domingo, 26 de abril de 2015

Robinho poderia ter jogado, mas foi poupado para volta na Vila, diz técnico


Capitão e grande estrela do Santos, Robinho não entrou em campo neste domingo por conta de uma lesão muscular. Depois da derrota por 1 a 0 para o Palmeiras no primeiro jogo da final do Campeonato Paulista, porém, o técnico Marcelo Fernandes revelou que ele poderia ter jogado.

"Os quatro titulares que ficaram fora hoje [domingo] têm uma possibilidade enorme de voltarem para o time na semana que vem. Gustavo [Henrique] e Robinho teriam condições de jogar, mas preferimos deixá-los inteiro para a final", revelou Marcelo Fernandes.

Robinho foi um dos suspenses que antecederam a primeira partida da final. Durante a semana, o Santos chegou a tentar esconder a lesão do jogador, que fez trabalhos especiais e não estaria 100% caso entrasse em campo neste domingo.

A decisão de poupá-lo, admite Fernandes, foi arriscada. Sem Robinho, o Santos perdeu poder de criação e se tornou uma presa mais fácil para o Palmeiras, que por pouco não venceu o jogo em casa com uma vantagem maior. Com o 1 a 0 no placar, porém, o comandante alvinegro comemorou a decisão.

"O planejamento feito foi muito bom. Imagina o Robinho ter jogado 30 minutos, saindo contundido e ficando fora do outro jogo. Era outro 'se' também. Acho que foi bem planejado, se preservou. Corremos um risco, mas um risco calculado", disse Fernandes. 
Ampliar

Uol Esporte

Santistas apostam na força da Vila para reverter vantagem palmeirense


Jogadores como Lucas Lima e David Braz afirmam que Peixe tem total condição de vencer o Palmeiras em casa e ficar com o título paulista

Os santistas evidentemente não comemoram a derrota por 1 a 0 para o Palmeiras, na primeira partida da final do Campeonato Paulista, neste domingo, em São Paulo. Mas as lamentações pelo placar foram contidas, graças às circunstâncias do jogo. O time alvinegro terminou com um jogador a menos e com um pênalti contra, que Dudu desperdiçou no segundo tempo. O atletas do Peixe agora se apegam à força da equipe na Vila Belmiro para virar o confronto e levantar a taça do estadual.

Em casa, nesta temporada, o Santos entrou em campo sete vezes e venceu cinco. A última derrota no local foi pra o Cruzeiro, por 1 a 0, em novembro, pelo Brasileiro. Diante de sua torcida venceu o São Paulo, na semifinal, e bateu o Palmeiras por 2 a 1 na primeira fase – placar que, se repetido no próximo domingo, leva a definição para as penalidades.

– Resistimos. Sabíamos que se tomássemos o segundo gol seria difícil. Está todo mundo de parabéns. A torcida também, pela festa que fez. Sabemos da força que temos em casa. Eles estão com a vantagem de um gol, mas temos uma semana para corrigir e ir com tudo no fim de semana – afirmou o meia Lucas Lima, um dos melhores em campo.

David Braz também demonstrou confiança em reverter a vantagem alviverde na partida decisiva. Ele aproveitou para convocar os santistas a lotarem a Vila.

– Não podemos ficar chateados com a derrota. Lutamos até o final, só defendemos mais depois de ficar com um jogador a menos. Já quero deixar o recado para a torcida de que pode confiar, venceremos esse titulo semana que vem.

Ao contrário do Palmeiras, que vai ao Maranhão enfrentar o Sampaio Corrêa pela Copa do Brasil na quarta-feira, o Santos terá a semana livre para se preparar para a jogo de domingo.

Globoesporte.com

Juiz admitiu que errou ao marcar o pênalti, diz presidente do Santos

Modesto Roma, presidente do Santos, disse que o árbitro admitiu que errou ao marcar o pênalti para o Palmeiras no segundo tempo. Segundo o cartola, Vinicius Furlan fez a confissão em uma conversa com o goleiro Vladimir, que repassou a informação à direção alvinegra após a derrota por 1 a 0 no Allianz Parque.

"O árbitro admitiu o erro no pênalti para o Vladimir. Errar é humano, mas o árbitro hoje não foi feliz. Ele foi na onda do bandeira", disse Modesto Roma.

O lance ocorreu no segundo tempo, quando Leandro Pereira arrancou do meio-campo em direção ao gol santista. Paulo Ricardo, que estava na marcação, puxou a camisa do atacante desde a intermediária, mas o palmeirense só caiu dentro da área.

Além de marcar o pênalti, Furlan ainda expulsou o zagueiro do Santos de forma confusa. Em um primeiro momento, o juiz exibiu o vermelho para David Braz, que não tinha participado do lance. Alertado pelos jogadores, porém, ele corrigiu o erro e mostrou a advertência para Paulo Ricardo. Na cobrança, porém, Dudu desperdiçou. 

"Como já diz o ditado, pênalti mal marcado não entra. Nós vamos reverter e o Santos será campeão", disse Modesto Roma. 

Uol Esporte

Considerações primeiro jogo !




1 x 0 para as Peppa acabou? Não... de maneira alguma, somos muito fortes na Vila e o Santos é o time da Virada.

Não fizemos uma grande partida ofensivamente, mas fizemos uma grande partida defensivamente, praticamente jogamos o segundo tempo inteiro com 1 a menos e os porcoss não fizeram nada... Lucas Lima jogou demais, ajudando na defesa e cadenciando o jogo e David Braz firme na defesa.

Os meninos: Infelizmente os meninos da base sentiram... Paulo Ricardo começou bem demais, seguro, mas com penalti e expulsão complicou o time, Lucas Otávio (batatinha) não entrou no jogo, não marcou, não desarmou e não saiu para ataque, Geuvanio foi discreto.

Desfalque: as ausências fizeram muita falta, não somente do genio Robinho, mas Werley, Valência também fizeram muito falta.

Enfim... o Deuses dos mares ajudaram o Peixe, o mala Dudu mandou na Lua a cobrança de penalti e estamos mais vivos do que nunca! A decisão é no caldeirão

Vamos pra cima fazer uma feijuca Domingo!

#VAIPRACIMADELESSANTOS

Opinião: Naldo

Dudu perde pênalti, mas Palmeiras bate Santos e abre vantagem na final



O Palmeiras saiu na frente na busca pelo título do Paulistão. Com gol de Leandro Pereira, o time de Oswaldo de Oliveira venceu o Santos por 1 a 0 na tarde deste domingo (26), no Allianz Parque. Com recorde de público, o estádio ainda poderia ter visto o placar aumentar, mas Dudu desperdiçou cobrança de pênalti no segundo tempo. Por causa da infração, aliás, os santistas jogaram por 30 minutos com um a menos, com o zagueiro Paulo expulso. Não foi à toa que os visitantes deixaram o palco do jogo comemorando.

Sem Valdivia e Robinho (o santista), que não ficaram nem no banco por causa de lesão, o jogo foi burocrático, com o Santos marcando a saída de bola palmeirense apenas no meio-campo, permitindo que os zagueiros alviverdes ficassem mais com a bola. A válvula de escape, como sempre, foi Dudu, que aproveitou muito os espaços dados na lateral para infernizar a vida do rival. Do lado santista, a melhor jogada tinha Geuvânio partindo para cima de Zé Roberto. 

A taça conhece seu dono em 2015 no próximo domingo, na Vila Belmiro, também a partir das 16h. Vale destacar que o Santos não terá a vantagem do empate no placar agregado por ter sido o melhor time do campeonato na primeira fase. 

Fases do jogo: A partida começou amarrada, com o Santos atuando mais para não perder do que para buscar um gol. A marcação dos visitantes, aliás, começava apenas no meio-campo. Forçado por causa da lesão de Arouca, Oswaldo acabou colocando o time mais para frente com a entrada de Cleiton Xavier e deu certo. O camisa 8 deu um belíssimo passe pela direita, achou Lucas, que cruzou no pé de Leandro Pereira. Ele só desviou e abriu o placar. No fim da etapa inicial, o Palmeiras ainda chegou mais duas vezes com perigo. Em uma delas, Rafael Marques foi travado e reclamou de pênalti.

Na volta para o segundo tempo, os times voltaram sem seus treinadores, expulsos. Logo aos 10 minutos, Oswaldo viu, da arquibancada, Leandro Pereira sofrer pênalti em falta de Paulo, que foi expulso. Na batida, no entanto, Dudu acertou o travessão de Vladimir. O Santos se animou com o erro e passou a ir para cima do adversário, sempre na bola aérea. Victor Ramos e Vitor Hugo, no entanto, conseguiam segurar a pressão.

A alternativa palmeirense foi a entrada de Gabriel Jesus e Kelvin, nos lugares de Leandro e Robinho. O Palmeiras passou a aproveitar melhor o fato de ter um jogador a mais, mas não conseguiu converter isso em gols, para o desespero de seu torcedor. 

O melhor: Cleiton Xavier. Assim como já havia sido contra o Corinthians, o meio-campista mudou o jogo com a sua entrada. Foi ele que iniciou a jogada que deu o gol da vitória ao Palmeiras. Leandro Pereira, com um gol e um pênalti sofrido, também merece destaque.

O pior: Ricardo Oliveira. O atacante santista quase não apareceu no jogo. Geuvânio era a grande esperança de gols santistas. 

Para lembrar:
Expulsos! Palmeiras e Santos voltaram para o segundo tempo sem seus treinadores na beira do gramado. Oswaldo de Oliveira arranjou um espaço na arquibancada, mas ficou à frente dos torcedores palmeirenses, atrapalhando a visão do jogo. Após reclamações, o comandante foi para outro lugar sem atrapalhar os seus apoiadores.

Valdivia e Robinho só desfilaram. Os dois chegaram ao estádio e passaram apenas pela zona mista, com os trajes de um jogador comum. Depois de entrar no vestiário, no entanto, ambos foram cortados e nem foram ao campo. 

Que confusão, juizão! Vinicius Furlan marcou o pênalti de Paulo em cima de Leandro Pereira no segundo tempo. Ao correr para expulsar, ele deu para David Braz, que ficou enlouquecido. Depois, ele corrigiu o erro. 

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 1 X 0 SANTOS

Data: 26 de abril de 2015, domingo
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Público pagante: 39.479
Renda bruta:R$ 4.181.281,25
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Vinicius Vinicius Furlan
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Junior e Anderson Jose de Moraes Coelho
Cartões amarelos: Cleiton Xavier, Vitor Hugo, Gabriel e Victor Ramos (PAL); Lucas Lima (SAN)
Cartão vermelho: David Braz (SAN)
Gol: Leandro Pereira, aos 29 minutos do 1º tempo

PALMEIRAS: Prass; Lucas, Victor Ramos, Vitor Hugo e Zé Roberto; Arouca (Cleiton Xavier) e Gabriel; Dudu, Robinho (Kelvin) e Rafael Marques; Leandro Pereira.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

SANTOS: Vladimir, Victor Ferraz (Jubal), Paulo Ricardo, David Braz e Cicinho; Lucas Otávio, Renato, Chiquinho e Lucas Lima; Geuvânio (Gabriel) e Ricardo Oliveira (Leandrinho)
Técnico: Marcelo Fernandes

Uol Esporte

Santos superou racha entre jovens e experientes para chegar à final



Assim que tomou posse, a atual diretoria do Santos confirmou antigas informações e constatou que precisava “reformar” o vestiário para acabar com uma rachadura no elenco. Parte considerável dos jogadores mais velhos do time não interagia com os mais jovens. Os novatos ficavam sufocados e o distanciamento prejudicava a equipe, de acordo com a análise dos cartolas.

Como um dos veteranos mais distantes dos garotos foi apontado Edu Dracena, justamente o capitão, o cara que sentava com a diretoria para discutir premiações, por exemplo. Leandro Damião, Aranha e Arouca também foram avaliados como integrantes do grupo que pouco se relacionava com a maioria dos Meninos da Vila.

Os comentários sobre o racha duraram por quase toda a temporada passada, mas tanto veteranos como novatos sempre negaram o problema.

A diferença abissal entre os salários dos mais rodados e dos jovens também era maléfica para a equipe, concluíram os novos diretores. Incomodava os dirigentes, ainda, o fato de ver jogadores ricos se queixarem dos atrasos nos pagamentos, enquanto os moleques em busca de fortuna aguentavam o tranco calados.

Com o diagnóstico em mãos, os cartolas decidiram que precisavam facilitar a saída de alguns veteranos. Além de colaborar para a reunificação, a medida daria algum fôlego financeiro ao clube.

Mas a diretoria acabou precisando fazer pouca força para a saída de boa parte dos veteranos. O primeiro a partir foi Damião, emprestado ao Cruzeiro em dezembro do ano passado, pouco depois de Modesto Roma Júnior ser eleito presidente do Santos, mas antes de ele tomar posse, em janeiro.

No começo de 2015, Dracena, desafeto do ex-lateral Léo, que passou a estagiar no departamento de futebol do clube, fez um acordo negociando os valores atrasados que tinha a receber e se transferiu para o Corinthians. Aranha e Arouca acionaram a Justiça por conta das dívidas, mas retiraram as ações, entraram em acordo com o clube e rumaram o Palmeiras.

Como parte do processo de reunificação do vestiário, a direção alvinegra resgatou Elano. A aposta era de que, além de suas funções em campo, ele abraçaria os mais novos. A missão foi dividida com Renato e Robinho, que já estavam no elenco e não faziam parte do grupo que pouco convivia com os jovens.

Quando a correção de rota parecia ter sido feita, outra turbulência provocou sérias rachaduras no Santos. O treinador Enderson Moreira fez críticas aos Meninos da Vila e passou a enfrentar um processo de fritura.

Um dos criticados foi Gabriel. Depois de um treino em que foi ríspido com alguns atletas, o técnico entrou em acordo com a diretoria e deixou o clube. Porém, treinador e direção negaram que o problema era o relacionamento dele com os jovens.

De novo, a falta de dinheiro colaborou. Para não gastar uma fortuna com um substituto, a cúpula santista optou por efetivar o auxiliar Marcelo Fernandes no cargo. Serginho Chulapa ganhou espaço como um ativo assistente.

Na opinião dos cartolas, a dupla ajudou na união do elenco por conhecer bem o clube e ter identificação tanto com veteranos como com novatos.

Funcionou, mas de repente a luz amarela piscou de novo. Dirigentes temeram que Edinho, filho de Pelé e que também estava na comissão técnica, pudesse ter ficado descontente por não ter sido o escolhido para treinar o time. Avaliaram que o diálogo entre ele e Fernandes não era como desejavam. No momento em que coçavam a cabeça, Rivaldo apareceu, levando Edinho para treinar o Mogi Mirim. E o Santos seguiu seu caminho até a final do Paulista.

Uol Esporte

Na Memória: Santos chega à final invicto há oito jogos contra o Palmeiras


Última vitória palmeirense sobre o Peixe foi há três anos. Na primeira fase do Campeonato Paulista, na Vila, torcida santista vibrou com vitória de virada por 2 a 1
Se depender do retrospecto recente, o Santos chega à final do Campeonato Paulista contra o Palmeiras como favorito. Afinal há oito jogos entre ambos que o Alviverde não sabe o que é vencer o Peixe. A última vitória palmeirense ocorreu em fevereiro de 2012, um 2 a 1 em Presidente Prudente pelo Campeonato Paulista.

Desde então os santistas comemoraram seis vitórias e assistiram a dois empates, sendo que um deles terminou com vitória alvinegra nos pênaltis. Neste período Neymar representou um pesadelo para o torcedor do Palmeiras. O quadro "É Gol!!! na Memória", do programa "É Gol!!!" relembra algumas das vitórias do Santos neste período. 

O tormento palmeirense começa no Campeonato Brasileiro de 2012. Nos dois turnos Palmeiras foi derrotado de virada pelo Santos. Primeiro no Pacaembu por 2 a 1, com dois de Neymar, e depois na Vila Belmiro por 3 a 1. O atual craque do Barcelona fez mais dois gols no segundo jogo. 

No ano seguinte os rivais disputaram, na Vila Belmiro, uma vaga nas semifinais do Campeonato Paulista. No tempo normal empate em 1 a 1, o que forçou uma disputa por pênaltis. Para azar dos palmeirenses, Leandro e Kléber perderam as suas cobranças e o Santos venceu por 4 a 2. 

Como o Palmeiras estava na Série B em 2013, só reencontrou o Santos no Paulistão do ano seguinte. Na Vila Belmiro mais uma vitória do Peixe, agora por 2 a 1. Os gols foram de Neto e Thiago Ribeiro. Em 2014 foram mais dois jogos pela Série A do Campeonato Brasileiro, e o Peixe levou a melhor por 2 a 0 em Santos e por 3 a 1 no Pacaembu. 

O último confronto entre os rivais foi na primeira fase do Paulistão deste ano. Na Vila Belmiro o Santos venceu por 2 a 1, mais uma vez de virada. Vitor Hugo fez para o Palmeiras logo com sete minutos de jogo, mas o Alvinegro chegaria à vitória com os gols de Renato e Ricardo Oliveira. 

Palmeiras e Santos fazem a primeira partida da decisão do Campeonato Paulista na Arena Palestra, neste domingo, a partir das 16h. A segunda partida está marcada para a Vila Belmiro, no próximo dia 3 de maio. 

Veja a sequência invicta do Santos sobre o Palmeiras:

25/08/2012 - Palmeiras 1 x 2 Santos - Pacaembu - Campeonato Brasileiro
01/12/2012 - Santos 3 x 1 Palmeiras - Vila Belmiro - Campeonato Brasileiro
24/03/2013 - Palmeiras 0 x 0 Santos - Pacaembu - Campeonato Paulista
27/04/2013 - Santos 1 x 1 Palmeiras (4 x 2 nos pênaltis) - Vila Belmiro - Campeonato Paulista
23/03/2014 - Santos 2 x 1 Palmeiras - Vila Belmiro - Campeonato Paulista
17/07/2014 - Santos 2 x 0 Palmeiras - Vila Belmiro - Campeonato Brasileiro
19/10/2014 - Palmeiras 1 x 3 Santos - Pacaembu - Campeonato Brasileiro
11/03/2015 - Santos 2 x 1 Palmeiras - Vila Belmiro - Campeonato Paulista

Globoesporte.com

sábado, 25 de abril de 2015

O Sonho do presidente santista para se tornar realidade


Diego está mesmo de saída do Fenerbahce, por questões de atrasos salariais seu pai e empresário do meia Jair Ribas, está finalizando sua liberação para decidir o futuro, a imprensa da Turquia já destaca como certa que sua rescisão contratual será anunciada nos próximos dias.

O peixe tem uma concorrência forte no Brasil e na Europa, Cruzeiro e Aston Villa surgem como os principais interessados junto com o Santos para ter Diego. Modesto Roma já iniciou comunicação com o jogador e o seu pai, o sonho do novo presidente do Peixe é ter Robinho e Diego. O Santos sabe que não será fácil, mas pretende vencer barreiras para ter o sonho antigo realizado. 

Noesporte.com

Santos relaciona 32 jogadores para decisão do Paulista, contra o Palmeiras



Técnico Marcelo Fernandes tem diversas dúvidas para o confronto deste domingo, às 16h, na arena alviverde, e levou para São Paulo até quem não está inscrito no torneio

O Santos resolveu inovar na véspera da primeira partida da decisão do Campeonato Paulista, que será disputada neste domingo, às 16h, contra o Palmeiras, na arena alviverde. O técnico Marcelo Fernandes relacionou 32 jogadores para o clássico – até quem não está inscrito no estadual ou lesionado está concentrado com o elenco. 

O goleiro Vanderlei e o volante Alison, por exemplo, que se recuperam de uma fratura na face e de uma ruptura no ligamento cruzado anterior do joelho direito, respectivamente, estão com o restante do elenco em São Paulo. Eles também irão para o estádio neste domingo para assistirem ao duelo de perto. 

O único atleta que não está concentrado com os companheiros é Werley. Com dengue, o zagueiro precisa ficar em repouso. A ideia inicial do treinador era relacionar 27 jogadores para a decisão – todos os inscritos no Paulista, menos o defensor. Neste sábado, porém, ele decidiu levar todo o elenco para o hotel. 

Marcelo Fernandes tem diversas dúvidas para o jogo contra o Palmeiras. Ele ainda não sabe se poderá contar com Robinho e Gustavo Henrique, ambos com edema na coxa esquerda, e com Valencia, que tem uma lesão na panturrilha direita. Durante a semana, Fernandes não deu pistas de qual equipe irá utilizar no clássico.

Confira a lista dos 32 jogadores concentrados:

Goleiros: Vladimir, Vanderlei, Gabriel Gasparotto e João Paulo
Laterais: Caju, Cicinho, Victor Ferraz, Zeca, Daniel Guedes, Chiquinho e Crystian
Zagueiros: David Braz, Gustavo Henrique, Jubal e Paulo Ricardo
Volantes: Alison, Valencia, Lucas Otávio, Renato e Thiago Maia
Meias: Lucas Lima, Elano, Léo Cittadini, Leandrinho, Serginho e Marquinhos Gabriel
Atacantes: Gabriel, Geuvanio, Robinho, Ricardo Oliveira, Lucas Crispim e Diego Cardoso

Globoesporte.com

Sem dinheiro, Santos não combina prêmio por título. Vai dar o que tiver



A falta de dinheiro fez o Santos quebrar uma tradição seguida por clubes que chegam a finais: fazer reunião com os jogadores e definir a premiação pelo título.

Em meio a uma grave crise financeira, a diretoria do clube preferiu não prometer um valor fixo. Temia não conseguir cumprir a promessa e estragar o que chama de excelente relacionamento com os atletas.

Se o time bater o Palmeiras na decisão do Estadual, haverá premiação, mas a quantia será a que o clube tiver disponível. A nova postura não significa um problema, porque os atletas não cobraram a definição do bônus.

“Eles não pediram reunião para discutir prêmio, então, não marcamos nada pra falar disso. Agora, como vou prometer um valor que não tenho? Mas eles vão ser recompensados, pode ter certeza disso”, afirmou ao blog Modesto Roma Júnior, presidente santista.

Oferecer uma gorda recompensa agora também seria uma contradição dolorida para jogadores que estão com até sete meses de direitos de imagem atrasados. Os salários registrados em carteira de trabalho e os bichos por vitória estão sendo pagos.

Até aqui, os atletas não demonstram irritação por conta dos atrasos, que se acumulam desde o ano passado, durante a gestão de Odílio Rodrigues.

Diretores e o presidente atuais atribuem a compreensão do elenco, entre outros fatores, a uma conversa franca com o grupo em janeiro. No vestiário, também estava o ex-presidente Marcelo Teixeira. Depois de Modesto explicar a situação em que assumiu o clube, Robinho tomou a palavra e perguntou se a diretoria garantia que todas as remunerações atrasadas seriam quitadas. A resposta foi afirmativa, e o atacante declarou que o elenco compreenderia a situação.

Para ganhar a confiança dos atletas, a diretoria diz que no começo do ano quitou os salários de janeiro, o décimo terceiro e mais três salários atrasados de 2014. Só que nenhum direito de imagem foi pago.

“O segredo é ser verdadeiro com eles, com os funcionários de modo geral. Tem que mostrar que você não está sacaneando, está trabalhando para arrumar o dinheiro e vai pagar”, disse Modesto.

Uol Esporte

Robinho corre no campo, brinca com a bola e segue com chances de jogar

Atacante faz movimentação leve durante o trabalho do elenco e dá sinais de que pode estar em campo na decisão deste domingo, contra o Palmeiras

O Santos faz mistério, mas o atacante Robinho segue com chances de enfrentar o Palmeiras, neste domingo, no primeiro jogo da final do Paulistão. Na manhã deste sábado, ele correu pelos campos do CT Rei Pelé durante o treino do time e até brincou com uma bola.

A movimentação do camisa 7 foi leve, mas dá sinais de que ele pode ter condições de entrar em campo na decisão. Robinho se recupera de uma lesão na coxa esquerda, sofrida contra o XV de Piracicaba, mas que se agravou contra o São Paulo, no último domingo.

O Peixe não vai divulgar se o atacante será relacionado para a partida. A dúvida deve ficar até o momento do jogo.

Globoesporte.com

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Santos jogará finais do Paulista com patrocínio do Museu Pelé


Clube não tem patrocinador máster desde 2013 e acerta acordo pontual para as duas partidas contra o Palmeiras na decisão

Sem patrocinador máster desde 2013, o Santos disputará as finais do Campeonato Paulista, contra o Palmeiras, com a parceria com o Museu Pelé no espaço mais nobre da camisa. Os valores do acordo não foram divulgados.

A estampa da camisa para as partidas decisivas do estadual, com a referência ao Museu Pelé, ainda não foi divulgada. 

Inaugurado em 2014, o Museu Pelé é uma das atrações turísticas da cidade de Santos. O espaço conta com acervo caprichado sobre vida e carreira do maior ídolo da história do Peixe e da seleção brasileira.

Globoesporte.com

Jogos para sempre - Santos X Corinthians - Brasileirão de 2002