quinta-feira, 24 de julho de 2014

Santos se sente prejudicado e envia 'dossiê' a CBF contra jogos de quinta


A diretoria do Santos aceitou as reclamações do técnico Oswaldo de Oliveira em relação ao excesso de jogos de quintas-feiras de sua equipe e preparou uma espécie de dossiê. O documento foi enviado a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com a intenção de convencer a entidade máxima do futebol brasileiro a não escalar mais o clube paulista na rodada de quinta.

O dossiê do Santos prova que, nos jogos de meio de semana, sua equipe joga mais as quintas do que as quartas-feiras, comparado aos concorrentes. Comissão técnica e diretoria santista acreditam que seu time entra em desvantagem no final de semana, pois seus adversários jogam na quarta e ficam com um dia a mais para descansar.

Contra o Fluminense, por exemplo, Oswaldo de Oliveira foi obrigado a substituir a dupla de ataque por causa de desgaste físico. Para os santistas, o time carioca entrou em campo em vantagem no último domingo, pois jogou a partida anterior na quarta-feira.

"Fizemos pelo departamento de fisiologia, com a parte física, me apresentaram um estudo de todos os jogos que aconteceram, e que estão marcados, jogando quinta e domingo, com os nossos adversários jogando sempre na quarta e domingo. Foi o caso do Fluminense, e isso dá uma diferença ao logo do campeonato que é longo, são 38 rodadas", afirmou o gerente de futebol, Zinho.

"Isso acontece sucessivamente, agora com a Copa do Brasil. Então com esse estudo feito, muito bem pelo departamento, apresentamos para o nosso superintendente, que já havia feito isso. E através do presidente foi entregue a CBF, que foi receptiva a possibilidade de rever isso e alterar alguns jogos, para que não tenha esse desgaste a mais", completou.

Analisando o retrospecto, sem somar o Campeonato Paulista, competição pela qual o Santos também jogou bastante as quintas, os santistas parecem ter razão. 

O Santos teve uma sequência de jogos as quintas-feiras entre maio e junho, além de começar julho com mais dois jogos na quinta. A sexta, oitava e décima rodada do Brasileirão, contra Goiás, Bahia e Palmeiras, respectivamente, o time da Vila Belmiro não teve a oportunidade de atuar na quarta-feira.

Nesse período, a equipe santista ainda jogou as quintas-feiras os dois jogos da 2ª fase da Copa do Brasil, contra o Princesa do Solimões. Se não bastasse, os jogos de ida e volta das oitavas de final da mesma competição, diante do Londrina, também ocorrem as quintas, nos dias 31 de julho e 14 de agosto.

Uol Esporte

Após denúncia de sócios "fantasmas", Conselho decide sobre votação online


O Conselho Deliberativo do Santos decidirá nesta quinta-feira se a eleição presidencial deste ano, marcada para dezembro, terá votação pela internet. A discussão ocorrerá em meio a uma polêmica levantada por membros da oposição, que denunciaram um suposto esquema de fraude, no qual seis mil associados “fantasmas” teriam condições de votar - dentre eles nomes pitorescos como o do ex-ditador Augusto Pinochet e de personagens como Vito Andolini, o Don Corleone do filme "O Poderoso Chefão". O Peixe afirmou que esses cadastros estão bloqueados

Conselheiros da oposição já afirmaram que vão tentar tirar a votação da pauta por conta das denúncias. Membro da Terceira Via Santista, um dos grupos políticos do Alvinegro, Orlando Rollo disse que a situação iniciaria o pleito “com seis mil votos a zero” e que o fato de as carteirinhas pitorescas terem sido emitidas em novembro do ano passado era estratégica – era o mês limite para interessados em participar da eleição se associarem, já que o estatuto prevê o voto de santistas com ao menos um ano no quadro de sócios.

O presidente do Conselho Deliberativo do Santos, Paulo Schiff, garantiu que cinco mil dos seis mil sócios que estavam em condição irregular antes de um recadastro, iniciado em abril, cinco mil já estão regularizados e os outros mil (dentre eles os "fantasmas") estão bloqueados. Schiff disse ainda não acreditar que a discussão sobre a votação pela internet será adiada. 

- Regimentalmente, pode existir a proposta de retirada da pauta. Essa proposta entraria em votação durante a reunião e pode ser adiada. Mas não creio que isso vá acontecer. O conselheiro já virá preparado para tomar sua decisão - afirmou.
A votação online divide opiniões no Conselho. De acordo com Schiff, ela é permitida pelo artigo 30 do Estatuto Social, que cita a internet e o correio como canais válidos para o pleito.

- Em 2013, o conselheiro Ricardo Campanário acompanhou as eleições do Grêmio, que teve votação pela internet. Foi montada uma comissão eleitoral, presidida pelo Ricardo, com cinco conselheiros, que mergulhou no tema, estudou custos, segurança, conversou com empresas e apresentou esse trabalho aos conselheiros - explicou Schiff, que avaliou a opção como “democrática”.

- Há três pontos importantes. O primeiro é que isso foi estudado com profundidade. O segundo é que cumprimos o que está no Estatuto. E o terceiro: a finalidade é boa. Pode não ser acatada, mas é a democratização do processo eleitoral do Santos. O clube tem sócios em muitos lugares, que têm os mesmos direitos do associado de Santos. Vamos aceitar o resultado que vier - completou.

Dos cerca de 60 mil associados do Santos, a estimativa é que 33 mil estejam aptos para votar no pleito, agendado para 6 de dezembro. As chapas não estão definidas. A “Eu Sou Santos”, que é da situação, ainda não divulgou quem será o candidato à presidência. Na oposição, é possível que sejam feitas alianças. Na entrevista coletiva de quarta-feira, por exemplo, três grupos contrários à atual diretoria estiveram juntos: Terceira Via, Associação Santos Sempre Santos e Resgate Santista.

Globoesporte.com

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Após lesão 'complicadinha', Thiago Ribeiro prega cautela na volta: 'Preciso ter confiança no joelho'


Pouco mais de dois meses após lesionar o joelho, o atacante Thiago Ribeiro finalmente estará à disposição do técnico Oswaldo de Oliveira. O jogador será relacionado para o jogo contra a Chapecoense, no próximo sábado, às 18h30, na Vila Belmiro, e, se tudo der certo, deve entrar no decorrer do confronto.

O atacante se lesionou durante o jogo contra o Atlético-MG, no dia 18 de maio, e não tinha previsão certa para voltar a jogar, embora não tenha precisado operar o local.

"Não posso forçar muito a musculatura. Estou há muito tempo sem jogar, preciso readquirir confiança no joelho. Ainda sinto uma dorzinha em alguns movimentos. A lesão afetou várias partes do joelho, foi complicadinha de curar. Afetou o colateral medial, o cruzado posterior, mexeu com toda a estrutura e por isso demorou um pouco mais do que o previsto", afirmou, em entrevista àRádio ESPN.

Thiago também disse que está ansioso para voltar a jogar e que a expectativa é enorme.

"Estou feliz de voltar à equipe e ansioso para fazer gols. Sou atacante e preciso dos gols. Como eu tenho esse longo período fora do time, estou com muita vontade de balançar a rede de novo e espero começar com o pé direito", concluiu.

ESPN

Recuperado de lesão, Edu Dracena treina com titulares; Damião segue fora

Capitão do Peixe apresenta melhora e já participa de atividade com linha de defesa titular, ao lado de Cicinho, Bruno Uvini e Eugenio Mena, mas ainda não pode atuar

Recuperado da lesão no ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, Edu Dracena formou pela primeira vez a zaga titular do Santos desde quando foi liberado para treinar com bola no gramado. Na manhã desta quarta-feira, no CT Rei Pelé, o capitão santista participou de um trabalho de fundamento com os outros defensores. Leandro Damião segue se recuperando de uma entorse no tornozelo esquerdo e não apareceu no campo.

Sem times definidos, o técnico Oswaldo de Oliveira separou o elenco em dois. Os zagueiros e laterais, divididos em dois grupos, aprimoraram jogadas de bolas aéreas e posicionamento fora da área. Em um dos exercícios, Cicinho, Bruno Uvini e Eugenio Mena, considerados titulares, tiveram o reforço de Edu Dracena na linha defensiva. 

Apesar da evolução no trabalho de transição, o zagueiro ainda não pode voltar a disputar partidas. Mesmo recuperado da lesão, ele ainda não está liberado para ter contato físico com outros jogadores. Por isso, já realiza atividades com bola normalmente, mas não participa de coletivos. 

Enquanto isso, os volantes, os meias e os atacantes da equipe aprimoraram finalizações no campo ao lado. A atividade teve diversas variações, com todos os jogadores realizando funções de armadores, laterais e finalizadores. Sempre três atletas, sem marcação, tinham de arrematar para o gol.

Em um estágio menos avançado de uma lesão ligamentar no joelho direito, Gustavo Henrique também realizou um trabalho no gramado nesta manhã, mas com menos intensidade, sob orientação do preparador físico Marco Alejandro. David Braz foi liberado para resolver assuntos particulares.

Com uma entorse no tornozelo esquerdo, Leandro Damião segue sem realizar atividades com impacto. Ele permaneceu na academia do CT Rei Pelé nesta quarta-feira para aprimorar o condicionamento físico, enquanto se recupera da lesão. Daniel Guedes, com dores nas costas, e Neto, com lombalgia, também não apareceram no gramado. 

Globoesporte.com

Santos negocia patrocínio com rede de supermercados e espera resposta

Clube faz proposta a empresa, que busca fundos para apoiar o Peixe até o fim do ano. Nome é mantido em sigilo. Alvinegro fala com diferentes marcas há um ano

Sem patrocínio master há mais de um ano, o Santos negocia com uma rede de supermercados. O nome da empresa que pode estampar a marca no principal espaço do uniforme do Peixe até o fim desta temporada ainda é mantido em sigilo.

As conversas ainda estão em estágio inicial. O Alvinegro já fez uma proposta, que gira em torno de R$ 1 milhão por mês, e espera uma resposta. Enquanto isso, a rede de supermercados busca fundos com parceiras para apoiar os santistas.

Desde o término do contrato com o Banco BMG, no início do ano passado, o Santos negocia com diversas empresas, nas ainda não chegou a um acordo. O departamento de marketing do clube acertou contratos para alguns jogos, mas segue em busca de um acordo até o fim do ano.

– Passamos uma época difícil, a do Mundial. O mercado estava todo voltado para a Copa, não para os clubes. Imaginávamos que um resultado positivo do Brasil aquecesse o mercado para o segundo semestre, mas não foi bom. Achamos que (o fracasso da Seleção) esfriou o mercado. O Brasil, se campeão, esquenta o mercado em todos os aspectos. Atletas, negociações, interesse das empresas... Acho que o mau resultado altera o ímpeto do mercado – disse o presidente Odílio Rodrigues. 

Atualmente, o Peixe tem os patrocínios de uma escola de idiomas nos ombros e de outra do ramo de tubos e conexões nas mangas. Eles rendem R$ 10 milhões anuais ao clube, que tem urgência em fechar o patrocínio principal. A ausência é um dos fatores que interferiram no balanço financeiro de 2013 – o Alvinegro teve déficit de R$ 40,6 milhões.

A dificuldade para captação do patrocínio master não se limita ao Alvinegro. O Palmeiras, por exemplo, está sem marcas estampando o peito da camisa há um ano. O Peixe esperava faturar R$ 20 milhões com o contrato de um ano com um patrocinador, mas admite fechar negócio por valores menores, devido à retração do mercado.

Globoesporte.com

Presidente do Santos espera Robinho baixar pedida e não descarta reforços


Odílio Rodrigues diz que patamar salarial do ídolo é difícil de ser igualado e aguarda negociação com Orlando City. Dirigente afirma que atacante quer jogar no Alvinegro

O Santos quer Robinho e Robinho quer o Santos. É o que garante o presidente do Peixe, Odílio Rodrigues. O dirigente é cauteloso quanto às conversas para repatriar o ídolo santista – paradas, segundo ele, após contato com a representante do atacante, a advogada Marisa Alija. Apesar de não considerar a contratação “impossível”, o mandatário está pessimista, por conta do alto salário do jogador.

– Vejo (a negociação) com dificuldades. Não é má vontade de ninguém. Ele (Robinho) quer e o Santos também, mas seu patamar salarial é difícil de ser atingido. Não é a realidade do futebol brasileiro. Se ele tem esse salário, é por merecimento, mas é difícil igualar o que ele atingiu. Do ponto de vista prático, há essa dificuldade – explicou Odílio.

Robinho, a princípio, deve ser vendido ao Orlando City. Como o clube dos Estados Unidos só vai estrear na Major League Soccer (MLS) em 2015, ele poderia ser emprestado a um time brasileiro até o fim do ano, como ocorreu com o meia Kaká, cedido ao São Paulo. O presidente do Orlando, o brasileiro Flavio Augusto, disse que o Santos é a preferência do atleta. O Peixe está à espera.

Odílio não detalha os valores por “respeito” a Robinho, mas no último domingo, o diário As, da Espanha, afirmou que o ídolo exigiu R$ 1 milhão mensais, livres, mais R$ 400 mil de comissão a seu pai e empresário, Gilvan de Souza. Uma fonte do GloboEsporte.com ligada ao Comitê de Gestão revelou os mesmos números, enquanto outra disse que a pedida é um pouco menor (R$ 800 mil por mês), mas ainda assim considerada elevada. A advogada do astro negou os valores.

Robinho não é o único alvo do Santos no mercado. Após as contratações do lateral-direito Victor Ferraz e do volante Souza, o Peixe ainda tenta reforçar mais o elenco. O presidente santista, no entanto, evita garantir nomes “de peso”.


– Procuramos alguns e desistimos porque os valores eram muito além do que o Santos entende que pode pagar. O que é (reforço) “top” para o Santos? É o jogador que nossa comissão técnica e o departamento de futebol aprovarem para determinada posição. Vamos trazer reforços à medida que a gente precisar e puder, desde que nosso orçamento possa contemplar – afirmou.

Confira, abaixo, a entrevista de Odílio:

GloboEsporte.com: O Santos sondou, mais uma vez, o atacante Robinho. Quais as chances de o ídolo voltar à Vila Belmiro?

Odílio Rodrigues: O Robinho vem para Santos em todas as férias, é um homem público, vai ao CT (Rei Pelé), vem à Vila, tem um vínculo forte. É um ídolo. Todos nós que somos torcedores gostaríamos de ver o Robinho aqui. Houve o contato (com a advogada), realmente. Mas eu vejo (a negociação) com dificuldades. Não é má vontade de ninguém. Ele (Robinho) quer e o Santos também, mas o patamar salarial é difícil de ser atingido. Não é a realidade do futebol brasileiro. Se ele tem esse salário, é por merecimento, mas é difícil igualar o que ele atingiu. Do ponto de vista prático, há essa dificuldade.

A troca de farpas entre Robinho e o ex-presidente Luis Alvaro atrapalha?

Nunca tive problemas com Robinho. Pelo contrário. A admiração do Santos pelo Robinho é permanente. A torcida gosta dele, é nosso ídolo. Da nossa parte, nunca houve dificuldade. A imagem do Robinho sempre é muito positiva.

O Orlando City, dos Estados Unidos, está tentando contratar o Robinho, e pode emprestá-lo a um clube brasileiro até o fim do ano. O Santos já conversou com o Orlando?

Ele (Robinho) não fechou com o Orlando. Se amanhã o depois ele fechar com Orlando nos moldes do Kaká, aí podemos conversar. Não temos esse contato. Com o Milan também não. Sabemos, pelos contatos que tivemos, que o vínculo dele hoje é só com o Milan. Antes de conversar com o Milan, teríamos que chegar a um lugar comum com o Robinho. A diferença (de valores) não permite que a gente avance no negócio.

Que valores são esses?

Vi vários valores nos jornais, que o Robinho teria pedido, o Santos teria oferecido... O Santos não fala em valores. Temos um respeito muito grande pela imagem do Robinho, e ninguém está autorizado a falar em qualquer valor, não vazamos isso. A gente entende que Robinho atingiu um patamar de ganho que, para o Santos, é difícil (igualar).

O Santos já conversou com empresas que pudessem viabilizar o pagamento dos salários?

Se a gente estivesse muito próximo de fechar, possivelmente estudaríamos a possibilidade de usar a imagem dele, que é significativa. Mas como nós não avançamos nas negociações, não falamos com empresas. Acho uma contratação difícil. Não digo que é impossível. É o nosso desejo de Santos, o do Robinho e da torcida, mas, do atual ponto de vista, é difícil.

Além do Robinho, que outros reforços o Santos busca?

Temos, no planejamento do futebol, o tipo de reforço que queremos, mas o que vamos trazer é o que couber nas possibilidades do Santos. Não vamos fazer loucuras. Vamos buscar reforços e traremos o que tivermos possibilidade de trazer.

O Santos tem dificuldades financeiras que atrapalham as negociações?

Acho que a situação do Santos é igual a de todos os clubes da Série A. O que a precisamos é tomar cuidado. Fizemos um planejamento. Temos uma dispensa mensal no Santos como um todo, e parte dela é do futebol. Temos mantido o que planejamos. Procuramos não aumentar as despesas. Foi feito uma previsão orçamentária e o que fizemos está mantido mês a mês.

Que tipo de reforço o Santos busca?

Pode ser interessante trazer mais um meia, um atacante pelos lados. São exemplos. Mas dentro daquilo que o Santos planejou no orçamento.

O discurso, antes, era a busca por reforços “tops”, de peso. O Santos buscou esses atletas?

Procuramos alguns e desistimos porque os valores eram muito além do que o Santos entende que pode pagar. O que é (reforço) “top” para o Santos? É o jogador que a comissão técnica e o departamento de futebol aprovarem para determinada posição. Vamos trazer reforços à medida que precisarmos e pudermos, desde que nosso orçamento possa contemplar.

Globoesporte.com

terça-feira, 22 de julho de 2014

Teisa teme eleição do Santos e não deve investir nesta janela de transferências


Investidores temem que candidato da oposição assuma o clube em 2015 e rompa com a empresa. Por dívida, Peixe repassou 41% de Arouca à Teisa

Além de ter situação financeira difícil, o Santos não deve contar com a Teisa (Terceira Estrela Investimentos) nesta janela de transferências.

A empresa, formada por santistas, está a detalhes de se tornar um fundo de investimentos. Porém, o processo estacionou, e o principal motivo é a eleição alvinegra em dezembro. O temor é de que um dos grupos de oposição vença, rompa as relações com a Teisa e, assim, os investidores possam ter prejuízo.

Além disso, para a criação do fundo é preciso captar mais recursos, já que os custos de manutenção são altos

Ano passado, em reunião do Conselho Deliberativo do Santos, a Teisa anunciou que tinha cerca de R$ 5 milhões. Porém, R$ 4 milhões já não estão mais no caixa. A quantia foi emprestada ao Peixe no início do ano e ainda não foi paga, bem como o valor que a empresa tem direito pela venda de Montillo ao Shandong Luneng (CHN) – aproximadamente R$ 2,4 milhões. Como contrapartida do empréstimo, o Peixe repassou 41% de Arouca à Teisa, que já tinha 20%. 

Contatado pela reportagem do LANCE!Net, Alexandre Bourgeois, executivo da Teisa, evitou comentar o assunto, mas admitiu que é remota a possibilidade de a empresa participar de alguma operação de compra nesta janela de transferências.

Atualmente, a Teisa tem participação nos direitos econômicos de Arouca, Cicinho e Mena.

Lancenet

Santos estuda plano de vender lateral para ter Robinho


O Comitê Gestor do Santos elabora um plano para abrir negociações com o atacante Robinho, do Milan, da Itália. O Terra apurou que a diretoria está confiante de que conseguirá fazer caixa com o lateral esquerdo Eugenio Mena. Sem dinheiro, o clube estuda uma estratégia para negociar o chileno, que consideram estar valorizado após a disputa da Copa do Mundo, e conseguir concretizar o sonho de repatriar o antigo ídolo.

Mena foi titular nos quatro jogos do Chile na competição, até a eliminação nas oitavas de final contra o Brasil. No período, o clube pagou R$ 2,6 milhões para exercer a sua opção de compra sobre o jogador, que ainda pertencia à Universidad de Chile.

Dirigentes do clube, no entanto, já acionaram o empresário Renato Duprat, representante do fundo maltês Doyen, que financiou a contratação do centroavante Leandro Damião, para que procure mercado para o atleta. A Doyen tem entrada em uma série de centros na Europa, entre eles Espanha e Inglaterra.

Robinho passou grande parte das férias no País e aumentou os indícios de saída do Milan após não viajar com a equipe para a pré-temporada, nos Estados Unidos, alimentando, também, a possibilidade de acerto com o Orlando City, recém-fundado.

A concretização da ida para o futebol dos Estados Unidos é a chave para a negociação. Se for, a exemplo de Kaká, será emprestado para outro clube, já que o Orlando só iniciará as suas atividades em 2015.

A meta santista é negociar o chileno, e com o montante arrecadado pagar os cinco meses de salários do empréstimo. A dificuldade é o alto valor, cerca de R$ 1 milhão mensal. Internamente, a operação é vista com bons olhos pelos membros da situação política do clube, que passará por eleições em dezembro, e acreditam que o jogador pode impulsionar a equipe a um bom fim de ano.

O Santos nega ter reaberto negociações com o atacante, mas não descarta a possibilidade da contratação. No último ano, após desgastantes conversas, o atacante desabafou contra o ex-presidente Luis Álvaro Ribeiro dizendo ainda que "com a atual diretoria é totalmente impossível qualquer nova abertura de negociação e de ocorrer a volta ao Santos". 

Na ocasião, ainda desmentiu o mandatário santista sobre a sua pedida salarial, alegando que aceitou diminuir em até 35% os seus ganhos. Durante as férias, amenizou a polêmica com uma visita ao clube para assistir uma partida da equipe sub-17.

"O Robinho eu receberia de braços abertos, mas não tenho nenhuma informação. Seria a cereja do nosso bolo", disse o técnico Oswaldo de Oliveira.

Para o segundo semestre, o Santos já anunciou as contratações do lateral direito Victor Ferraz e do volante Souza.

Terra

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Santos programa jogo-treino e testará Damião e Thiago Ribeiro


Reclamando de maratona de jogos e de viagens, Oswaldo de Oliveira, técnico do Santos, poderá comemorar uma semana livre para treinos e descanso. O comandante também usará os dias livres até o próximo compromisso para avaliar se poderá contar com Leandro Damião e Thiago Ribeiro diante da Chapecoense, na Vila Belmiro.

Os atacantes estão sob cuidados do departamento médico e saberão se vão ser relacionados novamente nesta quarta-feira, quando o time disputará um jogo treino no CT Rei Pelé.

"Sim, eu espero contar com eles. Mas não exatamente para começar o jogo. Vou avaliar, porque temos um jogo-treino na quarta-feira e vamos fazer isso para avaliar. Não sei se o Leandro vai poder do jogo, mas o Thiago com certeza. Se eles reunirem condições, pelo menos para o banco eu vou colocar", disse o treinador após a derrota por 1 a 0 para o Fluminense em Volta Redonda.

Leandro Damião tem sofrido com as lesões. O jogador se recuperou de uma pubeíte que o tirou dos gramados em maio, mas sofreu entorse no tornozelo esquerdo nesta semana e desfalcou a equipe santista contra o Palmeiras.

Já Thiago Ribeiro teve um estiramento na coxa esquerda há dois meses. A falta de ritmo tirou o atleta da partida deste domingo.

Oswaldo tem reclamado frequentemente da sequência imposta ao Santos. No jogo de domingo, ele reclamou de sempre jogar as quintas contra adversários mais descansados. 

Uol Esporte

Com atuação abaixo, lateral do Santos é cobrado por Oswaldo


Técnico não gostou da atuação de Cicinho na partida contra o Fluminense no Rio: 'Esteve aquém daquilo que ele pode render'. Para ele, o chileno Mena foi regular

A atuação de Cicinho e Mena na derrota de 1 a 0 do Santos para o Fluminense, na noite deste domingo, incomodou o técnico Oswaldo de Oliveira. Para o treinador, Cicinho jogou menos que pode, e o chileno Mena foi apenas regular:

- O Cicinho esteve aquém daquilo que ele pode render, porque sofreu uma contusão, esteve fora da última partida e saiu da rotina de treinamentos. Ele pode render melhor do que hoje. O Mena é muito regular, objetivo e efetivo na marcação, fez uma partida como faz normalmente.

O camisa 4, além de ter ficado fora da equipe titular por estar suspenso para o último jogo - levou o terceiro cartão amarelo - sofreu uma pancada no ombro direito e chegou a ser baixa em alguns treinamentos. Já o chileno disputou a Copa do Mundo e retornou recentemente à Baixada Santista.

O próximo jogo do Santos será contra a Chapecoense, no próximo sábado, na Vila Belmiro. A reapresentação do elenco acontece na segunda-feira de tarde, no CT Rei Pelé.

Lancenet

Oswaldo reclama da tabela e espera ter reforços de Thiago Ribeiro e Damião no sábado


A derrota para o Fluminense por 1 a 0, neste domingo, em Volta Redonda (RJ), já faz parte do passado para o Santos. Apesar de ver sua série de três vitórias seguidas no Campeonato Brasileiro ser interrompida, fez uma partida equilibrada com os cariocas, mas alguns jogadores acabaram sentindo o desgaste - principalmente Geuvânio, Rildo e Gabriel. Cansados, os jovens atacantes tiveram de ser substituídos no segundo tempo.

"Tirá-los já era uma previsão. Jogamos com um dia a menos de recuperação (em relação ao Fluminense), agravado pelas viagens que fizemos. Isso faz uma diferença muito grande. O Fluminense jogou na quarta e, nós, na quinta. Precisamos ter muito cuidado. Já aconteceu em outras oportunidades, porque o Santos tem jogado muito às quintas. Sempre enfrentamos um time que jogou na quarta ou depois no sábado. Eles (os adversários) sempre estão mais descansados", reclamou o técnico santista, Oswaldo de Oliveira.

Logo após a vitória no clássico contra o Palmeiras, na última quinta-feira, o treinador já havia feito o alerta para o calendário do Santos na competição, aliado ao problema das viagens. Para jogar contra o Fluminense, o time foi de Santos para São Paulo, de São Paulo para o Rio de Janeiro, e do Rio para Volta Redonda. As viagens, obviamente, se repetem no caminho de volta.

A boa notícia é que Oswaldo de Oliveira terá a semana cheia para trabalhar, já que o time de Vila Belmiro não atua neste meio de semana e agora foca na recuperação dos jogadores para o duelo contra a Chapecoense, no próximo sábado, em Santos. O duelo, pela 12ª rodada do Brasileirão, deve ter os retornos de Leandro Damião e Thiago Ribeiro ao time.

"Claro que sim, não exatamente para começar o jogo. Na quarta, nós vamos fazer um jogo-treino exatamente para avaliarmos (Damião e Thiago Ribeiro). Não sei se o Damião terá condições de jogar, o Thiago com certeza (joga). E, se eles reunirem condições, vão para o jogo", explicou Oswaldo, que também deve ter Patito Rodriguez e Alan Santos à disposição.

ESPN

Representante revela sondagem do Santos por Robinho, alvo do Orlando


Marisa Alija diz que Alvinegro ouviu valores e nega que atacante exija R$ 1 milhão por mês. Se acertar com o clube dos EUA, ele pode ser emprestado a time brasileiro

O Santos decidiu atender ao pedido do técnico Oswaldo de Oliveira e foi atrás de Robinho. De acordo com a advogada Marisa Alija, representante do ídolo, o Alvinegro sondou os valores do atacante do Milan, da Itália, há mais de um mês, mas ainda não fez propostas.

A estratégia da diretoria do Peixe não é negociar diretamente com o clube italiano, mas esperar por um acordo do jogador com o Orlando City, dos Estados Unidos, e então costurar um contrato de empréstimo de seis meses, nos moldes daquele feito por Kaká com o São Paulo, já que o time americano não terá atividades neste segundo semestre.

– Não recebi nenhuma oferta do Santos. Eles sondaram o valor do Robinho, mas não fizeram proposta. Nem para Robinho, nem para o Milan. Recebo sondagem de valores de jogadores o tempo todo. Aí evolui para uma negociação, ou não. No caso do Santos, não tem negociação. Se eles dizem que estão trabalhando no caso, deve ser internamente – disse.

Robinho negocia com o Orlando City – o que pode até ajudar o Santos a repatriar o ídolo. Se ele acertar com a equipe dos Estados Unidos, poderá ser emprestado a um clube brasileiro até o fim do ano, pois o Orlando só estreia na Major League Soccer (MLS) em 2015. Nesta segunda-feira, aliás, Marisa tem uma reunião com o vice-presidente do Milan, Adriano Galliani.

Além do Santos, o Flamengo também monitora a situação de Robinho. Segundo o diário "As", da Espanha, o ídolo do Peixe quer receber € 330 mil (cerca de R$ 1 milhão) mensais, livres de impostos, e € 130 mil (R$ 400 mil) de bônus para seu pai e agente, Gilvan de Souza. Uma fonte do GloboEsporte.com ligada ao Comitê de Gestão santista informou valores semelhantes. A advogada, porém, desmentiu os valores e disse que ainda não há nada certo com o Orlando.

– Não tem nada a ver isso. Nem os valores, nem a comissão. (Jogar nos) Estados Unidos é uma possibilidade entre várias. Vamos ver a melhor opção para todas as partes – disse Marisa.

A última negociação entre Santos e Robinho acabou em troca de farpas entre o então presidente do clube, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, e o atacante. Há três semanas, porém, o ídolo visitou o ex-time e até acompanhou uma partida da equipe sub-17.

Globoesporte.com

Jogos para sempre - Santos X Corinthians - Brasileirão de 2002