sexta-feira, 3 de julho de 2020

Em segundo dia de treinamentos, Santos trabalha finalizações e Pituca afirma: 'Precisamos dar sequência'

Atividade contou com participação constante da comissão técnica

Diego Pituca já marcou um gol pelo Santos em 2020 (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

No segundo dia de atividades com bola, após a retomada dos treinamentos, por conta da pandemia do novo coronavírus, o Santos trabalhou finalizações no CT Rei Pelé.

Antes da quarentena, o Peixe marcou 13 gols em 12 partidas, uma média de 1,08 por jogo. O trabalho contou movimentações e orientações da comissão técnica comandada pelo português Jesualdo Ferreira.

O meia Diego Pituca, que com Jesualdo tem atuado mais avançado, como meia pelos lados do campo, e não como volante, função que o promoveu na equipe santista, falou sobre a importância de, segundo ele, “recuperar o tempo perdido”.

– Precisamos dar sequência ao trabalho e recuperar o tempo perdido, afinal, ficamos três meses praticamente parados. É um segundo passo, após passarmos pelas avaliações semana passada – disse o atleta ao site oficial do clube.

O jogador não escondeu a saudade de retomar os treinos com bola no Centro de Treinamentos santista.

– Está sendo muito bom poder reencontrar a bola, tocar nela e poder matar a saudade – concluiu o meia.

Diego Pituca e o zagueiro Luan Peres são os únicos integrantes do atual elenco do Peixe que foram titulares em todas as partidas em 2020, até o momento.

quinta-feira, 2 de julho de 2020

Santos faz acordo com Ajax, Brugge e Wolfsburg

O Santos fez três acordos na última quarta-feira: com o Ajax, da Holanda, o Brugge, da Bélgica, e o Wolfsburg, da Alemanha.

O Peixe resolveu o imbróglio com o Ajax ao aceitar receber 1 milhão de euros (quase R$ 6 mi) em três parcelas pela transação de Giovanni Manson, revelado nas categorias de base do Alvinegro. A informação foi inicialmente publicada pelo GloboEsporte.com.

O Santos acusou o Ajax de assédio e cobrou uma multa além de valores de formação: o "training compensation". Os R$ 6 milhões acabam com a ação na Justiça.

Com parte dessa quantia já disponível, o Peixe entrou em contato com o Brugge para pagar a dívida do empréstimo de Luan Peres: 250 mil euros (R$ 1,5 mi). Os belgas aceitaram e prometeram retirar a queixa na Fifa.

Outro problema resolvido envolve a contratação de Bruno Henrique, em 2017, ainda na gestão do ex-presidente Modesto Roma, por 4 milhões de euros (R$ 13,5 mi, à época).

A antiga diretoria pagou uma entrada e deixou duas parcelas de 1,5 milhão de euros (R$ 9 mi, atualmente) para o presidente José Carlos Peres. A segunda parte venceu no início deste ano. O Alvinegro fez acordo com o Wolfsburg para pagar o que resta e liquidar a dívida.

José Carlos Peres iniciou o mandato em dezembro de 2017. A eleição está marcada para dezembro de 2020 e o atual presidente não descarta a candidatura para reeleição
(Foto: Ivan Storti/Divulgação SFC)

Problema maior

O Santos fez três acordos, mas ainda precisa resolver o principal deles: a dívida com o Hamburgo, da Alemanha, pela contratação de Cleber Reis em 2017.

O Peixe acertou a contratação por 2 milhões de euros (R$ 7,3 mi, à época). E não pagou. O débito foi acrescido de multa e juros e ultrapassou 4 milhões de euros (R$ 24 mi, na cotação atual).

O Hamburgo foi à Fifa e conseguiu bloquear o Alvinegro de registrar novos jogadores até pagar essa dívida, que aumenta diariamente.

O Santos tem dinheiro da Sampdoria por Kaique Rocha a receber, além do mecanismo de solidariedade de Gabigol no Flamengo, e cotas em patrocínio. A expectativa é pagar pelo menos parte dessa "bola de neve" para comprovar a boa fé ao Hamburgo, assinar acordo e acabar com o transfer ban.

Vale lembrar que o Peixe ainda deve ao Atlético Nacional (COL) por Felipe Aguilar e ao Huachipato (CHI) por Yeferson Soteldo.

Chegada de dinheiro para resolver pendência na Fifa aproxima Ricardo Oliveira do Santos

Peixe garante verba para escapar de nova punição da Fifa

Por Bruno Giufrida — Santos, SP

Relembre gol marcado por Ricardo Oliveira na decisão do Campeonato Paulista de 2016

Mesmo impossibilitado de contratar, o Santos tem mantido conversas com o centroavante Ricardo Oliveira, em litígio com o Atlético-MG. Nesta quarta-feira, um acordo com o Ajax encurtou o caminho para o atacante de 40 anos voltar à Vila Belmiro.

Punido pela Fifa por não pagar R$ 15 milhões ao Hamburgo, da Alemanha, pela contratação do zagueiro Cléber Reis, o Santos estava na mira da entidade também por causa da dívida de R$ 1,6 milhão com o Club Brugge, da Bélgica, e poderia acumular dois banimentos de registro de atletas.

Nesta quarta-feira, o Peixe entrou em acordo com o Ajax, da Holanda, para receber cerca de R$ 6 milhões pela transferência do meia Giovanni e vai utilizar parte deste valor para quitar a dívida com o Club Brugge, escapando de uma segunda punição da Fifa.

Ricardo Oliveira em treino na academia do Santos — Foto: Ivan Storti/Santos FC

Por isso, o caminho para Ricardo Oliveira voltar à Vila Belmiro foi encurtado. De acordo com pessoas que trabalham com o centroavante, o banimento da Fifa é o único empecilho para o jogador fechar com o Santos, que não se pronuncia sobre o assunto.

Enquanto isso, o centroavante busca a liberação no Atlético-MG. Ricardo Oliveira não está nos planos do técnico Jorge Sampaoli. O Galo deve quatro meses de salários e seis de direitos de imagem ao jogador, que poderia deixar o clube de graça na Justiça.

A vontade de Ricardo Oliveira, neste momento, é voltar ao Santos, apesar do interesse de outros dois clubes brasileiros. Pesa, para o jogador, a história na Vila Belmiro. Ele aceitou reduzir seus salários em relação ao que recebe no Atlético-MG.

O centroavante é bicampeão paulista pelo Peixe, em 2015 e 2016, e fez 91 gols pelo clube.

Santos entra em acordo com Ajax e vai pagar dívida para evitar punição da Fifa

Peixe receberá cerca de 1 milhão de euros em caso envolvendo meia Giovanni

Por Bruno Giufrida 

O Santos está muito perto de resolver uma de suas pendências na Fifa.

Nesta quarta-feira, o Peixe entrou em acordo com o Ajax, da Holanda, para receber cerca de 1 milhão de euros (por volta de R$ 6 milhões, pela cotação atual) pela transferência do meia Giovanni, de 18 anos, e vai utilizar a primeira parcela do valor para quitar a dívida com o Club Brugge, da Bélgica, pelo empréstimo do zagueiro Luan Peres.

A Fifa havia dado 45 dias, a partir do início de maio, para o Santos pagar cerca de R$ 1,6 milhão pela contratação de Luan Peres. O Peixe não cumpriu o prazo e corria o risco de sofrer novo banimento de contratações – o clube já tem uma punição por causa da dívida de R$ 15 milhões pela contratação do zagueiro Cléber Reis.

O Santos, então, pediu mais tempo para a Fifa e foi atendido, já que negociava uma operação para se acertar com o Club Brugge. Agora, o Peixe aguarda apenas o pagamento da primeira parcela do acordo com o Ajax para quitar a dívida com os belgas e evitar nova punição da entidade.

Luan Peres em treino do Santos no CT Rei Pelé — Foto: Ivan Storti / Santos FC

O Peixe, inclusive, comemora mais uma vitória do departamento jurídico em busca de compensações financeiras de transferências antigas – recentemente, o clube foi indenizado pela saída do zagueiro Robson Bambu.

Quando perdeu Giovanni para o Ajax, o Santos foi à Fifa alegando assédio de um jogador com contrato e pedindo uma compensação pela formação do meia. Meses depois, o Peixe conseguiu o acordo para receber cerca de R$ 6 milhões em três parcelas.

Agora, o Santos corre contra o tempo para fechar, também, um acordo com o Hamburgo, da Alemanha, e poder voltar a contratar.

Jobson afirma que elenco do Santos está motivado: 'Soube se cuidar'

Volante não escondeu saudades da bola e ansiedade de retomar os treinamentos: 'Foi um período angustiante'


Jobson marcou um dos 13 gols do Santos antes da quarentena (Foto: Ivan Storti/Santos)

Após mais de 100 dias, o elenco do Santos retornou aos treinamentos com bola na tarde desta quarta-feira, no CT Rei Pelé. Peça importante em alguns jogos do Peixe antes do início da pandemia do novo coronavírus, que paralisou o futebol nacional, o volante Jobson garantiu que o elenco está motivado nesta retomada.

De acordo com o atleta, um dos sinais do interesse coletivo está na boa forma apresentada pelo grupo na reapresentação. O próprio preparador físico, José Pedro Pinto, afirmou recentemente que os jogadores retornaram para as atividades fisicamente melhores que no início do ano, mesmo com dois meses a mais de pausa.

– O elenco todos soube se cuidar e voltamos em boa forma. Todo mundo está bem motivado para seguir trabalhando forte e poder ajudar o Santos FC – disse ao site oficial do Santos.

Jobson não escondeu a alegria em voltar a treinar. O jogador, inclusive, fez uma postagem bem-humorada em suas redes sociais onde foi fotografado próximo a uma bola parada e marcou o governador do Estado de São Paulo, João Dória (PSDB), dizendo, em tom de brincadeira, que a utilizaria antes do dia 1º de julho, tamanha era a “abstinência da redonda”. Vale relembrar que o governo estadual e a Federação Paulista de Futebol definiram o dia de ontem como data inicial para que todos os clubes da Série A1 do Paulistão reiniciassem os seus trabalhos com bola.

– É bom demais voltar a treinar com bola após quase quatro meses. Foi um período bem angustiante para todos nós – completou o jogador.

Embora ainda não haja uma data definida para a volta dos jogos do Campeonato Paulista, é fato que Jobson não jogará a primeira partida pós-paralisação. O volante foi expulso na derrota por 2 a 1 contra o São Paulo, no estádio do Morumbi, pela 11ª rodada do Estadual, no dia 14 de março, e cumprirá suspensão automática contra o Santo André.

Diretoria do Santos mantém cautela para ceder Jean Mota ao Fortaleza

Peixe quer as negociações dentro dos interesses do clube. Cartolas da equipe cearense esperam fechar o negócio antes do fim de semana

Lancenet
No início de junho, Jean Mota completou quatro anos de Santos FC 
(Foto: Ivan Storti/Santos)

Para liberar o meia Jean Mota ao Fortaleza, a diretoria do Santos mantém cautela a fim de não perder o controle das negociações e a decisão final esteja adequada aos interesses santistas.

A informação inicial do negócio foi publicada pela "Gazeta Esportiva" e confirmada pelo LANCE!.

Desde o último fim de semana, a equipe cearense mantém contato com o Peixe, mas nas últimas horas a conversa entre as partes intensificaram-se. No início, quem esteve à frente das negociações por parte dos nordestinos foi o Diretor de Futebol, Daniel de Paula. Na ocasião, ele sugeriu o empréstimo de Jean Mota ao Fortaleza, que assumiria integralmente os salários. A ideia foi negada pelos santistas e, a partir daí, o presidente do Tricolor do Pici, Marcelo Paz, assumiu o contato com o Alvinegro Praiano.

A sugestão inicial de Paz foi o empréstimo até o fim da temporada com compra no ano que vem, mas para que o negócio fosse firmado, os cearenses adquiririam uma pequena porcentagem do jogador como “entrada do negócio”, modelo que não agradou o Santos que só aceita venda em definitivo esse ano. A última conversa, portanto, dispôs a compra total ainda esse ano, mas de forma parcelada, já que o Leão não possui a quantia para pagamento à vista.

O entrave, até o momento, está na quantidade de parcelas e a divisão de valores à receber entre as partes caso Jean Mota seja negociado com outro clube antes do fim do pagamento do Fortaleza ao Santos. 12% dos direitos do meia já pertencem ao Leão, sendo 80% ao Santos e 8% pertence aos empresários do atleta. O Fortaleza passariam a ter um percentual maior por Mota a cada pagamento ao Alvinegro Praiano.

Conforme o LANCE! apurou, para os diretores do Alvinegro o negócio só prosseguirá se estiver dentro do que o Peixe deseja e a cautela será mantida, enquanto os cartolas tricolores estão otimistas com um desfecho positivo até sexta-feira.

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Santos mantém conversas com Ricardo Oliveira enquanto tenta resolver punição da Fifa

Peixe tem interesse em retorno do centroavante, mas ainda não pode contratar reforços

Por Bruno Giufrida e Renato Cury — Santos, SP

Enquanto busca acordos para encerrar processos na Fifa, o Santos mantém conversas com o atacante Ricardo Oliveira. Aos 40 anos, o centroavante não está nos planos do Atlético-MG, interessa ao Peixe e vê com bons olhos o retorno à Vila Belmiro.

Atualmente, o Santos está proibido de contratar por causa de uma punição da Fifa. De acordo com pessoas que trabalham com o centroavante, esse é o único empecilho para que Ricardo Oliveira seja anunciado pelo Peixe, que não se pronuncia sobre o assunto.

O clube corre contra o tempo para fazer dois acordos que resolveriam os problemas na Fifa: um com o Club Brugge, da Bélgica, para quem o Santos deve cerca de R$ 1,6 milhão pelo empréstimo de Luan Peres, e outro com o Hamburgo, da Alemanha, que cobra R$ 15 milhões pela negociação com Cléber Reis.

Ricardo Oliveira em ação pelo Santos — Foto: Ivan Storti / Divulgação Santos FC

O Santos já está punido pela Fifa pela dívida com o Hamburgo, não pagou o Club Brugge dentro do prazo estipulado, correndo risco de nova punição, e pediu mais tempo. Agora, o Peixe busca a liberação, com acordos ou venda de atletas, para poder avançar nas conversas com Ricardo Oliveira.

Enquanto isso, o centroavante busca  liberação no Atlético-MG. Ricardo Oliveira não está nos planos do técnico Jorge Sampaoli. O Galo deve quatro meses de salários e seis de direitos de imagem ao jogador, que poderia deixar o clube de graça na Justiça.

A vontade de Ricardo Oliveira, neste momento, é voltar para o Santos, apesar do interesse de outros dois clubes brasileiros. Pesa, para o jogador, que aceitou reduzir seus salários em relação ao que recebe no Atlético-MG, a história na Vila Belmiro. O centroavante é bicampeão paulista pelo Peixe, em 2015 e 2016, além de ter 91 gols.

Lateral se anima com interesse do Santos, mas garante foco no Guarani

Matheus Bidu está animado com o interesse do Santos, mas garante pensar apenas no Guarani e na retomada do Campeonato Paulista.

Como a Gazeta Esportiva antecipou, o Peixe avalia o lateral-esquerdo e pode fazer proposta no fim do Estadual.

"Fico feliz por um clube de tamanha expressão no futebol cogitar meu nome, mas no momento estou focado nos treinos e na volta do campeonato. Sobre o que vai acontecer depois, eu não sei", disse Bidu, à reportagem.

Bidu tem 21 anos, é revelado pelo Bugre e tem contrato até 28 de março de 2022. O ala, inclusive, foi titular contra o Peixe no Campeonato Paulista.

Matheus Bidu, lateral-esquerdo do Guarani na pauta do Santos 
(Foto: Reprodução/Instagram)

O jovem disputou seis partidas do Paulistão antes da paralisação por causa do novo coronavírus, fez um gol e deu duas assistências.

Matheus foi indicado pelo ex-técnico do sub-20 do Alvinegro, Márcio Zanardi, em 2019, mas não houve negociação àquela altura. O clube, agora, avalia o jogador.

Vale lembrar que o Santos está impossibilitado de contratar pela Fifa por conta da dívida com o Hamburgo, da Alemanha, por Cleber Reis. O débito no acordo de 2017, realizado pelo ex-presidente Modesto Roma, foi acrescido de multa e juros e está em cerca de 4,5 milhões de euros (R$ 26 mi). O Peixe projeta o "desbloqueio" neste mês.

Antes da punição da Fifa, o Alvinegro contratou apenas dois reforços: o lateral-direito Madson e o atacante Raniel, ambos de graça e envolvidos em trocas com Victor Ferraz e Vitor Bueno no Grêmio e São Paulo, respectivamente.

O Santos tem pouco dinheiro, mas prioriza a lateral esquerda a pedido do técnico Jesualdo Ferreira. As opções na base, como Alan Cardoso e Lucas Sena, não chamaram a atenção até o momento. O zagueiro Luan Peres e os meio-campistas Diego Pituca e Jean Mota podem atuar de forma improvisada na função.

Volta aos treinamentos e extracampo: Santos entra em mês decisivo

Após mais de 100 dias sem treinamentos com bola no CT, elenco do Peixe volta a trabalhar 'normalmente'. Julho também servirá para colocar em ordem questões administrativas

Santos terá mês agitado tanto dentro quanto fora de campo (Ivan Storti)

O Santos entra no mês de julho com grandes novidades. Primeiramente, o Peixe volta aos treinamentos com bola nesta quarta-feira, após mais de cem dias afastado devido a pandemia do novo coronavírus.

O técnico Jesualdo Ferreira tem a missão de melhorar principalmente o setor ofensivo da equipe. Em doze jogos oficiais, o Peixe marcou apenas treze gols, a pior média de tentos nos últimos cinco anos.

Além disso, o Santos perdeu um meia nesse período e pode vender outro. Evandro não teve seu contrato renovado e saiu da equipe, enquanto Jean Mota está em negociação para deixar o Peixe. Com isso, Jesualdo terá que quebrar a cabeça para arrumar um meia armador, já que apenas o jovem Anderson Ceará faz a função originalmente no elenco.

A utilização da base será fundamental. Nesta temporada, Jesualdo Ferreira vem utilizando frequentemente os atacantes Kaio Jorge, Yuri Alberto e Renyer, além de ter dado oportunidades para Sandry e Arthur Gomes, que estava emprestado à Chapecoense em 2019. Nomes como o zagueiro Robson Reis, o lateral-esquerdo Lucas Sena, o meia Lucas Lourenço e o atacante Allanzinho são observados de perto pela comissão técnica.

Extracampo está em pauta

Outra questão a ser resolvida pelo Peixe são as pendências na FIFA. O Peixe está impedido de registrar novos jogadores por dívidas na FIFA, em razão das pendências por Cleber Reis, no Hamburgo e Luan Peres, no Club Brugge.

O membro do Comitê de Gestão do clube, Pedro Doria, afirmou que o início de mês de julho será importante para a quitação dessas pendências.

- O Santos tem compromissos que se arrastam por décadas no clube, como o Cléber Reis. Pretendemos resolver a maior parte deles agora, na primeira semana de julho. Nós temos pleitos e pendências em vias de firmar acordo na FIFA. O mês de julho será importante porque viveremos a retomada do futebol, mesmo de forma gradual - afirmou, em live no Instagram com o jornalista Fellipe Camargo.

Vale lembrar que atualmente, o Peixe registra R$ 16,5 milhões apenas em juros e multas que tramitam na Fifa, representando casos relacionados a: Cléber Reis, Felipe Aguilar, Luan Peres e Yeferson Soteldo. Com a retomada das atividades, o Santos espera um respiro financeiro para resolver as questões administrativas.

* Sob supervisão de Marcio Monteiro

Conselho Deliberativo do Santos reprova contas de 2019; entenda

Parecer do Conselho Fiscal foi aprovado por conselheiros em reunião virtual realizada na noite desta terça-feira

Peres teve as contas da sua gestão reprovadas pelo segundo ano consecutivo 
(Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Em reunião realizada na noite desta terça-feira via videoconferência, os conselheiros deliberativos do Santos aprovaram o parecer o Conselho Fiscal que indicava a reprovação das contas da atual gestão do clube. No total, foram 151 votos a favor, 10 contra e 11 abstenções.

Com isso, a nova Comissão de Inquérito e Sindicância, também nomeada nesta terça, deverá colher a defesa do presidente José Carlos Peres, e demais membros do Comitê Gestor do ano passado, para emitir o seu parecer na próxima Assembleia do Conselho Deliberativo.

Caso a CIS indique a abertura do processo de impeachment contra o mandatário santista e seja aprovada pelo egrégio, Peres será sumariamente afastado do cargo até que os sócios votem a decisão final – que, caso aprove o impedimento, também suspenderá o cartola durante dez anos de qualquer cargo eletivo da instituição.

No encontro virtual desta noite, o presidente fez uma fala rápida, onde pediu aos conselheiros não tomarem as suas decisões impulsionadas por paixões, e, posteriormente, passou a palavra para Pedro Dória, membro do Comitê Gestor, que ficou responsável pela defesa, rebatida pelo membro do CF, Sylvio Figo.

Os principais pontos nos quais o Conselho Fiscal posicionou a classificação da gestão como temerária estavam a utilização considerada indevida dos cartões corporativos por integrantes da gestão e pagamento de comissão a uma empresa vinculada ao empresário Renato Duprat na venda do atacante Bruno Henrique ao Flamengo, em janeiro de 2019, o que, conforme a alegação, não foi informado no balanço santista.

Contudo, houve também algumas considerações, como o excesso de processos cíveis, trabalhistas, criminais e tributários contra o clube, o acréscimo de 30,85% da folha de pagamento em um ano e a demora para entrega e registro das atas de aquisição de alguns jogadores

Segundo imagens do parecer obtidas pelo LANCE!, a gestão atual foi considerada “mais do que temerária, inconsequente”. O órgão afirma que, além de Peres, todos os membros do Comitê de Gestão que se posicionaram de forma contrária aos pontos acima elencados também deverão ser responsabilizados. As medidas, como possíveis tempos de suspensão e afastamento serão emitidas através da CIS no decorrer do processo.

terça-feira, 30 de junho de 2020

Conselho do Santos se reúne para votar contas de 2019; relatório pede reprovação

Reunião desta terça, por causa da pandemia do novo coronavírus, terá de ser virtual

Por Bruno Giufrida — Santos, SP

O Conselho Deliberativo do Santos se reúne virtualmente nesta terça-feira para discutir as contas de 2019. No último dia 10, Conselho Fiscal do clube emitiu relatório sugerindo a reprovação, mas o assunto ainda será discutido pelos conselheiros em reunião à distância por causa da pandemia do novo coronavírus.

Apesar de o Santos ter registrado R$ 23,5 milhões de superávit em 2019, o Conselho Fiscal apresentou, em um relatório de 33 páginas, motivos para os conselheiros reprovarem as contas. O parecer cita a transferência do atacante Bruno Henrique para o Flamengo, pagamento de comissões para agentes e o uso de cartões corporativos para fins pessoais.

Conselheiros ouvidos pelo GloboEsporte.com acreditam que as chances de as contas de 2019 serem reprovadas são razoáveis. Maiores, por exemplo, do que eram as chances de ser aprovado o relatório da Comissão de Inquérito e Sindicância, que pedia abertura de processo de impeachment contra a atual gestão do Santos.


José Carlos Peres, presidente do Santos — Foto: Richard Callis / Estadão Conteúdo

Enquanto isso, há, entre dirigentes do clube, uma preocupação com a possível reprovação das contas do segundo ano da gestão de José Carlos Peres, principalmente por isso já ter acontecido em 2018.

A reunião desta terça-feira será, mais uma vez, virtual por causa da pandemia do novo coronavírus. O encontro que reprovou o relatório da Comissão de Inquérito e Sindicância também foi à distância e sofreu com problemas tecnológicos, como de áudio e conexão de conselheiros.

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Evandro explica diferenças entre Sampaoli e Jesualdo e relação com a base

Evandro deixou o Santos neste mês de junho (Crédito: Ivan Storti/Santos FC)

Em um ano de Santos, Evandro trabalhou e notou a diferença entre Jorge Sampaoli e Jesualdo Ferreira. O ex-jogador do Peixe viu os dois comandantes de forma bem distinta, especialmente no tratamento com os jogadores da base. O meia deu entrevista ao jornalista Ademir Quintino.

“Sampaoli trazia os sparrings, mas não tinha paciência. Brigava mesmo, xingava. Jesualdo é mais paizão”, comentou Evandro, que mesmo assim criticou o português em algumas escalações de garotos. “Eu tinha feito um bom jogo contra a Inter de Limeira. No clássico contra o Corinthians fora de casa, ele colocou o Sandry. Eu sou a favor de colocar os Meninos da Base. Agora, as pessoas que estão comandando, tem que ter essa visão (de quando colocar)”, concluiu Evandro, que listou alguns Meninos da Vila com grande talento.

“O Sandry tem um potencial enorme. Kaio Jorge é outro. Na maioria dos clubes que passo, tenho uma relação muito bom com a molecada. Tailson também demonstrou que tem potencial. Perdeu um pouco da confiança. Sampaoli pegava muito no pé dele”.

Evandro chegou ao Santos no meio da temporada 2019. Foram 23 partidas disputadas e um gol marcado. Nessa temporada, esteve em campo cinco vezes. O clube optou por não renovar seu contrato.