No peito e na alma !

No peito e na alma !

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Muricy relembra tricampeonato e prevê Neymar como melhor do mundo


Já faz cinco anos, mas Muricy Ramalho ainda guarda grandes recordações de uma das noites mais felizes de sua vida. No fatídico dia 22 de junho de 2011 o treinador eternizava seu nome na história do Santos por garantir o tricampeonato da Libertadores ao Peixe, que havia conquistado o torneio pela última vez em 1963.

Apesar de não ter à sua disposição nomes como Pelé, Coutinho e Dorval, Muricy contava com excelentes peças no elenco que tiveram participação chave no tricampeonato da Libertadores. O treinador, que acompanhou o início de Neymar, afirmou que a conquista foi fundamental tanto para ele, quanto para o clube, e ainda cravou que o título continental ficará marcado para sempre na carreira do brasileiro, que em sua opinião, irá se tornar o melhor do mundo.

“Foi muito importante para todos nós, mas principalmente para o clube, porque há muitos anos o Santos, que foi um time que ganhou tudo na época do Pelé, não ganhava essa competição. Essa conquista também marcou o começo do jogador que vai ser o melhor do mundo, que é o Neymar, porque realmente foi muito importante para o começo da carreira dele ganhar esse título e ele vai levar isso com ele para quando for o melhor do mundo”, afirmou.


Muricy também lembrou a dificuldade de assumir a equipe após um início de Libertadores turbulento. O Santos não conseguiu um resultado positivo nos primeiros três jogos da fase de grupos e o treinador precisou ralar para reerguer a equipe rumo à classificação para as oitavas de final da competição.

Na estreia, contra o Deportivo Táchira, o Peixe ficou apenas no 0 a 0. Depois, recebendo os paraguaios do Cerro Porteño a equipe empatou mais uma vez, 1 a 1. Já no Chile o time parecia ter abandonado o sonho do tri após o revés por 3 a 2 contra o Colo-Colo. Posteriormente, sob o comando de Muricy, o Santos deu a volta por cima e emplacou três vitórias em três jogos para se classificar em segundo no Grupo 5.

“Acho que foi uma grande conquista porque a dificuldade foi muito grande, já que o Santos não havia começado bem a fase de grupos. Mas reagiu e teve uma grande conquista. Então isso aí, com certeza, o torcedor não esquece”, finalizou.

Gazeta Esportiva

Nenhum comentário: