Menino da Vila só poderia se transferir em 2019, quando atinge a maioridade. Segundo ele mesmo reforçou, ainda não está pronto para vestir a camisa de um time grande da Europa. 

- Hoje não estou preparado para jogar com os caras. Eu venho treinando para isso, para um dia corresponder ao interesse. Mas, por enquanto, não chegou nada, não. Só vejo as coisas na internet. Em casa, não chegou proposta. Só acompanho pela imprensa - ponderou o garoto, e completou: 

- Eu acho que vivo tudo da forma mais tranquila possível. Meus pais e empresários me deixam tranquilo. Eu sou assim, sei que as coisas devem ser feitas de maneira natural. 

O pai do jogador, Eric de Goes, acompanhado de Nick Arcuri, agente do atacante, e André Cury, representante do Barça no Brasil, foi à Espanha para tratar do negócio. O Menino da Vila é agenciado pela Un1que Football, de Nick. O próprio agente consultou o Santos recentemente para tratar de valores. Rodrygo negou a viagem de seu pai. 

- Até o pessoal que estava comigo, os jogadores, perguntaram disso. Viram meu pai aqui, como perguntam isso? É um sonho, venho trabalhando para isso, mas estou focado. Quero continuar e chegar na seleção pra depois pensar na Europa. É isso que eu almejo para a minha carreira - finalizou. Por Lancepress

Bruno Henrique sai do DM, mas não reforçará o Santos em clássico


Bruno Henrique não voltará contra o São Paulo (Ivan Storti)

Bruno Henrique não vai reforçar o Santos no clássico contra o São Paulo, domingo, às 16h (de Brasília), no Morumbi, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. O atacante voltará apenas na Libertadores, diante do Real Garcilaso, na Vila Belmiro, na próxima quinta-feira.

O atacante está em fase final de recuperação de lesão muscular de grau 2 no adutor esquerdo, foi liberado pelo departamento médico para os primeiros trabalhos em campo, mas ainda não está 100%. Ele está fora desde a derrota por 1 a 0 para o Bahia, no dia 21 de abril, logo depois de se curar de problema na retina do olho direito. Ao todo, são apenas 30 minutos na temporada.

Sem Bruno Henrique, o ataque seguirá formado por Gabigol, Rodrygo e Eduardo Sasha. Com o camisa 11, a ideia do técnico Jair Ventura é escalar quatro de frente, com Rodrygo mais recuado para a armação, ao lado de Alison e mais um meio-campista.

David Braz e Léo Cittadini, depois de edema na panturrilha e entorse no tornozelo, respectivamente, devem ficar à disposição no San-São. Renato e Guilherme Nunes, com problemas musculares, também. Arthur Gomes, que deixou o campo chorando na derrota para o Luverdense, preocupa.

Um provável time para o clássico é: Vanderlei, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison, Jean Mota e Vitor Bueno (Léo Cittadini); Gabigol, Rodrygo e Eduardo Sasha. Por Gazeta Press