No peito e na alma !

No peito e na alma !

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Análise do Santos: Vanderlei preenche vazio deixado por Lucas Lima


Camisa 10 do Santos joga sem marcação individual, mas, mesmo assim, passa despercebido pela Ilha do Urubu e segue em temporada muito aquém do esperado. O oposto do que faz o goleiro do Peixe...


Quando o torcedor santista olha para o seu camisa 10 em 2017, enxerga nostalgia, um esboço do craque que, pelo que já demonstrou, e não pelo que exibe nesta temporada, decide neste momento entre uma proposta espetacular para os padrões nacionais ou o sonho, aparentemente não compartilhado pelo Barcelona, de ir desbravar os gramados europeus. Lucas Lima teve espaço para jogar na derrota por 2 a 0 para o Flamengo, na última quarta-feira. Só não teve inspiração, o que, por outro lado, anda sobrando para o goleiro Vanderlei.

Aliás, como vem se tornando rotina em partidas do Santos, o camisa 1 preenche essa espécie de vazio deixado pelo meia alvinegro. Parece cada vez mais improvável pensar que não esteja em futuras convocações de Tite para a Seleção Brasileira - enquanto, no caso de Lucas Lima, já não seria de se espantar se perdesse espaço no time nacional, pois a bola que vem jogando não o credencia a brigar por presença no grupo. Diante do Rubro-Negro, ele completou a 21ª partida pelo Santos neste ano. Soma dois gols e dez assistências. Longe de ser decisivo, não finalizou nenhuma vez contra a meta adversária.


Lucas Lima tem liberdade para jogar, mas não aproveita (Foto: Reprodução)

Repare na imagem acima como Lucas Lima corre em direção à grande área do Flamengo sem ninguém por perto. A cena ilustra um comportamento da marcação rubro-negra durante os 90 minutos de confronto. O técnico Zé Ricardo não designou ninguém especificamente para anular o armador adversário. Tanto que o craque do Peixe nem sequer foi o mais caçado no jogo, o que coube ao atacante Bruno Henrique, com quatro faltas recebidas - Lucas Lima sofreu três.

No primeiro tempo, ele teve pouca companhia na armação. Renato era quem ainda buscava sair mais para jogo. Leandro Donizete ficou preso à frente da primeira linha defensiva da equipe. Já na segunda etapa, Levir Culpi tentou ajudar o seu camisa 10 ao tirar Kayke, que jogava enfiado entre os zagueiros flamenguistas e pouco pegava na bola, para colocar Vitor Bueno. Em tese, um homem para vir buscar mais o jogo na intermediária do ataque e tabelar com Lucas Lima. A dupla, porém, nao contribuiu muito para a teoria e quase não se encontrou.

Ataque não se comunica

O Santos jogou novamente com Copete aberto na esquerda, Bruno Henrique, na direita, e Kayke centralizado. Assim como aconteceu na derrota para o Sport, pelo Brasileiro, no sábado passado, a bola até chegou aos ponteiros. O problema é que não se cria uma triangulação, uma tabela. Tanto o colombiano quanto Bruno Henrique dominavam e tinham de se virar, às vezes, até contra três marcadores. Pará e Trauco nunca ficavam no mano a mano diante dos santistas. Muitas vezes, recebiam a ajuda de Berrío e Everton. Veja no campinho abaixo como o trio ofensivo do Peixe ficou preso - e Lucas Lima, distante deles.


Santos joga com ataque preso na marcação do Flamengo (Foto: GloboEsporte.com)

Enquanto isso, lá atrás...

Jean Mota foi escalado pela esquerda e deve ter sonhado com Berrío a noite toda. Frequentemente, o Flamengo forçou o jogo nas costas do meia improvisado como lateral. Por ali, o colombiano apareceu por trás da marcação, na velocidade, cortando para dentro... não fosse Vanderlei, o atacante teria deixado a Ilha do Urubu, no mínimo, com um gol


Vanderlei brilha, mas não consegue impedir derrota do Santos para o Flamengo

Para não ficar apenas no campo da impressão ou do achismo, foram, de acordo com o scout da TV Globo, quatro defesas difíceis e uma normal. Padrão que vem se repetindo. Diante do Sport, ele pegou duas bolas. Na partida anterior, frente ao Vitória, mais três intervenções complicadas. No empate sem gols com a Ponte Preta, dois gols da Macaca que ele evitou...

É bom para o Santos contar com alguém tão seguro e confiante no gol. Melhor ainda seria ter também Lucas Lima focado apenas no campo e de volta aos seus melhores dias com a camisa 10. Globoesporte

Um comentário:

Matheus Santos disse...

Levir veio ao Santos por ter pulso firme nas suas decisões q são voltadas para o bem da sua equipe. No atual momento de Lucas Lima ,creio q o melhor pra o time seja ele ficar no banco ,do jeito q vem jogando so ta prejudicando a equipe com esse horrível futbol.