No peito e na alma !

No peito e na alma !

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Bem no Arouca, Jubal lamenta falta de oportunidades na Vila

Negociado após período de ostracismo no Santos, zagueiro ajuda a colocar time português na Liga Europa

A vida do zagueiro Jubal mudou muito no último semestre. Encostado no Santos, o atleta foi para o Arouca, de Portugal, em janeiro, e tornou-se titular na campanha que classificou o time pela primeira vez para a Liga Europa. Realizado e valorizado como nunca no Brasil, ele projeta sucesso na próxima temporada. Mas, em seu coração, ainda reside uma ponta de frustração pelos tempos na Vila.

Na época de categoria de base, o defensor era tão bem falado quanto Gustavo Henrique, atualmente titular santista. Após subir de vez em 2013, esperava corresponder às expectativas. Mas, com o passar dos meses, perdeu espaço.

“Fiz 24 jogos como titular e não tive derrota. Eu era titular com o Oswaldo de Oliveira em 2014. Aí, na intertemporada (parada para a Copa do Mundo), tive uma lesão no joelho e fiquei meses parado. Depois, não tive mais oportunidades. Só treinava. O Enderson (Moreira, técnico) não confiou em mim como o Oswaldo”, lembra.

Sem jogar, Jubal foi emprestado ao Avaí, no meio de 2015, e rebaixado com o clube catarinense no Brasileirão. No começo deste ano, o jogador se apresentou a Dorival Júnior e achou que jogaria. Afinal, sem Werley e Leonardo, que deixaram a equipe, e David Braz e Paulo Ricardo, lesionados, restava apenas Gustavo Henrique. Não foi isso que aconteceu.

“Mesmo com muitos desfalques, o Dorival disse que não ia me utilizar. Como não confiava em mim e colocava até o Lucas Otávio (de 1,64 m de altura) para jogar como zagueiro), rescindi o contrato”. 

Então, Jubal partiu para Portugal. E, consigo, levou uma certeza: “Se tivesse oportunidade, teria evoluído bastante, conquistado coisas. Fico frustrado por não mostrar meu valor”.

Acertado com o Arouca, o zagueiro imaginava que levaria algum tempo para ganhar espaço. Ocorreu o contrário. “Em menos de duas semanas, já estava jogando. O treinador (Lito Vidigal) gostou de mim, e, desde que cheguei, joguei todos os jogos. Foram 11 (nove como titular) e dois gols”, cita.

Com o ex-santista em campo, o time não perdeu, vencendo sete partidas e empatando outras quatro. Assim, registrou a melhor temporada de sua história e finalizou o Campeonato Português no quinto lugar, que garantiu a inédita classificação para um torneio continental, a Liga Europa.

“Conseguimos um feito grande. Lá, a imprensa comparou com o Leicester City (inesperado campeão inglês)”, ressalta.

Futuro

Jubal sonha em fazer uma boa competição internacional para atrair olhares de outros clubes de maior expressão no cenário europeu. “É fazer um bom papel, bons jogos. Vamos para a Liga e, com uma bela temporada, quem sabe ser vendido para algum grande clube. Logo estarei em um grande da Europa”, aposta.

O atleta também diz que, no período de férias, soube do interesse de times de outros países. “Ouvi boatos sobre Espanha”, conta.

E a Seleção Brasileira, claro, também está em seus planos. Mas isso é coisa para um futuro mais distante, assim como a possibilidade de retornar ao Santos. “Sou torcedor do Santos. Quem sabe, um dia, volto”.

A Tribuna

Nenhum comentário: