quinta-feira, 26 de março de 2015

Goleiro Vanderlei tem suspeita de fratura na face e é levado para hospital


Logo aos 13 minutos do segundo tempo durante a derrota do Santos para a Ponte Preta por 3 a 1, nesta quinta-feira, o goleiro do Peixe Vanderlei levou uma joelhada no rosto em uma divida com Rildo. No lance, o goleiro ficou sangrando e teve que ser substituído. Depois, ele deixou o Estádio Moisés Lucarelli de ambulância e foi encaminhado para o Hospital Municipal Mário Gatti.

O departamendo médico do clube suspeita de uma fratura na face e o camisa 1 fará uma tomografia.

O atacante da Macaca, que passou pelo Peixe no ano passado, pediu desculpas após a partida.

- Eu tentei pular, mas infelizmente é o nosso trabalho, peço desculpas para ele (Vanderlei), no momento não dá nem para explicar. Eu já pedi desculpas e desejo melhoras para ele - declarou.

O treinador do Santos, Marcelo Fernandes, criticou a atitude de Rildo, afirmando que achou a atitude imprudente.

- A respeito do Vanderlei, foi uma jogada desnecessária, ele está com suspeita de afundamento de molar, deixo pra vocês verem na televisão, a bola já estava na mão dele, perdemos um grande companheiro, agora é aguardar e rezar pra que nada de mais grave aconteça - disse.

Antes de ser substituído por Vladmir, o goleiro titular do Alvinegro lamentou o segundo gol levado na partida.

- É complicado quando acontece isso, né? Eu não estou acostumado, mas a bola ficou viva, eu acabei perdendo - concluiu.

De acordo com a programação divulgada pelo Santos antes do jogo, a delegação retorna para a Baixada Santista ainda nesta quinta-feira e se reapresenta na tarde do dia seguinte.

Lancenet

Sem Robinho, Santos perde para a Ponte e dá adeus a série invicta em 2015


O Santos perdeu para a Ponte Preta por 3 a 1 nesta quinta-feira, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, em jogo válido pela 12ª rodada do Campeonato Paulista. Com a derrota, a equipe santista perdeu também a invencibilidade na temporada e a melhor campanha do Estadual para o Corinthians.

O time da Vila Belmiro, que não era derrotado há 12 jogos – 11 pelo Paulista e um pela Copa do Brasil – agora ficou com a segunda melhor campanha da competição. O Santos permanece com 29 pontos, três a menos que o arquirrival.

O Santos não contou com a sua principal estrela – o atacante Robinho, que foi convocado por Dunga para defender a seleção brasileira nos amistosos contra França e Chile. Gabigol, que substituiu o ídolo santista, foi o autor do único gol do alvinegro praiano na partida. Biro-Biro, Bruno Silva e Rildo marcaram para a Ponte.

Apesar da derrota, o Santos, já classificado para a próxima fase, se mantém na primeira colocação do grupo D, com 29 pontos ganhos. Já a Ponte Preta permanece na vice-liderança do grupo B, com 24 pontos, cinco pontos a mais que o Audax, terceiro colocado.

Na próxima rodada, o Santos enfrenta o São Bento, domingo, às 18h30 (de Brasília), na Vila Belmiro. Já a Ponte Preta encara o XV de Piracicaba no mesmo dia e no mesmo horário, em Piracicaba.

Fases do jogo: A Ponte Preta dominou as ações do jogo desde o início. O Santos voltou a apresentar dificuldades para ligar a defesa e o ataque. O time da casa tirou proveito da deficiência santista e dominou o meio-campo, atuando com três volantes e Renato Cajá, na armação das jogadas.

Além disso, a Ponte causava muito perigo com a velocidade de seu ataque – formado por Rildo e Biro-Biro, que abriu o placar com um belo gol aos 28 minutos após lançamento de Renato Cajá. Na primeira etapa, o Santos só arriscou com dois chutes, sem perigo, de Ricardo Oliveira, e um de Gabigol, que driblou o goleiro, mas finalizou sem força.

A Ponte, por sua vez, marcou o segundo gol aos 36 minutos. O volante Bruno Silva aproveitou rebote do goleiro Vanderlei em chute de Cajá e fez o gol de dentro da pequena área.

Sem Robinho, o ataque santista ficou mais lento e menos dedicado taticamente. Gabriel Barbosa e Geuvânio demonstraram dificuldades na marcação. Os zagueiros e laterais da Ponte saíam jogando com facilidade. A dupla ainda errou muitos passes e perdeu muitas bolas no ataque. Já Ricardo Oliveira abusava foi bastante "fominha" em muitas jogadas e se precipitou em algumas finalizações.

Na segunda etapa, Gabigol diminuiu para o Santos. O goleiro da Ponte fez linda defesa em cabeçada de Ricardo Oliveira, mas a bola sobrou para Victor Ferraz, que cruzou rasteiro para o camisa 10 marcar o gol. No entanto, a equipe santista sequer conseguiu pressionar e sofreu o terceiro gol em chute de Rildo de fora da área. Sem força para reagir, o alvinegro praiano ainda perdeu o volante Valencia e o lateral Cicinho, expulsos, e deixou Campinas com a primeira derrota no ano.

O melhor: Renato Cajá – O meia teve participação direta em todos os gols da Ponte Preta e se destacou na armação das jogadas.

O pior: Geuvânio – Mais uma vez apagado. Não finalizou, não ajudou na marcação e errou muitos passes. 

Toque dos técnicos: Guto Ferreira mudou o esquema da Ponte Preta. Ele deixou o 4-2-3-1 e entrou em campo no 4-3-1-2. Com isso, a Ponte ganhou o meio-campo e ainda ficou mais veloz no ataque – formado por Rildo e Biro-Biro.

Chave do jogo: Guto Ferreira observou que o Santos é um dos poucos times do Brasil que utiliza os volantes para fazer a cobertura dos laterais no esquema 4-2-3-1. Por conta disso, o treinador liberou os seus volantes e chegou com facilidade a área do adversário pelo meio-campo.

Para lembrar:

Vingança: Rildo, que defendeu o Santos por empréstimo no ano passado e foi devolvido, demonstrou muita fome de bola no jogo. O atacante correu bastante e ainda marcou o terceiro gol da Ponte.

Muito sangue: O goleiro Vanderlei sofreu uma joelha no rosto em dividida de bola com Rildo e levou a pior. O camisa 1 do Santos sangrou bastante dentro de campo e teve que ser substituído por Vladimir.

Fominha: Ricardo Oliveira abusou das finalizações. O camisa 9 poderia tocar a bola em diversas oportunidades, mas se precipitava em chutar ao gol.

FICHA TÉCNICA
PONTE PRETA 3 X 1 SANTOS

Data: 26/03/2015, quinta-feira
Horário: 21h (horário de Brasília)
Local: Estádio Moisés Lucarelli
Árbitro: Luiz Vanderlei Martinucho
Assistentes: Gustavo Rodrigues de Oliveira e Renata Ruel Xavier de Alberto Roletto Macedo

Gols: Biro-Biro aos 28 minutos, Bruno Silva aos 36 minutos do primeiro tempo, e Rildo aos cinco minutos do segundo tempo (Ponte Preta); Gabigol aos dois minutos do segundo tempo (Santos).

Cartões amarelos: Jeferson, Fernando Bob e Rildo (Ponte Preta); Cicinho, Elano e Valencia (Santos)

Cartões vermelhos: Valencia e Cicinho (Santos)

Ponte Preta: João Carlos, Rodinei, Tiago Alves, Pablo e Jeferson; Josimar, Bruno Silva, Fernando Bob e Renato Cajá (Adrianinho); Biro-Biro e Rildo (Roni).
Técnico: Guto Ferreira

Santos: Vanderlei (Vladmir), Cicinho, Werley, David Braz e Vitor Ferraz; Valencia, Renato e Lucas Lima; Geuvânio (Thiago Ribeiro), Gabigol (Elano) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Marcelo Fernandes

Uol Esporte

Santos ignora problemas e tem maior sequência de vitórias da elite




Mesmo com problemas financeiros e atrasos, equipe engrena na temporada e já soma oito triunfos consecutivos; técnico diz que “simplicidade” explica boa fase alvinegra

Crise financeira, salários atrasados, jogadores deixando a equipe pelas portas dos fundos, contratações que geravam mais dúvidas do que certezas nas cabeças dos torcedores. O início de ano do Santos era cercado de más notícias que faziam muitos prever o pior para a temporada. Quando a bola começou a rolar, aos poucos, o time se livrou da desconfiança. Hoje, entre as equipes da elite nacional, é a que vive a maior sequência de vitórias: são oito jogos sem perder pontos.

Invicto, o Peixe empatou pela última vez contra o São Paulo, em 0 a 0, na Vila Belmiro, pela quarta rodada do Paulista – mesmo placar do confronto com o Mogi Mirim, o segundo do ano. Desde então, passou por São Bernardo, Portuguesa, Linense, Botafogo, Palmeiras, Maríla, Londrina (na Copa do Brasil) e Audax.

Entre os rivais da Série A do Brasileiro, o que mais se aproxima é o Flamengo, que nesta quarta-feira bateu o Bangu e chegou à sétima vitória consecutiva.

Para manter a sequência, o Santos terá que vencer a Ponte Preta, em Campinas, na noite desta quinta-feira – será apenas o terceiro adversário da primeira divisão nacional da equipe neste ano. O técnico Marcelo Fernandes, no comando alvinegro em cinco desses triunfos, espera dificuldades no duelo do Moisés Lucarelli.

– A Ponte Preta é um adversário dificílimo, lutando por vaga, e vai querer vir para cima do Santos – disse o treinador santista.

Os problemas fora de campo, porém, não terminaram. A diretoria admite que ainda deve direitos de imagem aos atletas. No momento de maior turbulência até aqui, Fernandes foi promovido à função atual após a demissão de Enderson Moreira, que teve problemas com o elenco. Nada que atrapalhasse o rendimento do time.

– A simplicidade é tudo. O que nós combinamos para os jogos está sendo executado. Os jogadores fizeram tudo muito bem feito até agora. O grupo está fechado, unido. Somos (comissão técnica) só combustível para eles chegarem ainda mais longe no campeonato.

Contra a Macaca, Fernandes não poderá contar com seu principal jogador. Robinho, na seleção brasileira, deve ser substituído por Gabriel. Valencia, que cumpriu suspensão contra o Audax, volta ao time.

Globoesporte.com

Sem pretensão, Marcelo fica a uma vitória de chegar a marca histórica

Caso o Santos vença a Ponte Preta, técnico chegará a sexta vitória seguida desde seu início, igualando feito conseguido apenas em 1938 na história do Santos

Um técnico começar o trabalho com cinco vitórias seguidas é algo raro, mas tinha acontecido três vezes nos 102 anos de história do Santos. Nomes históricos como Flávio Costa, Bilu, Carlos Gainete e Emerson Leão conseguiram. E coube a um novato ser o quinto desta lista: Marcelo Fernandes.

Nesta quinta-feira, às 21h, contra a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli, Fernandes pode igualar um feito conseguido quando não estava nem perto de nascer.

Em 1938, Flávio Costa conseguiu comandar o time em seis triunfos seguidos. Agora, o recorde pode ser igualado pelo atual comandante santista. Mas para isso, o time precisa fazer o que o treinador considera ser o mais importante para a equipe.

– Não é prioridade para mim essas coisas de marca. Isso fica para vocês da imprensa. Se acontecer, vou ficar feliz, mas estou pensando no time primeiro. Eu quero que o time ganhe, isso é mais importante e depois jogar bem, claro. Se puder ganhar dez, vou querer, mas priorizo o time jogando bem e ganhando – disse Marcelo Fernandes ao LANCE!.

Falando em coletividade, o Peixe mantém uma sequência de vitórias que dura oito partidas, sendo que em 2015 os jogadores ainda não perderam nenhuma vez. E nem querem.

Por mais que o treinador tente dispensar os números, eles o perseguem até na tabela do Paulistão. Antes dono da melhor campanha do Estadual, agora o Peixe está empatado com o Corinthians, com 29 pontos. O que diferencia os alvinegros, é justamente um número, o saldo de gols, com dois a mais a favor do Peixe.

Mesmo com a perseguição da favorável matemática, Marcelo prefere confiar onde ele sempre soube trabalhar: na bola e no campo.

Confira o bate-bola com Marcelo Fernandes:

O grande adversário do Santos no Paulistão é o Corinthians?

Temos o São Paulo e o Palmeiras no encalço, não podemos dar brecha. Teoricamente seria com o Corinthians porque vamos pegá-los, mas tem vários times chegando. O Corinthians nos preocupa, mas não podemos dar brecha para os adversários. Nenhum deles.

Como justifica o sucesso do time para essa sequência?

A simplicidade é tudo. O que combinamos nos jogos está sendo executado. TIvemos um estudo profundo sobre eles e eles se portaram de forma muito bem feita. O grupo está fechado e unido.

Te preocupa jogar sem o Robinho? Tem pressa?

Não pensei nisso ainda, penso no jogo a jogo, temos a Ponte Preta, que é um adversário difícil e é muito nem treinada pelo Guto Ferreira. Depois tem São bento e aí temos uma semana cheia para pensar no Corinthians. Vamos com calma.

Lancenet

quarta-feira, 25 de março de 2015

Santos e Atlético-MG discutem troca de Thiago Ribeiro por Pierre


Depois de tentar trocar o atacante Thiago Ribeiro por Walter, do Fluminense, o Santos pensa em envolver o jogador em uma outra transação. O Peixe discute com o Atlético-MG a possibilidade de liberar o camisa 11 e receber o volante Pierre como contrapartida. As conversas são iniciais, mas ambos os clubes demonstram interesse na operação.

O Santos quer se livrar de Thiago Ribeiro, de 29 anos, por conta de seu alto salário. Ele recebe cerca de R$ 280 mil por mês atualmente e vem ficando na reserva. Já Pierre, de 33 anos, que não vinha jogando por dores na coxa e já não é mais unanimidade no clube mineiro, seria importante na Vila Belmiro, já que o Peixe perdeu Arouca no começo da temporada, e Alison se machucou no início do ano e só retorna daqui a cerca de seis meses.

O Galo pensa em inscrever Thiago Ribeiro já na segunda fase da Libertadores, caso se classifique, e por isso quer agilidade nas tratativas. A diretoria atleticana também não se importa em liberar Pierre imediatamente.

As partes ainda não discutiram, porém, como será a transação. Ela pode ocorrer somente por empréstimo ou até mesmo em definitivo, com ou sem compensação financeira. Tudo isso será debatido em reuniões previstas para os próximos dias.

No início, o Santos cogitava incluir o meia Dátolo na operação, mas o argentino renovou seu contrato com o Atlético-MG na última terça-feira. Não está descartada também a possibilidade de envolver o meia Giovanni Augusto, que está em litígio com o Galo, no negócio.

Thiago Ribeiro foi contratado pelo Santos em 2013, logo após a saída de Neymar, por cerca de R$ 9 milhões, do Cagliari (ITA), tendo firmado contrato até 2017. 

Lancenet

Santos apresenta propostas e pode ter Ricardo Oliveira até 2017



Clube apresenta duas opções em conversa com agente do atacante que preveem aumento considerável de salários e premiações por metas alcançadas.

O Santos fez duas propostas para estender o vínculo do atacante Ricardo Oliveira, 34, que termina em maio. Ambas preveem substanciais aumentos de salário e premiações por produtividade. A reunião com o agente Luiz Taveira, realizada na manhã desta quarta-feira, no CT Rei Pelé, foi a primeira para tratar do assunto, mas a expectativa é de acerto rápido.

A diretoria propôs um salário de R$ 80 mil fixos, mais bônus que podem fazer esse valor saltar para R$ 150 mil por mês, até o final desta temporada. A segunda opção é de R$ 150 mil, mais até R$ 100 mil por metas, com contrato até o final de 2017.

Há grande otimismo no clube para que a situação se resolva nos próximos dias. Ricardo Oliveira é o artilheiro da equipe no ano, com cinco gols marcados. Ele retornou à Vila Belmiro em janeiro e aceitou um acerto curto, de cinco meses, e um salário bem abaixo do mercado, cerca de R$ 50 mil.

– Conversei com ele ontem (terça-feira), ele está muito contente, muito feliz no Santos. A vontade de ficar é imensa. O Ricardo está com a cabeça voltada para o clube – disse o técnico Marcelo Fernandes.

Ricardo Oliveira será titular do Peixe nesta quinta-feira, quando o time vai a Campinas enfrentar a Ponte Preta no Moisés Lucarelli, às 21h, pela 12ª rodada do Paulista. O time é o líder geral da competição, com 29 pontos – à frente do Corinthians por ter melhor saldo de gols, 17 a 15.

Globoesporte.com

Fernandes mantém dúvida, mas indica Gabriel na vaga de Robinho


Técnico diz que ainda não definiu substituto do camisa 7 contra a Ponte Preta, nesta quinta, mas colocou Thiago Ribeiro, outro candidato, em atividade com reservas

O técnico Marcelo Fernandes manteve a dúvida sobre quem irá substituir Robinho no ataque do Santos na partida desta quinta-feira, contra a Ponte Preta, em Campinas, pela 12ª rodada do Campeonato Paulista. Gabriel e Thiago Ribeiro são os candidatos a formarem o setor ofensivo ao lado de Ricardo Oliveira e Geuvânio.

Fernandes deu poucas pistas durante o treino. O trabalho começou às 16h, mas só foi aberto à imprensa 25 minutos depois, quando os jogadores já disputavam um recreativo no CT Rei Pelé.

No fim da atividade, porém, o treinador reuniu os reservas para um exercício em campo reduzido. Entre eles, estava Thiago Ribeiro – Gabriel, junto dos titulares, se recolheu para o hotel dos atletas.

– A gente trabalhou as duas formações e vamos pensar nisso até amanhã, na hora do jogo – disse Fernandes, que não tem outras dúvidas para a partida no Moisés Lucarelli, às 21h.

Valencia, que estava suspenso e não atuou na vitória sobre o Audax, no último sábado, volta para a equipe. O restante do time não terá novidades.

É provável que o Peixe enfrente a Ponte Preta com Vanderlei, Cicinho, David Braz, Werley e Victor Ferraz; Valencia, Renato e Lucas Lima; Geuvânio, Gabriel (Thiago Ribeiro) e Ricardo Oliveira.

O Santos é líder do Grupo 4 e já garantiu não só a classificação para o mata-mata, como também a primeira posição da chave – tem 29 pontos conquistados. A Macaca ainda briga por uma vaga no Grupo 2: está na segunda posição, com 21 pontos, cinco à frente do Audax.

Globoesporte.com

"Nascido" no futsal, Robinho apoia movimento liderado por Falcão


Craque do Santos, que atuou nas quadras por dez anos, sai em defesa do craque do salão, que comanda grupo de atletas contra dirigentes da Confederação Brasileira

O futsal vive um momento de tensão política. Maior ícone da história da modalidade, Falcão lidera o movimento dos principais jogadores da seleção brasileira contra a atual gestão da Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS). Depois do pentacampeão Kaká manifestar seu apoio pela manhã, esta noite foi a vez de Robinho divulgar um vídeo na internet em prol de Falcão. 


No vídeo, o jogador da seleção brasileira se mostrou disposto a ajudar o craque do futsal:

- Futsal foi muito importante na minha vida, comecei no futsal, tenho muito orgulho disso e apoio qualquer projeto do futebol de salão, valeu? Tamo junto Falcão, futebol de salão, moleque. Conta comigo! - disse.


ENTENDA O CASO

Atual presidente da CBFS, Renan Tavares poderia ocupar o cargo até o fim de 2017, quando se encerraria o mandato de Aécio de Borba Vasconcelos, destituído no ano passado. A antecipação das eleições para a próxima terça-feira, dia 31 de março, se dá pelo fato de a entidade estar incapacitada de negociar patrocínios com empresas estatais, por conta da reprovação do balanço referente ao período entre novembro de 2012 e dezembro de 2013. Devido às dificuldades financeiras, a CBFS desistiu de organizar a Copa América, que aconteceria esta semana, em São Bernardo do Campo (SP).

Patrocinador master da seleção até o fim de 2013, os Correios não renovaram a parceria após a reprovação do balanço, já que a lei brasileira não permite que estatais patrocinem confederações esportivas que não estejam em dia com as suas contas. O máximo que a entidade conseguiu no ano passado foi fechar patrocínios pontuais para os compromissos da seleção. Assim foi no amistoso contra a Argentina no Mané Garrincha, em setembro, e no Grand Prix de Futsal, em novembro. Em ambas as ocasiões, os Correios estamparam sua marca na camisa brasileira, assinando contrato como patrocinador dos dois eventos.

Desde que assumiu o cargo, Renan tentou, de várias maneiras, aprovar o balanço reprovado. Em agosto do ano passado, a CBFS realizou nova assembleia que decidiu voltar atrás na decisão anterior e aprovar as contas referentes ao período entre novembro de 2012 e dezembro de 2013. No entanto, a reunião não contou com representantes das federações opositoras, o que fez com que o caso fosse parar na Justiça. 

No mesmo mês de agosto, o juiz da 7ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza, Fernando Luiz Pinheiro Barros, concedeu liminar anulando a aprovação do balanço. Em dezembro, a CBFS conseguiu anular a liminar na 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, ficando apta a voltar a negociar com patrocínios. A alegria, no entanto, durou pouco tempo, já que a oposição contestou a validade da liminar, o mérito voltou a ser julgado e o balanço foi definitivamente reprovado pela Justiça. 

Globoesporte.com

Santos já faz as contas para receber 'bolada' em venda de Danilo ao Real



Em crise financeira e devendo até direitos de imagem ao elenco, o Santos está ansioso para que o lateral-direito Danilo, campeão da Copa Libertadores da América pelo clube paulista em 2011, concretize a sua transferência para o Real Madrid, da Espanha.

Os dirigentes santistas já fazem as contas, pois o clube pode ganhar uma "bolada" na transação. O Santos vendeu Danilo ao Porto, de Portugal, em 2012, e ficou acordado entre as partes, que o alvinegro praiano teria direito a receber 10% de uma futura negociação.

Como o Real Madrid deve pagar entre 20 e 30 milhões de euros [cerca de R$ 70 e R$ 100 milhões], o Santos acredita que pode lucrar cerca de R$ 10 milhões com a transferência de Danilo.

Caso o negócio entre Porto e Real seja fechado por 30 milhões de euros, o Santos pode receber mais do que R$ 10 milhões, já que ainda terá direito a outra porcentagem por ser clube formador do lateral por um período. O clube paulista teria que dividir 5% com o América-MG.

Apesar de Danilo não ter sido revelado nas categorias de base do Santos, o clube paulista tem direito por ter o jogador no seu elenco antes dos 21 anos de idade.

O Porto pagou 13 milhões de euros pelo jogador e ainda aceitou recebê-lo após a disputa do Mundial de Clubes da Fifa de 2011. Por conta disso, o lateral só se apresentou ao clube português no ano seguinte.

Os grandes jornais locais da Espanha, como Marca e AS, já dão como concretizada a transferência de Danilo ao Real Madrid.

O lateral, que foi convocado e está confirmado como titular da seleção brasileira no amistoso em Paris nesta quinta-feira às 17h (de Brasília) diante da França, foi "bombardeado" pelos espanhóis em entrevista coletiva nesta semana. No entanto, ex-santista se esquivou de todas as perguntas.

"Eu só penso na seleção. Meu foco são os amistosos e nesse momento não vou falar de futuro", disse. O tema ainda foi insistido pelos jornalistas, mas o lateral do Porto-POR sempre dava um jeito de fugir do assunto.

"Não quero falar sobre futuro, só depois do fim da temporada. Foco na seleção e no Porto", insistiu.

Uol Esporte

terça-feira, 24 de março de 2015

Laor defende venda de Neymar e revela motivos do 'apagão' no Mundial em 2011


Após um longo tempo sem se pronunciar, e recuperado de problemas de saúde, Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, ex-presidente do Santos, foi o convidado do programa Fox Sports Rádio.

O mandatário defendeu sua gestão à frente do clube após um 'suicidio' por ter assumido a presidência, e falou da negociação de Neymar, gestão de Odilio Rodrigues, Mundial de 2011, entre outros muitos assuntos.

Negociação por Neymar

O ex-presidente voltou a mostrar chateação com a maneira que a negociação foi tomada entre pai de Neymar e o Barcelona, mas, defendeu a venda por 17 milhões de euros, já que "o Santos não ganharia nada". 

"Me senti traído. Fiquei muito aborrecido", disse sobre o valor que o pai de Neymar teria recebido por antecipação. "Ele não estava feliz. Eu o chamei e perguntei se queria sair. Não ia renovar só para o clube lucrar. Nós o vendemos quando poderíamos perdê-lo de graça. Não me arrependo", complementa.

Mundial em 2011

Para Laor, a derrota por 4x0 na final do Mundial de Clubes em 2011 foi um 'acidente', acentuado pela escalação do treinador Muricy Ramalho e o deslumbramento dos atletas santistas diante das estrelas do Barça.

"Nosso treinador, muito bem pago, conceituado, escalou um time diferente que julgou melhor. E o Santos se encantou pelo Barcelona, não jogou. Foi uma fatalidade", resume.

Arrependimento?

Luis Álvaro acredita que ter se tornado presidente foi um 'suicidio', mas 'as alegrias foram tamanhas'. Se está arrependido? "Não. Apenas por um um motivo. O título da Libertadores após 48 anos. Nunca vou esquecer aquela noite no Pacaembu", lembra.

Gestão de Odilio

Laor defendeu sua gestão à frente do Santos, com 'seis títulos e nenhum salário atrasado', defendeu Odilio Rodrigues, que assumiu o clube após sua saída por problemas de saúde, mas expôs os motivos para o Peixe entrar em crise.

"Contratações erradas, como a do menino revelado no São Paulo e que estava no Grêmio (Willian José). Antecipação de receitas, falta de poder do presidente, as decisões se tornaram muito burocráticas", analisa.

Felipe Anderson

O ex-meia do Santos brilha no futebol italiano, vestindo a camisa da Lazio. Para Laor, a negociação feita em 2012, por R$ 23 milhões, foi boa, já que o "garoto de excelente potencial" sofria com as críticas de Muricy Ramalho.

"O Felipe Anderson brilhava e depois sumia. O Muricy se irritava muito com os apagões dele. Por isso, a vontade do jogador de ser negociado foi levada em consideração", aponta o ex-dirigente.

Geuvânio 

Ribeiro revelou que o Santos queria rescindir com Geuvânio para economizar R$ 3 mil por mês, mais gastos de concentração e alimentação: "Rasguei e renovei o contrato dele por R$ 9 mil. Havia visto seu futebol, e gostei, achei que ele seria importante no elenco. Acertei", comemora.

A Tribuna On Line

Santos adia reunião, mas prevê acerto rápido para manter Ricardo Oliveira

Encontro para tratar sobre a renovação do atacante, que aconteceria nesta terça, passou para quarta; Modesto diz também que pretende estender vínculo de Elano

Marcada para esta terça-feira, a reunião que iniciaria as conversas para a renovação de contrato do atacante Ricardo Oliveira com o Santos foi adiada para esta quarta. A expectativa do presidente Modesto Roma Júnior, entretanto, é de que um acerto deve ser alcançado rapidamente, já que é desejo das duas partes estender o vínculo.

– A única conversa que tive com o Taveira (Luiz Taveira, agente de Ricardo Oliveira) foi: "Vamos deixar para amanhã". Nós vamos chegar a um acordo, com certeza. Todo mundo sabe que não temos dinheiro para fazer loucura e que temos de administrar o clube com os pés no chão – disse o cartola durante entrevista coletiva na Vila Belmiro. Segundo Modesto, um pequeno acidente de trânsito e o falecimento de um parente do empresário impediram a reunião.

Contratado no início do ano, o veterano atacante aceitou um contrato curto, até o final do Paulista, e com salários abaixo da média do mercado – cerca de R$ 50 mil – como uma espécie de teste. Após boas apresentações no estadual, convenceu.

O Santos ainda não fez proposta, mas pensa em oferecer R$ 150 mil mensais, além de bônus por produtividade, por um acerto até o final de 2016.

– Acredito que se não fecharmos amanhã (quarta), e acredito até que não vamos fechar amanhã, porque vai ter proposta, contra proposta, fecha em poucos dias. Acho que é mais ou menos assim que a banda toca – completou o dirigente.

Modesto também comentou sobre a extensão do contrato do meia Elano, que vive situação semelhante à do colega de ataque.

– Estamos trabalhando, porque interessa mantê-los, sim. Estamos com um grupo muito bom e queremos segurá-los pelo menos até o fim do ano ou por dois anos – afirmou.

Globoesporte.com

Santos e advogada de Robinho intensificam conversas por renovação


Vontade do clube e do jogador é fazer um novo contrato ou prorrogar o empréstimo atual, que termina no dia 30 de junho; Milan ainda não responde às novas investidas

Não é só a torcida do Santos que deseja a permanência de Robinho na Vila Belmiro após 30 de junho, quando termina o empréstimo do atacante. A diretoria alvinegra e o jogador também querem convencer o Milan, da Itália, a liberá-lo por mais tempo. 

Em busca de uma solução, o Peixe e a advogada do camisa 7, Marisa Alija, intensificaram conversas recentemente.

Nesta segunda-feira, Dagoberto Santos, diretor-executivo do Alvinegro, se reuniu com Marisa. No encontro, ela deixou claro, novamente, o desejo de seu cliente de permanecer no clube, mas também expôs a vontade de definir logo a situação para saber qual será o futuro de Robinho.

O Santos não tem condições financeiras de, no momento, pagar para ter o atacante após o fim do vinculo atual. O presidente Modesto Roma Júnior disse, no último mês, que está disposto a ceder porcentagem de garotos da base para convencer o Milan a liberar o ídolo santista.

Outra opção que o Peixe discute dar aos italianos é prorrogar o empréstimo por mais um ano. Isso, porém, deixaria Robinho livre após o término do vínculo com o Alvinegro, que se encerraria junto com o contrato com o Milan, em junho de 2016.

O time da Itália ainda não respondeu às novas investidas do Santos neste início da temporada. Também não há um novo encontro marcado entre o Peixe e a advogada de Robinho, mas novas conversas devem acontecer nos próximos dias.

Em 2015, o atacante tem sido o principal destaque do Peixe. Com nove jogos e cinco gols, é muito elogiado pelos companheiros pelo papel dentro e fora de campo.

Globoesporte.com

Jogos para sempre - Santos X Corinthians - Brasileirão de 2002