quarta-feira, 30 de julho de 2014

Sem titulares, Oswaldo relaciona 20 jogadores para duelo contra Londrina

Novidade no Peixe fica por conta do provável time que vai a campo, com nove jogadores revelados no clube. Partida será nesta quinta-feira, no estádio do Café

O técnico Oswaldo de Oliveira relacionou 20 jogadores para o confronto contra o Londrina, nesta quinta-feira, às 21 horas (de Brasília), no estádio do Café. Como foi anunciado no início da semana, nenhum titular da vitória contra a Chapecoense, no último sábado, pelo Campeonato Brasileiro, foi chamado para o duelo.

A novidade fica por conta do provável time que vai a campo. Com nove jogadores revelados no clube, apenas Souza e Renato não são cria da base alvinegra. O Peixe deve ser escalado com Vladimir; Zé Carlos, Vinicius Simon, Paulo Ricardo e Emerson; Alan Santos, Renato e Souza; Jorge Eduardo, Diego Cardoso e Stefano Yuri.

Além das ausências por escolha do treinador, o Santos também não poderá contar com Edu Dracena, Leandro Damião e Gustavo Henrique, que seguem em trabalho de recuperação de lesões. Já Victor Ferraz, que atuou pelo Coritiba nesta Copa do Brasil, e Jubal, suspenso pelo terceiro amarelo, também desfalcam o Alvinegro Praiano.

Confira a lista de relacionados:

Goleiros: Gabriel Gasparotto e Vladimir
Laterais: Daniel Guedes, Emerson e Zé Carlos
Zagueiros: Nailson, Paulo Ricardo e Vincius Simon
Meio-campistas: Alan Santos, Leandrinho, Renato, Serginho e Souza
Atacantes: Diego Cardoso, Geovane, Geuvânio, Giva, Jorge Eduardo, Patito Rodríguez e Stefano Yuri

Globoesporte.com

Volante Arouca exalta marca atingida: oito anos sem expulsão


Jogador do Santos recebeu cartão vermelho da arbitragem apenas duas vezes em toda carreira mesmo atuando em setor que exige muito combate

Arouca recebeu o cartão vermelho da arbitragem em apenas duas oportunidades em toda sua carreira. E a última vez que isso aconteceu foi há oito anos. A marca comemorada pelo volante nesta quarta-feira (30) se torna ainda mais significativa, justamente pelo setor, que exige uma combativa forma de atuação.

“Sei que é um caso raro para um volante ficar tanto tempo sem ser expulso. Estamos sujeitos a isso, principalmente por ter de dar combate no meio-campo o tempo todo. As faltas fazem parte, especialmente por que marcamos os jogadores de criação e com mais habilidade. Mas é importante ficar sem tomar cartões e evitar desfalcar a equipe, para estar sempre à disposição do treinador. Fico feliz por alcançar essa marca, pois também é o resultado do meu trabalho no dia a dia”, comentou.


O jogador do Peixe, que será poupado do duelo desta quinta-feira, contra o Londrina, pela Copa do Brasil, foi expulso em novembro de 2005, na derrota do Fluminense para o Vasco por 2 a 0, e no empate do Tricolor Carioca contra o Botafogo por 1 a 1, em julho de 2006. Neste ano, Arouca levou apenas um cartão amarelo, no último minuto da final do Campeonato Paulista, contra o Ituano.

“Acho que existem vários motivos para atingir essa marca. O primeiro é procurar me posicionar bem e não chegar ‘atrasado’ nas jogadas. Além disso, sempre estar bem fisicamente, para que tenha alguma vantagem na disputa de bola, e também ter respeito pelo adversário. Nunca devemos tirar o pé numa dividida, é preciso estar disposto e lutar em campo sempre, especialmente quando se tem como principal função a marcação. Mas não existe motivo para ser desleal com um companheiro de profissão. Por isso, procuro fazer os desarmes e cometer o menor número de faltas possível durante as partidas”, explicou.

FoxSports

Fortaleza santista tem transpiração e um ‘cão de guarda’


Oswaldo de Oliveira não tem apreço nenhum pelo defensivismo. O Santos atua com três atacantes, dois homens velozes abertos pelos lados e um meia articulador, no manjado 4-2-3-1. Arouca várias vezes é um auxiliar ofensivo, motorzinho que se desdobra para fazer papel atrás e à frente. Incansável. Haja pulmões, diriam os locutores de rádio! Os laterais Cicinho e Mena, a depender do andamento do jogo, vivem escapulindo para atacar. E com toda essa predisposição ofensiva, muitas vezes atabalhoada e cheia de erros de passes, a equipe tem a defesa menos vazada do Brasileirão ao lado do arquirrival Corinthians – seis gols em 12 jogos: média nanica de 0,5 por partida. Uma façanha!

Quem viu os três jogos pós-Copa da equipe alvinegra – vitórias sobre Palmeiras e Chapecoense e derrota magra para o Fluminense – deve ter notado que a meta de Aranha passou por poucos apuros. Apenas um golzinho sofrido, marcado por Conca, do Fluminense. Alison tem lembrado Adriano na era Muricy e Paulo Almeida na equipe campeão com Leão em 2002. Um cão de guarda à frente da área, cabeça de área típico, o mordedor. Técnica não é sua praia. Compensa isso com correria e desarme – às vezes exagera às pampas! A fórmula é antiga: ter um sujeito que faz o trabalho sujo, de proteção à dupla de zagueiros. David Braz e Bruno Uvini são reservas “titularizados” pelas graves lesões de Gustavo Henrique e Edu Dracena. Também não são jogadores de técnica apurada, que saem trocando passes e têm o melhor senso de colocação do planeta. Ainda assim, a fortaleza da Baixada é pouco ameaçada. Isso só valoriza Arouca e a transpiração da equipe.

Na retaguarda, a pouca técnica é compensada com dedicação. Isso, em alguns casos, resolve. Não há retranca, há suor. Do meio para frente, è exceção de Thiago Ribeiro, a turma é jovem e volta para marcar. Além de boa organização tática, o maior mérito de Oswaldo parece ser o da disposição. A equipe é aguerrida e cumpre à risca as solicitações do comandante. No início do ano, na primeira fase do Paulistão o Santos era uma equipe goleadora, veloz, letal. Foi um sonho de verão o cumprimento ao festejado DNA. Quando os jogos foram ficando mais difíceis foi preciso trabalhar a solidez defensiva. E mesmo com limitações técnicas, a equipe desdobra-se em obediência e vontade. Esse binômio forma a resposta mais satisfatória para as estatísticas defensivas admiráveis. Nas próximas três rodadas o Santos terá três dos quatro atuais integrantes do G4: Inter e Cruzeiro fora e o clássico contra o Corinthians. Serão bons testes para ver até onde vai o aguerrido sistema defensivo santista.

Um Pé na Vila/Lancenet

Oswaldo repete time, e Santos deve ter recorde pratas da casa em 2014


Em treino, técnico monta equipe com oito jogadores formados pelo clube, sendo cinco deles campeões da última Copa São Paulo. Mistão será titular contra o Londrina

O Santos que deve ir a campo nesta quinta-feira, às 21h, contra o Londrina, no Estádio do Café, pela Copa do Brasil, deverá ter recorde de jogadores formados no clube como titulares em 2014. Dos 11 que poderão sair jogando, oito são "crias" da Vila Belmiro.

O técnico Oswaldo de Oliveira repetiu, no coletivo desta terça-feira, no CT Rei Pelé, o time escalado como titular no treino de segunda-feira. O goleiro Vladimir, os laterais Zé Carlos e Emerson, os zagueiros Vinícius Simon e Paulo Ricardo e os atacantes Diego Cardoso, Stefano Yuri e Jorge Eduardo são formados no Santos.

Dentre os pratas da casa, cinco (Zé Carlos, Paulo Ricardo, Diego Cardoso, Stefano Yuri e Jorge Eduardo) foram campeões da Copa São Paulo de Futebol Júnior neste ano - Emerson, além de Diego e Stefano, esteve no time vencedor em 2013. O volante Alan Santos é formado pelo Vitória, mas já defendeu a equipe sub-20 do Alvinegro. Apenas os também volantes Souza e Renato não têm passagens pela base santista.

A expectativa é que os jogadores que vêm sendo titulares no Campeonato Brasileiro sejam poupados para o jogo de domingo, contra o Internacional. Nesta terça, os santistas que foram a campo contra a Chapecoense trabalharam na academia do CT Rei Pelé e só foram ao gramado com o coletivo em andamento para realizar exercícios físicos e técnicos.

Para a partida contra o Londrina, Oswaldo não poderá contar com o lateral-direito Victor Ferraz, que já atuou na Copa do Brasil pelo Coritiba, e o zagueiro Jubal, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Os zagueiros Edu Dracena e Gustavo Henrique e o atacante Leandro Damião, adquirem melhor forma física e também não jogam.

Globoesporte.com

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Oswaldo prepara reservas para a Copa do Brasil


Oswaldo de Oliveira está preocupado com o desgaste da equipe do Santos e deve mesmo escalar um time totalmente reserva no duelo desta quinta-feira, pela Copa do Brasil.

No treinamento desta segunda-feira, os titulares do Peixe apenas correram em volta do campo, enquanto os reservas fizeram atividade com bola, já de olho na partida válida pela terceira fase da competição nacional que concede uma vaga na próxima Libertadores da América ao campeão.

Oswaldo deve manter apenas o goleiro Aranha no time, mas nem o camisa 1 participou da equipe que treinou nesta segunda-feira. O time foi montado com Vladimir, Zé Carlos, Paulo Ricardo, Vinicius Simon e Emerson; Alan Santos, Renato e Souza; Jorge Eduardo, Stéfano Yuri e Diego Cardoso.

O lateral direito Victor Ferraz não poderá defender o Peixe na competição porque já atuou pelo Coritiba. Jubal também está fora em função de um terceiro cartão amarelo. Já Edu Dracena, Gustavo Henrique e Leandro Damião não ficarão à disposição por ainda não terem condições físicas.

Oswaldo de Oliveira já havia avisado que em caso de vitória contra a Chapecoense, o que aconteceu no último sábado, o time titular seria poupado do duelo contra o Londrina, no Estádio do Café, as 21 horas.

"Estou preocupado com o cansaço. Para quinta, minha ideia é poupar todos os titulares, exceto o Aranha, que prefiro que jogue. É inviável pensar em jogarmos na quinta e, depois, mantermos o mesmo nível já no domingo, contra o Inter”, explicou Oswaldo à época, já pensando no confronto contra os gaúchos, no próximo domingo, pelo Campeonato Brasileiro. O jogo pode valer uma vaga no G-4, pois atualmente o Peixe é 6º, com 20 pontos, e o Inter 4º, com 22.

Gazeta Esportiva

Destaque do Santos, Gabriel adota discurso humilde e vibra com Seleção

Atacante acredita que boa fase no Peixe é fruto da qualidade do elenco e dos treinamentos de Oswaldo. Ele se prepara para se apresentar à seleção sub-20

Artilheiro do Santos na temporada, com 15 gols (Thiago Ribeiro, o segundo, tem sete), Gabriel mantém o discurso humilde. Aos 17 anos, o atacante do Peixe acredita que o bom desempenho e os elogios que tem recebido do técnico Oswaldo de Oliveira sejam frutos da qualidade do elenco.

Por isso, acredita que o peso de vestir a camisa do Alvinegro e ser responsável por grande parte dos gols do time na temporada é pequeno e procura não pensar nisso para entrar em campo tranquilo.

- Eu nunca penso que sou o principal jogador. Não tem porque eu carregar esse peso, porque não é verdade. Graças a Deus, as coisas têm acontecido, tenho muito a agradecer ao Oswaldo de Oliveira. O mérito não é do Gabriel, é do time inteiro. Temos grandes jogadores no elenco, e a responsabilidade está bem dividida - disse o jogador.

Por outro lado, Gabriel tem mais motivos para comemorar. Ele foi convocado pelo técnico Alexandre Gallo para disputar o Torneio de Cotif, na Espanha, pela seleção brasileira sub-20. Durante a competição, o atacante desfalcará o Santos em quatro jogos: contra Londrina (a partida de volta da terceira fase da Copa do Brasil), Corinthians, Cruzeiro e Atlético-PR.

- Fiquei muito feliz pela convocação, principalmente por ser a primeira vez que vou para a seleção sub-20. Estou indo muito feliz. Já fui para seleções sub-15 e sub-17. Praticamente uma base inteira. Eu me sinto muito bem, lá tem grandes jogadores e uma grande comissão técnica - completou.

Gabriel deve ser poupado pelo técnico Oswaldo de Oliveira nesta quinta-feira, contra o Londrinha, no Estádio do Café, às 21h, pelo duelo de ida da terceira fase da Copa do Brasil. Antes de se apresentar à seleção sub-20, ele entra em campo contra o Internacional, no próximo domingo, às 18h30, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, pelo Brasileirão. 

Globoesporte.com

Santos não pedirá liberação de Gabriel da Seleção sub-20, diz dirigente

Superintendente André Zanotta revelou a informação. Atacante, artilheiro do Peixe na temporada com 15 gols, confirmou que viajará com a delegação na semana que vem

O Santos não tentará a liberação de Gabriel, convocado pelo técnico Alexandre Gallo para a Seleção Brasileira sub-20, que disputará o Torneio de Cotif, em Valência, na Espanha. 

A competição acontece entre os dias 10 e 20 de agosto, de modo que o jovem, de 17 anos não enfrentará Corinthians, Cruzeiro e Atlético-PR, pelo Brasileirão, e o Londrina, na partida de volta da Copa do Brasil. Ele viaja para o Rio de Janeiro no domingo, após enfrentar o Inter.

– Não pensamos em pedir a liberação do Gabriel, pois entendemos que ele precisa pegar experiência de Seleção. Essa convocação foi importante para ele, e esperamos contar logo com o Leandro Damião (recuperado de lesão no tornozelo) - disse o superintendente de esportes alvinegro, André Zanotta, ao LANCE!Net.

– Ir para a Seleção é um sonho, pode ser até na categoria mamadeira que eu estou feliz. Tive uma convocação no mês passado mas o Santos não liberou – comentou o jogador, após marcar um dos gols na vitória por 3 a 0 sobre a Chapecoense, sábado.

Gabigol é o artilheiro da equipe na temporada, com 15 gols. Em junho, para o Torneio de Toulon, o atacante não havia sido chamado por opção do treinador. Agora, ele foi convocado com mais cinco atacantes.

Lancenet

Oswaldo supera desconfiança, repete boa campanha, mas revê 'fantasma'


Assim como fez com o Botafogo em 2013, treinador leva o Santos ao pelotão de frente do Brasileiro apesar de elenco desacreditado e se livra de críticas. Vai ter baixas novamente?

A história se repete: Oswaldo de Oliveira consegue levar um time limitado e cercado de desconfiança ao grupo dos primeiros colocados do Brasileirão. Foi assim com o Botafogo em 2013 – quando esteve no G4 por 31 rodadas e conseguiu a classificação para a Libertadores – e está sendo assim agora, com o Peixe em sexto, a três pontos do vice-líder Corinthians.

Foram quatro vitórias nas últimas cinco rodadas, que proporcionaram não só um salto na classificação, como um alívio ao técnico. Depois do vice paulista, Oswaldo vinha pressionado por conselheiros, diretores e parte da torcida. O técnico chegou a trocar farpas publicamente com o vice do Conselho Deliberativo alvinegro e teve sua demissão cogitada nos bastidores.

Agora, o clima é outro, mas as próximas semanas reservam grandes desafios ao Santos. Os três próximos rivais no Brasileirão estão no G4 (Internacional, Corinthians e Cruzeiro), fato que não preocupa, mas motiva ainda mais Oswaldo.

– Essa sequência é um estímulo. Estar pleiteando uma posição melhor, no topo da tabela, é muito importante. A nossa meta é vencer os jogos. Independente da posição que a gente estiver ocupando, temos que nos preocupar sempre. Nos planejar para vencermos esses jogos – projetou o técnico, após a vitória sobre a Chapecoense.

Ano passado, o Botafogo chegou a liderar o Brasileirão por algumas rodadas, mas fraquejou após perder alguns de seus principais jogadores, como Vitinho e Fellype Gabriel. Agora, o “fantasma” volta a assustar. Com problemas financeiros, a diretoria santista planeja negociar atletas para não fechar no vermelho novamente. Ninguém é considerado inegociável, embora a intenção seja manter os astros do time. O risco perseguirá Oswaldo até o fim da janela, mês que vem.

Lancenet

Damião terá problemas para jogar no Santos. Gabigol agora é "titularíssimo"


Oswaldo de Oliveira criticava a convocação do atacante Gabriel Barbosa para a seleção brasileira sub-20 quando soltou: "Do ponto de vista do clube realmente é difícil, jogador que é titularíssimo...". Titularíssimo aos 17 anos, no miolo do ataque e desempenhando função que Leandro Damião, o homem de mais de R$ 40 milhões do Doyen Sports, não consegue. Gabigol, hoje, joga como falso 9 e dificilmente abrirá espaço para que o centroavante jogue entre os 11.

Leandro Damião terá de ter rendimento espetacular quando se recuperar da lesão no tornozelo esquerdo para permanecer na equipe. A hipótese aceitável para que ele e Gabigol joguem juntos é fazer com que o jovem atue à frente dos volantes, na posição de meio-campista, e não como falso 9. Forçar essa mudança caso Damião ainda não esteja no melhor da forma, no entanto, causará um retrocesso no futebol da equipe que, com Gabigol no ataque, joga cada vez mais próximo do nível de topo.

O que Gabigol, aos 17 anos, faz que Damião não consegue fazer é sair da área e participar da construção das jogadas. Damião participa apenas da conclusão. É bom nisso, já foi o melhor do país para finalizar jogadas, mas hoje é um a menos quando o time está sem a bola.

Neste sábado, o Santos venceu a Chapecoense por 3 a 0 na Vila Belmiro com atuação excelente de Gabriel. Ele deu assistência para Rildo no primeiro gol, marcou o segundo e armou o terceiro, do falso 9 para os pontas, como manda a cartilha.

Na mesma entrevista em que chamou Gabigol de "titularíssimo", Oswaldo disse que Damião é "importante". O discurso não tem intenção de dar recados nem algo parecido, mas expõe algo que aparece no campo: hoje Gabriel é joga muito mais que Damião.

É possível que Damião volte a jogar já na próxima semana, o que coincide com o desfalque de Gabigol – passará três rodadas do Brasileirão longe do clube defendendo a seleção brasileira sub-20, no torneio de Cotif. Restará, a Oswaldo, substituir o jovem por outro jogador que possa atuar como falso 9 ou inserir Damião e mudar o estilo de jogo da equipe.

Uol Esporte

Santos se firma com defesa regular, e Alison destaca equilíbrio entre setores


Peixe tem apenas seis gols sofridos no Campeonato Brasileiro e a melhor defesa da competição, ao lado do Corinthians. Volante comemora boa fase

A escalação do Santos, pelo menos no papel, é ofensiva: Thiago Ribeiro, Gabriel e Rildo são os titulares do ataque do Peixe no Campeonato Brasileiro. Apesar disso, a equipe comandada pelo técnico Oswaldo de Oliveira tem a melhor defesa da competição, ao lado do Corinthians, com apenas seis gols sofridos em 12 jogos disputados. Os segredos, segundo o volante Alison, são o comprometimento dos jogadores e o equilíbrio entre os setores. 

Mesmo com três atacantes, o Alvinegro aposta em um sistema compacto e com a ajuda dos homens de frente na marcação. Nos treinamentos, Oswaldo cobra intensamente os atletas do meio e do ataque para que eles não "larguem" os adversários após serem desarmados em jogadas ofensivas. 

E o comprometimento tem dado resultado. Contra a Chapecoense, por exemplo, além de ter marcado três gols, o Santos sofreu pouco na defesa. Alison acredita que a participação de Lucas Lima e Gabriel, além dos "pontas" Thiago Ribeiro e Rildo na recomposição pelo meio é fundamental.

- Não só o sistema defensivo precisa marcar, mas o time inteiro tem de executar bem o que está treinando. Essa consistência começa lá na frente, com todo mundo marcando. Quem joga nas beiradas do campo precisa acompanhar os laterais. O Lucas Lima precisa ajudar, o Gabriel também precisa marcar o volante. Esse resultado, essa consistência na defesa é por causa disso, com todo mundo se ajudando - disse o volante.

Com 12 desarmes no Campeonato Brasileiro, Alison foi titular nos últimos três jogos do Santos, realizados depois da Copa do Mundo - antes, ele já havia entrado em campo apenas duas vezes na competição, pois havia sofrido com lesões. Aos 21 anos, o volante se inspira em Arouca, sua dupla, para manter a regularidade e crescer.

- Ele (Arouca) é um cara que já tem uma amizade comigo, uma certa intimidade. É um dos meus ídolos e eu tenho ele como referência, não só pelo o que ele é dentro de campo, mas pela pessoa que ele é. Temos uma relação muito boa, dentro e fora de campo. Ele sempre está me ajudando, me incentivando. Quando não estou indo tão bem, ele percebe que estou um pouco chateado e me dá força - falou.

Em busca da regularidade também na tabela, o Santos entra em campo no próximo domingo, às 18h30 (de Brasília), contra o Internacional. Válida pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro, a partida será disputada no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre.

Globoesporte.com

sábado, 26 de julho de 2014

Aranha elogia equilíbrio e contém euforia: "Não dá para se empolgar"


Goleiro, que completou 100 jogos neste sábado, acredita que Santos precisa manter o ritmo para seguir na parte de cima da tabela

Sem muito esforço, o Santos venceu a Chapecoense por 3 a 0 na noite deste sábado, na Vila Belmiro. Com a vitória, o Peixe assumiu provisoriamente a vice-liderança do Campeonato Brasileiro, com 20 pontos. Após o confronto, Aranha destacou a boa atuação dos santistas, mas conteve a empolgação. 

O goleiro, que completou 100 jogos com a camisa do Alvinegro, acredita que o equilíbrio entre defesa e ataque foi o ponto forte da equipe em campo. 

- Quando o conjunto funciona, com ataque e defesa bem, conseguimos vencer. Tivemos um time equilibrado em um jogo que também foi equilibrado e merecemos a vitória - falou o jogador.

Mesmo com a vice-liderança, atrás apenas do Cruzeiro, que disparou na primeira colocação do Brasileirão, com 28 pontos, Aranha diz que o Santos não pode se empolgar e tem de manter o ritmo para seguir na parte de cima da tabela.

- O Brasileirão é muito equilibrado e não dá para se empolgar, tem que manter os pés no chão - completou. 

Globoesporte.com

Oswaldo comemora entrada do Santos no G4: 'É um estímulo para nós'


Aguardando o complemento da rodada, Peixe está entre os primeiros do Brasileirão após vencer a Chapecoense na Vila Belmiro. Time não se firma no G4 há quase quatro anos

Sempre adotando uma postura cautelosa, o técnico do Santos, Oswaldo de Oliveira, não se conteve após vencer a Chapecoense por 3 a 0, na Vila Belmiro e comemorou a entrada do Peixe entre os quatro colocados do Campeonato Brasileiro, mesmo que a posição seja provisória.

O Alvinegro já sabe que perderá uma posição para Atlético-PR ou Fluminense, que se enfrentam, e seca os outros concorrentes para poder seguir na zona de classificação da Libertadores.

- É um estimulo, uma motivação para nós entrar no G4. Estamos pleiteando uma posição melhor, no topo da tabela, é muito importante para nós. A nossa meta é vencer os jogos. Precisamos focar nisso. A ascensão na tabela, seja consequência dessas vitorias, independente da posição que a gente estiver ocupando, temos que nos preocupar sempre. Nos planejar para vencermos esses jogos - disse o treinador na entrevista coletiva após a vitória em casa.

Mesmo vencendo por um placar elástico, Oswaldo ressaltou a dificuldade de furar o bloqueio da Chapecoense, que dificultou a saída de bola do time da casa e travou o meio de campo.

- Não foi fácil, não. Eles jogaram bem e os ameaçaram bastante. A gente viu muito o jogo contra o São Paulo (vitória de 1 a 0 da Chapecoense). Nós tiramos dali as lições. Vimos que nós precisávamos utilizar o que temos de forte, nossa velocidade no ataque, e principalmente no contra-ataque. Nas oportunidades que entraram em nosso campo buscamos o contra-ataque em velocidade - concluiu.

Os jogadores santistas terão folga neste domingo e se reapresentam às 16 horas de segunda-feira no CT Rei Pelé. O próximo desafio é fora de casa pela Copa do brasil, na quinta-feira, Às 21 horas, contra o Londrina, no estádio do Café.

Lancenet

Jogos para sempre - Santos X Corinthians - Brasileirão de 2002