quinta-feira, 24 de abril de 2014

Aos 38 anos, Léo tem dia decisivo e pode anunciar aposentadoria


Experiente lateral-esquerdo e meia terá reunião com membros do Comitê de Gestão do Santos para decidir se dá sequência à carreira e renova o contrato ou encerra sua trajetória

O experiente lateral-esquerdo e meia Léo pode estar vivendo suas últimas horas como jogador profissional de futebol. Com apenas mais seis dias de contrato com o Santos, o atleta de 38 anos terá uma reunião importante com membros do Comitê de Gestão, em que será discutida a possibilidade de ele anunciar a aposentadoria ou até mesmo ampliar o contrato até o fim do Brasileirão de 2014. O presidente Odílio Rodrigues não confirma nenhuma das versões.

- O Comitê de Gestão vai conversar com ele. A partir dessa conversa vamos divulgar a decisão. O Léo tem uma história muito bonita no Santos, é um ídolo e tem necessidade desse ambiente, gosta disso. Precisamos conversar para chegar à definição sobre o que vai acontecer. A ideia que temos é que ele tem contrato que termina agora e vamos conversar em função desse contrato que termina agora - diz o presidente em exercício do Santos, sem explicar qual será a decisão.

Léo superou muitos problemas físicos nos últimos anos e, no fim de 2013, sem que pudesse ter uma sequência de atuações, sofreu uma lesão séria no joelho direito. Para que a despedida do maior vencedor pós-Era Pelé não fosse desvalorizada, o Peixe ampliou o vínculo até 30 de abril de 2014, mas a recuperação comprometeu boa parte do período. Léo só entrou em campo uma vez nesta temporada, no empate por 0 a 0 com o Mixto-MT, na Arena Pantanal, mas tem o apoio dos profissionais do Santos.

- Houve já um bate-papo dele com o Oswaldo. Eu não tive contato direto com essa decisão do Léo. Ele tem tido uma conduta exemplar desde que eu entrei como gerente do Santos, ele tem me ajudado bastante. É um ídolo, uma pessoa importante na história do Santos e merece respeito. A decisão se renova ou não é do Comitê de Gestão. Nós do dia a dia estamos dando apoio, e as portas estão escancaradas para um cara com a postura e a história dele - atesta Zinho, gerente de futebol do Peixe.

Lancenet

Com provocação a rival, Santos inaugura loja na capital


Digentes, ídolos e dois jogadores do atual elenco do Santos se uniram para uma noite de festa nesta quarta-feira, em São Paulo. O clube, em parceria com a Meltex Franchising, abriu sua primeira loja oficial na capital, com mais de 250m² e investimento de R$ 1,5 milhão. Durante o evento, não faltou alegria e provocações ao Corinthians, principal rival do clube.

João Vicente de Castro, empresário e humorista do canal de vídeos Porta dos Fundos, foi o mestre de cerimônias da inauguração, e aproveitou para cutucar o rival, que tem uma franquia da loja Poderoso Timão logo em frente de onde agora será a Santos na Área, na Rua Augusta, Centro de São Paulo.

"É um prazer muito grande inaugurar uma loja tão bonita de um clube tão importante quanto o Santos, que é meu time do coração. Ela é bem diferente da loja aqui da frente, porque o pessoal está pagando o aluguel em dia, a loja está limpinha...", brincou João Vicente, que fez praticamente um show de humor acompanhado de um guitarrista que tocava os acordes do hino do Santos.

Além do humorista, ainda estiveram presentes no evento o presidente em exercício do Santos, Odílio Rodrigues, Fernando Montanha, gerente de marketing, Zinho, gerente de futebol, membros do Comitê de Gestão, os jogadores Stéfano Yuri e Diego Cardoso e alguns ídolos, como Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pepe e Serginho Chulapa. Coube a Coutinho deixar suas impressões sobre a loja oficial do Peixe.

"Ficou linda, né? Imagina se eu digo que não", brincou o ídolo santista.

Após inaugurar sua franquia na Rua Augusta, o Santos avisou que seu projeto é expandir o projeto com mais 11 lojas na capital e 32, ao todo, até o ano de 2016, inclusive na Baixada e outras cidades do Estado.

A sede pioneira conta com dois andares de produtos licenciados do clube. Cerca de 500 torcedores estiveram na inauguração tietando os ídolos e já comprando camisas oficiais, principalmente na cor amarela.

Uol Esporte

Sem talento de Neymar e mais calejado, Geuvânio usa obediência para reagir


A nova joia do Santos, Geuvânio, foge o padrão das grandes revelações do clube, entre eles, Pelé, Coutinho, Robinho e Neymar, que foram lançados no time principal entre 17 e 18 anos de idade. A atual revelação santista também não tem a mesma técnica e habilidade de Neymar e companhia, mas compensa com experiência e obediência tática.

Diferente do atual camisa 11 do Barcelona, da Espanha, Geuvânio iniciou sua trajetória na equipe titular após ter encarado momentos difíceis na carreira. O novo Menino da Vila começa a se destacar com 22 anos e já traz no currículo passagens por Jabaquara e Penapolense, além de uma transferência frustrada para o futebol português.

Geuvânio sofreu muita pressão nos jogos decisivos do Campeonato Paulista, mas demonstrou "jogo de cintura" para reagir às críticas. O camisa 10 não concorda com as análises e faz questão de mostrar que, apesar de não manter o mesmo desempenho ofensivo em todos os jogos, ele também se destaca quando o assunto é obediência tática.

E os números não mentem. Além de se destacar no ataque, com sete gols e onze assistências nesta temporada, Geuvânio terminou o Campeonato Paulista como quarto jogador que mais desarma do elenco santista, com 41 desarmes certos, 81% de aproveitamento.

"Nada influenciou no meu futebol. Acontece de você jogar mal. Não tem essa de jogar todos bem. Eu tenho meu papel para cumprir no time, quando não dá certo na técnica, dá na raça. Posso não ter ido bem tecnicamente, mas fiz meu papel dentro de campo, o que foi pedido para mim", afirmou Geuvânio.

Geuvânio foi lançado por Claudinei Oliveira e atuou em onze partidas do Campeonato Brasileiro. No entanto, o atacante não marcou nenhum gol no ano passado e só demonstrou evolução após a chegada de Oswaldo de Oliveira.

Claudinei tem méritos por ter acreditado em um jogador que treinava entre os "renegados" de Muricy Ramalho no CT Rei Pelé. Porém, Geuvânio evoluiu taticamente com Oswaldo. O camisa 10 passou a atuar mais recuado, supriu a ausência de um meia-armador do time após a saída de Montillo para o futebol chinês, e foi o jovem que mais correspondeu taticamente.

O atleta mais produtivo do Santos nesta temporada recebeu aumento salarial e renovou contrato com o clube até 31 de dezembro de 2017. A revelação santista tinha o menor salário do elenco santista.

Geuvânio recebia apenas R$ 17 mil mensais e passou a ganhar R$ 50 mil por mês, além de premiações e reajustes de acordo com a sua produtividade

Além de Claudinei Oliveira, o presidente licenciado do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, também teve papel importante na permanência de Geuvânio. O jovem atacante ficou próximo de se transferir para o Coimbra, de Portugal, em 2012, mas a transferência foi impedida pela diretoria do clube. A rescisão contratual do atleta já estava na mesa de Luis Alvaro, que vetou a saída do atleta para o futebol português e fez um reajuste no contrato da revelação santista.

Uol Esporte

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Geuvânio diz que não sente pressão, explica choro em decisão e promete raça



O atacante Geuvânio alega que não sentiu a pressão nos jogos decisivos do Santos e, inclusive, fez questão de explicar o motivo do choro após a virada contra o Penapolense por 3 a 2, na Vila Belmiro, na partida que classificou a equipe santista para a decisão do Campeonato Paulista.

O camisa 10 acredita que foi mal compreendido na ocasião, pois ele deixou o campo chorando por seus familiares e não porque sentiu a pressão de ser eliminado em uma partida decisiva na Vila Belmiro.

"No jogo que sai chorando foi por causa da minha família. Estava todo mundo lá e fiquei emocionado por isso. Chorei por causa da família que estava me apoiando. Fui mal interpretado", afirmou Geuvânio.

Apesar de negar que sente a pressão de vestir a camisa 10 e carregar a fama de ser a revelação do Campeonato Paulista, Geuvânio admitiu que sofreu queda de rendimento nas finais da competição estadual, diante do Ituano, nos dois jogos no Pacaembu.

O atacante, inclusive, apoiou o fato de Oswaldo de Oliveira ter blindado os atletas mais jovens antes das finais do Paulistão.

"Na época que ele blindou a gente foi importante, vai sempre querer fazer melhor por nós. Confesso que caiu meu rendimento nas finais, mas nada que seja exagerado. Vida de jogadores tem altos e baixos. Quero sempre evoluir e vou dar meu melhor. Se jogo mal não é porque quero, às vezes cai de rendimento mesmo", disse o camisa 10.

Geuvânio ressalta que, apesar de não manter sempre o rendimento ofensivamente, ele compensa ajudando o time na marcação. 

"Tenho meu papel para cumprir no time, quando não dá certo na técnica, da na raça. Posso não ter ido bem tecnicamente, mas fiz meu papel dentro de campo, o que foi pedido para mim", explicou.

Oswaldo de Oliveira acredita que Geuvânio sofreu com excesso de exposição na mídia e cobrança por ser apontado como um dos craques do Campeonato Paulista deste ano. Nesta temporada, o camisa 10 marcou sete gols e aplicou onze assistências para gol.

Uol Esporte

Peixe cria normas e adota regimento interno para jogadores profissionais


Dirigentes santistas esperam ter hegemonia de comportamento entre os atletas do elenco. Qualquer contratação ficará ciente das 'regras' quando assinar o contrato

O Santos adota, a partir desta quarta-feira, um regimento interno para atletas profissionais. Em reunião realizada no CT Rei Pelé, os jogadores do Peixe receberam um documento com normas e dicas. Todos os funcionários do clube também terão a "cartilha" em mãos. A iniciativa é tradicional em times europeus e já foi utilizada por brasileiros. 

O principal objetivo do regimento é unificar o comportamento dos jogadores e fazer com que todos saibam como se comportar em público, por exemplo. Punições, como multas, advertências verbal e escrita, suspensão e até desligamento do elenco serão aplicadas caso algum atleta descumpra as normas. 

Os itens do documento foram definidos depois de diversas reuniões, que envolveram todos os departamentos do Santos. O resultado, ao menos na visão dos dirigentes santistas, será satisfatório e, inclusive, bom para os jogadores.

- O regimento não vai servir apenas para o clube. Ele vai unificar todas as dúvidas. Quando um funcionário, incluindo os atletas, tiver alguma dúvida, vai ser só abrir e ver o item referente àquela dúvida. Várias situações serão analisadas antes da aplicação de advertência - explica um dos advogados do clube, Cristiano Caus. 

Mas o regimento não vai servir apenas para punir atletas que descumpram ordens. Ele será um aliado dos jogadores e um material que poderá tirar algumas dúvidas dos funcionários. Lá, consta o que cada atleta pode fazer enquanto não está nas dependências do clube, como ir a um evento social a pedido de um amigo ou de algum torcedor.

- Isso servirá para os jogadores, também. Por exemplo, se alguém chega para o atleta e fala para ele ir a um evento, mesmo que seja em uma padaria, ele vai olhar no regimento e ver se pode fazer isso. Vai ser como um aliado - diz Cristiano. 

O objetivo, porém, não é transformar o Peixe em uma empresa. Segundo o advogado, a ideia é apenas que os departamentos sejam cobrados com base em um regimento e que os funcionários atuem como membros de uma empresa.

- A nossa ideia não é fazer o clube virar uma empresa. Profissionalizar é fazer com que todos sejam cobrados e trabalhem como em uma empresa, mas não transformar o clube nisso. Um time de futebol nunca será uma empresa - completa.

- A expectativa é a melhor possível. O Cristiano que teve a ideia, e temos certeza de que vai ser boa para o clube. Não tem como ser algo ruim - diz André Zanotta, superintendente de futebol do Santos.

A partir da criação do regimento interno de atletas profissionais, toda contratação santista receberá o documento assim que assinar o vínculo com o Peixe. Haverá, também, histórias do clube para que o jogador saiba o que representa a instituição pela qual ele atua. No Brasil, a prática não é comum, mas alguns outros times já adotaram a "cartilha".

Globoesporte.com

Santos vê torcida remoer Paulista e já sente pressão por título brasileiro


A perda do título paulista para o modesto Ituano há pouco mais de uma semana não será esquecido facilmente na Vila Belmiro. Jogadores e comissão técnica ainda falam sobre o ocorrido, expõem a frustração e, inclusive, alegam que as vaias da torcida na estreia do Campeonato Brasileiro, no empate contra o Sport por 1 a 1, no último domingo, são reflexos da final estadual.

"Na minha opinião, isso é normal (as vaias). O torcedor quer ver o time ganhar sempre. As vaias foram pelo fato da vitória não ter vindo porque o jogo que fizemos contra o Sport foi bem superior do que as finais contra o Ituano. Mas tem essa questão de não termos conquistado o título paulista, ficou aquela frustração. Nós somos profissionais e precisamos seguir adiante, mas pelo pouco tempo o torcedor ainda está remoendo", afirmou Thiago Ribeiro.

Após a perda do título paulista, elenco e comissão técnica santista tiveram uma reunião com a diretoria para traçar o planejamento para o restante da temporada. A pressão da torcida para que o clube conquiste o Brasileirão foi uma das pautas. Os dirigentes explicaram a importância do título nacional, fato que não ocorre desde 2004, quando o time de Robinho e companhia foram campeões.

"Claro que conversamos (com membros da diretoria), até pela importância que tem um título brasileiro, pois já vamos completar dez anos desde o último. Sem dúvida para nós é uma competição importante. Entramos com o pensamento de sermos campeões, não só de chegar a uma Libertadores. Vamos buscar sempre isso, o primeiro lugar. A direção já passou para nós a importância de vencermos o brasileiro, a comissão (técnica), também. Sabemos que o torcedor vai pressionar bastante pelo título, então vamos procurar manter o nível do Paulista e fazer tudo aquilo novamente", disse.

A diretoria do Santos sabe que a campanha do time no Brasileirão influenciará bastante nas urnas. Em dezembro, a cúpula do presidente em exercício, Odílio Rodrigues, terá pela frente as eleições do clube. Os candidatos ainda não estão definidos, mas muitas oposições foram criadas.

Os dirigentes sabem que o tropeço na final do Paulista é um ponto negativo nas eleições. Por isso, os santistas fizeram de tudo para evitar a perda do título. Após a derrota para o Ituano por 1 a 0, no primeiro jogo da decisão, a diretoria contratou uma psicóloga para ajudar os jogadores a reverter à vantagem do time do interior.

A profissional viajou com a delegação para São Paulo, deu palestra no dia seguinte, mas não obteve o resultado esperado. O técnico Oswaldo de Oliveira também trabalhou bastante. Além do trabalho no campo, o treinador fez os jogadores assistirem ao vídeo da derrota na primeira partida e apontou detalhadamente os erros coletivos.

A pressão faz a diretoria do Santos buscar um reforço de renome no mercado. O meia Diego, que está emprestado ao Atlético de Madrid, da Espanha, e termina seu contrato com o Wolfsburg, da Alemanha, é um dos interessados. A diretoria santista tem um pré-acordo com o jogador e já definiu valores de salários e luvas. 

Uol Esporte

Artilheiro pé-quente, Thiago Ribeiro elogia Damião e pede paciência

Desde que chegou ao clube, em julho do ano passado, sempre que camisa 11 faz gol, Santos vence. Contratado para ser o matador do Peixe, ex-Inter ainda derrapa

Leandro Damião chegou ao Santos com a esperança de repetir na Vila Belmiro as boas atuações que teve com a camisa do Internacional. Pouco mais de três meses após o início da temporada, o desempenho ainda não é bom. Para Thiago Ribeiro, porém, não há motivo para preocupação. Artilheiro das vitórias, o camisa 11 do Peixe elogia o companheiro de time e afirma que o elenco alvinegro confia no seu comandante de ataque.

- O Damião é um jogador muito importante. É normal essa cobrança quando os gols não saem com muita frequência. Mas não é só com o Damião. Qualquer atacante vai ser cobrado. Em compensação, ele vem sendo muito importante fazendo pivô, dando assistência, criando espaços e segurando os zagueiros. A gente, que está no campo com ele, vê a importância para a equipe.

Um dos jogadores mais regulares do Alvinegro Praiano na temporada, Thiago Ribeiro carrega consigo uma marca importante: desde que chegou ao clube, em julho do ano passado, sempre que ele balança as redes, o Santos vence - foram 13 gols, todos eles marcados em triunfos.

Leandro Damião chegou há bem menos tempo - sua contratação foi fechada em dezembro, mas ele só estreou em fevereiro -, mas apresenta desempenho semelhante: em 2014, marcou nas vitórias sobre Atlético Sorocaba, Bragantino, Mogi Mirim, Oeste e Penapolense. A expectativa de Thiago Ribeiro, porém, é de um futebol ainda melhor do companheiro de ataque no decorrer do Brasileirão e da Copa do Brasil.

- Tenho certeza que ele (Damião) vai fazer os gols, porque sabe finalizar e se posicionar na área. Percebo ele com vontade de ajudar o time e fazer os gols. Estou vendo o Damião tranquilo. Ele tem a nossa confiança e a confiança da comissão e da diretoria. É normal do futebol ter vaia. A gente vai procurar dar essa tranquilidade para ele.

Thiago Ribeiro e Leandro Damião terão a oportunidade de voltar a balançar as redes no próximo sábado, contra o Coritiba, às 18h30 (de Brasília), no Couto Pereira, em jogo válido pela segunda rodada do Brasileirão. O Peixe, que conquistou o título pela última vez em 2004, é o sétimo colocado na atual temporada.

Globoesporte.com

terça-feira, 22 de abril de 2014

Santos tem retrospecto ruim em estreias no Campeonato Brasileiro

Desde que os pontos corridos foram adotados como fórmula de disputa do Nacional, o Peixe acumula em suas estreias somente uma vitória, além de oito empates e três derrotas

O empate do Santos por 1 a 1 contra o Sport, no domingo, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro, não é nenhuma novidade. O retrospecto do Peixe em estreias no Campeonato Brasileiro, desde que a disputa passou a ser em pontos corridos, é ruim. De 2003 para cá, são oito empates, três derrotas e somente uma vitória.

Em 2003, primeiro ano em que a competição foi disputada em pontos corridos, o Peixe estreou na Vila Belmiro contra o Paraná. O jogo acabou empatado em 2 a 2. No fim daquela temporada, o Santos seria vice-campeão, deixando o título com o Cruzeiro. No ano seguinte, o Alvinegro levantou a taça do Brasileirão, mas começou a competição com derrota por 3 a 2, em outro confronto com o Paraná, mas dessa vez jogando no Sul.

Em 2005, veio a única vitória santista em uma primeira rodada na era dos pontos corridos - e com direito a goleada. O Santos ganhou do Paysandu por 4 a 1, no Estádio Anacleto Campanella. Em 2006, empate sem gols com o Goiás, no Serra Dourada. No ano seguinte, um desastre no Nordeste. Na Ilha do Retiro, o Sport goleou o time da Baixada Santista por 4 a 1.

Novo revés em 2008: dessa vez derrota por 3 a 1 para o Flamengo, no Maracanã. A partir de 2009, o alvinegro praiano só empatou em suas estreias. Na sequência: 1 a 1 com o Grêmio, no Olímpico, naquele; 3 a 3 com o Botafogo, no Engenhão, em 2010; 1 a 1 com o Internacional, na Vila Belmiro, em 2011; 0 a 0 com o Bahia, em Pituaçu, em 2012 e outro empate sem gols no ano passado, contra o Flamengo, no jogo que marcou a inauguração do Estádio Nacional Mané Garrincha e despedida do craque Neymar, que faria seu último jogo com a camisa santista antes de ir para o Barcelona.

Lancenet

Lesão de Neto preocupa e Santos pode somar quatro desfalques na zaga


Após ser substituído no empate contra o Sport por 1 a 1 no último domingo, na Vila Belmiro, por causa de dores na coxa esquerda, o zagueiro Neto passará por exames mais detalhados nesta terça-feira, no CT Rei Pelé. O atleta corre risco de ter sofrido uma lesão muscular de grau 2 e pode aumentar o número de desfalques do time na zaga.

Além de Neto, o sistema defensivo do Santos não pode contar com Edu Dracena, Gustavo Henrique e Vinicius Simon. Os dois primeiros, inclusive, passaram por cirurgias ligamentares no joelho e só voltam aos gramados após a Copa do Mundo.

Caso Neto seja mesmo vetado para o duelo contra o Coritiba no próximo sábado, às 18h30 (de Brasília), no estádio Couto Pereira, em Curitiba, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro, o técnico Oswaldo de Oliveira pode promover a estreia do zagueiro Bruno Uvini, revelado pelo São Paulo e que pertence ao Napoli, da Itália. Uvini assinou contrato de empréstimo com o Santos até o fim deste ano.

Além de Bruno Uvini, o técnico santista conta com o jovem Jubal no setor. O jovem zagueiro do Santos substituiu Neto contra o Sport aos 10 minutos do segundo tempo. O titular da zaga santista sentiu a lesão após esticar demais a perna esquerda para tentar marcar o gol na área adversária.

Apesar da chegada de Uvini, a diretoria santista ainda não desistiu de reforçar a zaga para a sequência da temporada. Os dirigentes do clube procuram um jogador no mercado sul-americano. O plano B é acionar investidores para tentar contratar um zagueiro que atua no Brasil. Manoel, do Atlético-PR e Dória, do Botafogo, são os preferidos.

Uol Esporte

Santos escolhe Arena Pantanal diante do Galo e estuda Morumbi contra Fla


Peixe e Governo do MT acertam detalhes para anunciar local como palco de jogo da 5ª rodada. Diante do Rubro-Negro, estádio do São Paulo é alternativa ao Pacaembu

O Santos definiu a Arena Pantanal, em Cuiabá (MT), para enfrentar o Atlético-MG, no dia 18 de maio, às 18h30 (de Brasília), pela 5ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Peixe e o Governo do Mato Grosso acertam os últimos detalhes para anunciar a escolha, que vinha sendo discutida há três semanas, quando o Alvinegro esteve no local para encarar o Mixto pela Copa do Brasil.

Para mandar o jogo em Cuiabá, o Santos deverá receber R$ 1,2 milhão dividido em duas parcelas: a primeira a ser paga nos próximos dias, referente a 30% do valor, e a segunda até 10 dias antes da partida. O Peixe até recebeu outras propostas para o compromisso contra o Galo, mas as ofertas não agradaram. Em 2013, o mando do duelo com o Flamengo, no Mané Garrincha – que marcou a despedida de Neymar – foi vendido por R$ 800 mil.

Quando as conversas entre Santos e Governo do Mato Grosso iniciaram, o secretário da Secopa-MT, Maurício Guimarães, disse que o Peixe estudava levar até três partidas para Cuiabá. Segundo ele, o Alvinegro gostou da receptividade do público e da estrutura do estádio – que, na ocasião, recebeu só 20 mil pessoas, já que nem todas as cadeiras estavam instaladas.

Dos 19 jogos como mandante no Brasileiro, o Santos fará oito longe de casa. Um deles, contra o Flamengo, pela 7ª rodada, marcado para 25 de maio, pode ser realizado no Morumbi. Ao menos é o que estuda o Comitê de Gestão - o Pacaembu, ideia inicial da diretoria, será usado pela Fifa na mesma data. O estádio paulistano, aliás, receberá quatro das partidas que o Peixe realizará fora da Vila Belmiro: Chapecoense, Vitória, Goiás e Cruzeiro.

Além do jogo contra o Flamengo, o Peixe precisa definir onde vai enfrentar Criciúma (9ª) e Palmeiras (10ª), jogos que ocorrem no período em que a Vila estará cedida à Fifa para receber os treinos da seleção da Costa Rica para a Copa do Mundo. Por enquanto, a ideia do Alvinegro é levar a partida contra os catarinenses para São Bernardo do Campo.

Globoesporte.com

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Cartola do Santos é avalista de empréstimos do clube em cerca de R$ 17 mi


Odílio Rodrigues, presidente em exercício do Santos, é avalista de empréstimos do clube no valor de aproximadamente R$ 17 milhões, conforme apurou o blog. Se o alvinegro não pagar, ele deve ressarcir as instituições bancárias com seu próprio dinheiro.

Procurado por meio da assessoria de imprensa santista, Odílio disse que não comentaria o assunto.

Com cotas de TV antecipadas e sem patrocinador principal fixo, a cada dia o clube tem mais dificuldades para conseguir honrar seus compromissos. Recentemente, Odílio pediu autorização do Conselho Deliberativo para usar as cotas da Globo referentes ao Brasileiro de 2015 como garantia de um novo empréstimo. Além disso, o dinheiro da TV relativo ao campeonato de 2017 deve garantir 14 milhões de euros para a Doyen Sports, caso Leandro Damião não seja vendido em três anos.

Nesse cenário, o alvinegro atrasou direitos de imagem em plena final do Campeonato Paulista. Odílio considera normal para os clubes nacionais usarem cotas de TV como garantia e fazer empréstimos. Porém, seus aliados demonstram preocupação com os constantes avais dados por ele. Principalmente porque colocar o patrimônio pessoal em risco em prol de um clube, por menor que seja a ameaça, costuma gerar desconforto entre os familiares do avalista.

Perrone/Uol Esporte

Com a paciência esgotada, torcedores do Peixe "homenageiam" Leandro Damião


Os torcedores do Peixe estão perdendo a paciência com Leandro Damião. O atacante que custou aproximadamente R$ 42 milhões está vivendo um momento delicado, perdendo vários gols. No empate por 1 a 1, neste domingo, diante do Sport, não foi diferente. 

Aproveitando a fase crítica do atacante, os torcedores do Peixe responsáveis pela página do Facebook "5ant0s m1l Gr4u" criaram uma nova sátira ao jogador.

Desta vez, usaram a novela "O Clone", da Rede Globo, como referência. Mas, em alusão aos gols perdidos pelo jogador, os torcedores resolveram dar outro nome à novela.

Leandro Damião disputou 14 partidas pelo Santos, marcando cinco gols.

Blog da TRI

Jogos para sempre - Santos X Corinthians - Brasileirão de 2002